Artigo Anais VI CIEH

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-0854

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE EM IDOSOS NO MUNICÍPO DE JOÃO PESSOA-PB ENTRE OS ANOS DE 2016 E 2018

Palavra-chaves: HANSENÍASE, IDOSO, EPIDEMIOLOGIA Comunicação Oral (CO) AT 03: Práticas Clínicas e Terapêuticas direcionadas à Pessoa Idosa
"2019-06-26 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 53976
    "edicao_id" => 109
    "trabalho_id" => 658
    "inscrito_id" => 2267
    "titulo" => "PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE EM IDOSOS NO MUNICÍPO DE JOÃO PESSOA-PB ENTRE OS ANOS DE 2016 E 2018"
    "resumo" => "INTRODUÇÃO: A HANSENÍASE É UMA DOENÇA FRAGILIZANTE QUANDO NÃO TRATADA E ESSE FATO AGRAVA-SE QUANDO O INDIVÍDUO ACOMETIDO É UMA PESSOA IDOSA. OBJETIVO: CARACTERIZAR O PERFIL DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA. METODOLOGIA: ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO, DESCRITIVO, DE COLETA RETROSPECTIVA, POR MEIO DO DATASUS REFERENTES A HANSENÍASE DIAGNOSTICADOS EM MAIORES DE 60 ANOS NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA, PARAÍBA, ENTRE OS ANOS DE 2016 E 2018. A COLETA DE DADOS FOI POR MEIO DO TABNET E AS VARIÁVEIS: SEXO, TIPO DE HANSENÍASE, MODO DE ENTRADA E DETECÇÃO, AVALIAÇÃO DE INCAPACIDADES NO DIAGNÓSTICO E NA CURA, PRESENÇA DE LESÕES CUTÂNEAS, FORMA CLÍNICA E TIPO DE SAÍDA. UTILIZOU-SE O MICROSOFT EXCEL 2010 PARA TRATAMENTO DE DADOS COM ANÁLISE PELO USO DA LITERATURA. RESULTADOS: IDENTIFICOU-SE QUE DOS 292 CASOS DE HANSENÍASE, 71 DELES (24,31%) EM IDOSOS, 76,06% DESTES DE 60-69 ANOS E 52,11% DO SEXO FEMININO. A FORMA CLÍNICA DIMORFA FOI PREDOMINANTE COM 31 (43,66%), CLASSIFICAÇÃO MULTIBACILAR DE 46 (64,79%). O MODO DE ENTRADA POR CASOS NOVOS (83,10%), DETECTADOS POR ENCAMINHAMENTO (54,93%), TIPO DE SAÍDA POR CURA (35,52%). QUANTO À AVALIAÇÃO DAS INCAPACIDADES FÍSICAS NO DIAGNÓSTICO PREVALECEU O GRAU 0 (47,89%). CONCLUSÃO: OS RESULTADOS DEMONSTRAM QUE AS IDOSAS SÃO VULNERÁVEIS À HANSENÍASE. HÁ FRAGILIDADE NO PREENCHIMENTO DA NOTIFICAÇÃO, UMA VEZ QUE 35,21% CASOS COM SAÍDA IGNORADOS, CONSIDERA-SE QUE A SUBNOTIFICAÇÃO PODE GERAR IMPRECISÃO DE INFORMAÇÕES PARA NOVAS PESQUISAS."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT 03: Práticas Clínicas e Terapêuticas direcionadas à Pessoa Idosa"
    "palavra_chave" => "HANSENÍASE, IDOSO, EPIDEMIOLOGIA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV125_MD1_SA3_ID2267_27052019184655.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 18:53:30"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ANDERSON BELMONT CORREIA DE OLIVEIRA"
    "autor_nome_curto" => "ANDERSON BELMONT"
    "autor_email" => "andersonbelmont_fisio@hot"
    "autor_ies" => "CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPÊ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-vi-cieh"
    "edicao_nome" => "Anais VI CIEH"
    "edicao_evento" => "VI Congresso Internacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2019
    "edicao_pasta" => "anais/cieh/2019"
    "edicao_logo" => "5e49e780eec9b_16022020220816.png"
    "edicao_capa" => "5ee370c6dba9e_12062020091046.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2019-06-26 00:00:00"
    "publicacao_id" => 10
    "publicacao_nome" => "Anais do Congresso Internacional de Envelhecimento Humano (CIEH)"
    "publicacao_codigo" => "2318-0854"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 53976
    "edicao_id" => 109
    "trabalho_id" => 658
    "inscrito_id" => 2267
    "titulo" => "PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE EM IDOSOS NO MUNICÍPO DE JOÃO PESSOA-PB ENTRE OS ANOS DE 2016 E 2018"
    "resumo" => "INTRODUÇÃO: A HANSENÍASE É UMA DOENÇA FRAGILIZANTE QUANDO NÃO TRATADA E ESSE FATO AGRAVA-SE QUANDO O INDIVÍDUO ACOMETIDO É UMA PESSOA IDOSA. OBJETIVO: CARACTERIZAR O PERFIL DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA. METODOLOGIA: ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO, DESCRITIVO, DE COLETA RETROSPECTIVA, POR MEIO DO DATASUS REFERENTES A HANSENÍASE DIAGNOSTICADOS EM MAIORES DE 60 ANOS NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA, PARAÍBA, ENTRE OS ANOS DE 2016 E 2018. A COLETA DE DADOS FOI POR MEIO DO TABNET E AS VARIÁVEIS: SEXO, TIPO DE HANSENÍASE, MODO DE ENTRADA E DETECÇÃO, AVALIAÇÃO DE INCAPACIDADES NO DIAGNÓSTICO E NA CURA, PRESENÇA DE LESÕES CUTÂNEAS, FORMA CLÍNICA E TIPO DE SAÍDA. UTILIZOU-SE O MICROSOFT EXCEL 2010 PARA TRATAMENTO DE DADOS COM ANÁLISE PELO USO DA LITERATURA. RESULTADOS: IDENTIFICOU-SE QUE DOS 292 CASOS DE HANSENÍASE, 71 DELES (24,31%) EM IDOSOS, 76,06% DESTES DE 60-69 ANOS E 52,11% DO SEXO FEMININO. A FORMA CLÍNICA DIMORFA FOI PREDOMINANTE COM 31 (43,66%), CLASSIFICAÇÃO MULTIBACILAR DE 46 (64,79%). O MODO DE ENTRADA POR CASOS NOVOS (83,10%), DETECTADOS POR ENCAMINHAMENTO (54,93%), TIPO DE SAÍDA POR CURA (35,52%). QUANTO À AVALIAÇÃO DAS INCAPACIDADES FÍSICAS NO DIAGNÓSTICO PREVALECEU O GRAU 0 (47,89%). CONCLUSÃO: OS RESULTADOS DEMONSTRAM QUE AS IDOSAS SÃO VULNERÁVEIS À HANSENÍASE. HÁ FRAGILIDADE NO PREENCHIMENTO DA NOTIFICAÇÃO, UMA VEZ QUE 35,21% CASOS COM SAÍDA IGNORADOS, CONSIDERA-SE QUE A SUBNOTIFICAÇÃO PODE GERAR IMPRECISÃO DE INFORMAÇÕES PARA NOVAS PESQUISAS."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT 03: Práticas Clínicas e Terapêuticas direcionadas à Pessoa Idosa"
    "palavra_chave" => "HANSENÍASE, IDOSO, EPIDEMIOLOGIA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV125_MD1_SA3_ID2267_27052019184655.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 18:53:30"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ANDERSON BELMONT CORREIA DE OLIVEIRA"
    "autor_nome_curto" => "ANDERSON BELMONT"
    "autor_email" => "andersonbelmont_fisio@hot"
    "autor_ies" => "CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPÊ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-vi-cieh"
    "edicao_nome" => "Anais VI CIEH"
    "edicao_evento" => "VI Congresso Internacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2019
    "edicao_pasta" => "anais/cieh/2019"
    "edicao_logo" => "5e49e780eec9b_16022020220816.png"
    "edicao_capa" => "5ee370c6dba9e_12062020091046.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2019-06-26 00:00:00"
    "publicacao_id" => 10
    "publicacao_nome" => "Anais do Congresso Internacional de Envelhecimento Humano (CIEH)"
    "publicacao_codigo" => "2318-0854"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 26 de junho de 2019

