Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UMA PESSOA ACOMETIDA PELO ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: ESTUDO DE CASO

Palavra-chaves: PACIENTE, ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM, ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO Pôster (PO) Enfermagem Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

O acidente vascular encefálico (AVE) é definido como uma alteração súbita da função neurológica ocasionada por uma privação de fluxo sanguíneo em determinada área encefálica, impedindo o fornecimento de oxigênio e glicose ao tecido, proporcionando danos ao mesmo, É classificado como hemorrágico ou isquêmico. Dentro das doenças cerebrovasculares, o AVE destaca-se como sendo uma das grandes preocupações, tendo em vista a primeira causa de óbito ser no Brasil e a terceira no mundo. Para que se possa oferecer uma assistência de Enfermagem com qualidade ao cliente, torna-se imprescindível o desenvolvimento da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE). A utilização da SAE é um dos meios que o enfermeiro dispõe para aplicar seus conhecimentos técnico-científicos na assistência ao paciente e caracterizar sua prática profissional, colaborando na definição do seu papel, assim, a SAE se proporciona clareza para a realização da coleta de dados e para a elaboração das intervenções de enfermagem individualizadas, conforme as necessidades afetadas, para que se possa garantir a continuidade e integralidade do cuidado humanizado. Tendo em vista a importância do processo de enfermagem (PE), o referido estudo teve como objetivos a Implementação da SAE, com o reconhecimento dos principais diagnósticos de enfermagem em um paciente acometido de AVE, internado na Clínica Médica do Hospital Regional de Cajazeiras para, a partir disso, elaborar um plano de cuidados, baseado nas necessidades individuais e promover uma boa recuperação do paciente. Através da aplicação das etapas do PE elaborou-se os seguintes Diagnósticos de Enfermagem: Ansiedade relacionada à respiração aumentada evidenciado por agitação e expressões faciais; Mobilidade Física Prejudicada relacionada ao prejuízo músculo esquelético e neuromuscular, hemiparesia, perda de equilíbrio e coordenação secundária ao AVE evidenciada por imobilidade no leito, movimentos não coordenados e instabilidade postural; Deglutição prejudicada relacionado a lesão cerebral, evidenciado pela disfagia; Déficits de autocuidado relacionado com as seqüelas deixadas pelo AVE, evidenciado por necessidade de banho no leito, uso de fralda, auxilio para alimentar-se; Risco para a integridade da pele prejudicada relacionada à imobilidade no leito secundária as seqüelas deixadas pelo AVE, Comunicação verbal prejudicada relacionada com a lesão cerebral, evidenciado pela disartria . Os cuidados de enfermagem englobaram aferição dos sinais vitais e controle da pressão arterial, oxigenoterapia, balanço hidroeletrolítico, hidratação da pele, mudança de decúbito, sondagem e alimentação por sonda, cuidados com a higiene do paciente, entre outros. Utilizar a SAE requer do enfermeiro interesse em conhecer o paciente como indivíduo, utilizando para isto seus conhecimentos e habilidades, além de orientação e treinamento da equipe de enfermagem para a implementação das ações sistematizadas. Diante desta realidade, constatamos que a implementação da assistência requer múltiplos e diferentes saberes, e que todas as ações e condutas são imprescindíveis na terapêutica dos pacientes.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.