Artigo Anais VII ENALIC

ANAIS de Evento

ISSN: 2526-3234

Visualizações: 95
OS DESAFIOS ENFRENTADOS PELOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA FRENTE À CARÊNCIA DE MATERIAIS DIDÁTICOS

Resumo

Os desafios enfrentados pelos professores de Geografia frente à carência de materiais didáticos Weyner Bezerra Leite[1]/weynerbezerra2@gmail.com/Universidade Federal do Ceará Pedro Guilherme Ribeiro Lima[2]/Universidade Federal do Ceará Karolayne Araújo Coelho[3]/Universidade Federal do Ceará Bianca Maria da Silva Pitombeira[4]/Universidade Federal do Ceará Dra. Alexsandra Maria Vieira Muniz[5]/Universidade Federal do Ceará Eixo Temático: Processos de Ensino e aprendizagem Resumo Ao docente são atribuídas várias atividades e uma das tarefas mais trabalhosas de um professor de Geografia é fazer com que o aluno venha a entender e se interessar pela matéria e, com isso, facilitar durante as aulas o aprendizado sobre a disciplina. Esse componente curricular é conhecido pelos educandos como maçante e, assim, muitos não querem aprender, pois dizem ser uma matéria decorativa, não servindo para sua vida. Mesmo cercado dessas dificuldades, essa matéria é uma das que pode ter diversas maneiras de reger a aula, pois é uma disciplina bastante ampla, portanto, pode-se sempre estar despertando a atenção do aluno para compreender e haver o interesse sobre o que está sendo explicado, utilizando-se de diversos materiais para alcançar o objetivo de uma aula didática e interessante. Para poder ministrar uma aula mais didática e interativa se faz necessária a utilização de materiais que despertem a atenção dos alunos. Materiais esses que podem ser uma experiência de um filme, teatro, jornalística ou outra ideia que possa surgir e que envolva a matéria de Geografia, sendo ela uma maquete ou até mesmo algum jogo que venha a ajudar no entendimento do assunto que está sendo debatido em sala de aula. Segundo Barbosa (2008), o meio audiovisual não é algo novo, mas que muitos utilizam de forma errada. Esse recurso vem a nos oferecer experiências enriquecedoras, dinamizando o processo de aprendizagem. Se utilizarmos de alternativas didáticas diferenciadas, como uma reportagem ou a música, podemos deixar os discentes mais interessados e assim fazer com que eles venham a entender o que está sendo dito em sala de aula. O aluno não teria como se deixar envolver por algo que ele mesmo não está compreendo e assim não buscaria nem meios de pesquisar, pois não conseguiria nem ao menos formular o que pesquisar para sanar suas dúvidas. Segundo Caeiro (2012), o professor de Geografia pode vir a transformar um material até mesmo de carácter mediático em um que é voltado para o contexto geográfico, pois foi extraído a geograficidade e, assim, pode ser utilizado em uma aula. Fazendo a conexão do que está sendo explicado em sala de aula com o material facilitador, fará assim que a aprendizagem seja interessante aos olhos desses alunos, sendo possível, muitas vezes, aproximar mais o conteúdo dos alunos em sala, facilitando o entendimento. Logo, podemos observar que a disciplina de Geografia é de um teor que pode apropriar-se dos mais diversos instrumentos e materiais para ser repassada ou ser auxiliada, buscando deixar a aula mais cativante. Como objetivo, esse projeto busca diagnosticar formas de o professor ministrar suas aulas com os materiais disponíveis na escola, verificar qual o papel da escola frente a falta de recursos didáticos e compreender como a Geografia pode ser uma disciplina mais dinâmica e interativa para com os estudantes. Essa pesquisa se justifica em três parâmetros: academia, sociedade e pessoal. Na academia é importante que se tenha o conhecimento de que em escolas de ensino público geralmente as dificuldades irão ser encontradas e será necessário ter um arcabouço desde o começo da graduação para enfrentarmos esses percalços. A sociedade quer entender o que se passa em uma sala de aula, pois muitos só deixam os alunos, sem saber o que se passa dentros dos muros da escola. Já pessoalmente, existe grande relevância nesta pesquisa, pois, ao mesmo tempo em que se analisa o assunto pesquisado, também estará estudando e assim podendo aprender a como lidar com os obstáculos do ensino, em especial a ausência dos materiais necessários. Essa pesquisa é do tipo exploratória descritiva, com abordagem qualitativa, envolvendo levantamento bibliográfico, visitas à escola, observação do espaço escolar que o pesquisador está frequentando, análise do material didático disponível, intervenção e avaliação. É importante também utilizar-se de entrevistas feitas com a professora que ministra a matéria de Geografia na escola e outros funcionários para melhor entendimento do ambiente. Como resultado foi obtida uma pesquisa sobre as dificuldades para ministrar uma aula quando os materiais necessários para serem utilizados em sala de aula é mínimo, mas que quando o pesquisador interveio, foi possível notar que mesmo com o pouco material, pode-se ter como retorno o interesse dos alunos na aula. Não deve-se, entretanto, deixar de fora todos os desafios e dificuldades encontradas, pois mesmo conseguindo fazer uma aula diferenciada, não é só a falta de material que pode influenciar no fato de não haver aulas atrativas, pois sabemos que o sistema educacional brasileiro tem uma série de problemas e não seria só um fator que viria a melhorar toda a estrutura que se espera. Palavras-chave: Ensino de Geografia, Materiais didáticos, Desafios da regência, Ensino público. Referências: BARBOSA, Jorge Luis. Geografia e Cinema. In CARLOS, A. (Org) A Geografia na Sala de aula. São Paulo: Ed. Contexto, 2008. CAEIRO, A. O ensino de Geografia e a ressignificação do texto mediático. In: LEÃO, V. de P.; LEÃO, I. de C. Ensino de Geografia e Mídia: Linguagens e Práticas Pedagógicas. B. Horizonte: Argumentum Editora. 2012. CRISTOVÃO, Vera Lúcia Lopes; DURÃO, Adja Balbino de Amorim Barbieri; NASCIMENTO, Elvira Lopes. DEBATE EM SALA DE AULA: Práticas de linguagem em um gênero escolar. 2003. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2018. LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora?: novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez, 2011. MAFUANI, F. Estágio e sua importância para a formação do universitário. Instituto de Ensino superior de Bauru. 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2018. PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2009.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.