Resumo

INTRODUÇÃO: A HANSENÍASE É UMA DOENÇA FRAGILIZANTE QUANDO NÃO TRATADA E ESSE FATO AGRAVA-SE QUANDO O INDIVÍDUO ACOMETIDO É UMA PESSOA IDOSA. OBJETIVO: CARACTERIZAR O PERFIL DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA. METODOLOGIA: ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO, DESCRITIVO, DE COLETA RETROSPECTIVA, POR MEIO DO DATASUS REFERENTES A HANSENÍASE DIAGNOSTICADOS EM MAIORES DE 60 ANOS NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA, PARAÍBA, ENTRE OS ANOS DE 2016 E 2018. A COLETA DE DADOS FOI POR MEIO DO TABNET E AS VARIÁVEIS: SEXO, TIPO DE HANSENÍASE, MODO DE ENTRADA E DETECÇÃO, AVALIAÇÃO DE INCAPACIDADES NO DIAGNÓSTICO E NA CURA, PRESENÇA DE LESÕES CUTÂNEAS, FORMA CLÍNICA E TIPO DE SAÍDA. UTILIZOU-SE O MICROSOFT EXCEL 2010 PARA TRATAMENTO DE DADOS COM ANÁLISE PELO USO DA LITERATURA. RESULTADOS: IDENTIFICOU-SE QUE DOS 292 CASOS DE HANSENÍASE, 71 DELES (24,31%) EM IDOSOS, 76,06% DESTES DE 60-69 ANOS E 52,11% DO SEXO FEMININO. A FORMA CLÍNICA DIMORFA FOI PREDOMINANTE COM 31 (43,66%), CLASSIFICAÇÃO MULTIBACILAR DE 46 (64,79%). O MODO DE ENTRADA POR CASOS NOVOS (83,10%), DETECTADOS POR ENCAMINHAMENTO (54,93%), TIPO DE SAÍDA POR CURA (35,52%). QUANTO À AVALIAÇÃO DAS INCAPACIDADES FÍSICAS NO DIAGNÓSTICO PREVALECEU O GRAU 0 (47,89%). CONCLUSÃO: OS RESULTADOS DEMONSTRAM QUE AS IDOSAS SÃO VULNERÁVEIS À HANSENÍASE. HÁ FRAGILIDADE NO PREENCHIMENTO DA NOTIFICAÇÃO, UMA VEZ QUE 35,21% CASOS COM SAÍDA IGNORADOS, CONSIDERA-SE QUE A SUBNOTIFICAÇÃO PODE GERAR IMPRECISÃO DE INFORMAÇÕES PARA NOVAS PESQUISAS.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.