Artigo Anais XIII CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

O SOL EM LÁGRIMAS: NOTAS SOBRE O TRABALHO INVISÍVEL DOS HOMENS DO SOL

Palavra-chaves: MASCULINIDADE, CLASSE, GÊNERO, FLANELINHAS Comunicação Oral (CO) GT 04 – Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação
"2018-07-13 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 42172
    "edicao_id" => 89
    "trabalho_id" => 182
    "inscrito_id" => 372
    "titulo" => "O SOL EM LÁGRIMAS: NOTAS SOBRE O TRABALHO INVISÍVEL DOS HOMENS DO SOL"
    "resumo" => "Este artigo é fruto de uma análise realizada a partir de uma pesquisa do universo sociocultural do homem pastor de carros que trabalha cotidianamente em situação de exclusão, precarização, de informal nas ruas e praças de Sobral/CE, justifica-se pelo fato de que esses agentes vivenciam uma invisibilidade e rejeição social traduzidas em várias formas de violências físicas e simbólicas, infligidas pelo não reconhecimento de cidadania. Na pesquisa, entendi que o campo de trabalho dos flanelinhas é um território marcador de identidade de gênero, fortalecido através das relações culturalmente demarcadas. Trata-se de compreender como ocorre o processo de construção da masculinidade dos atores sociais que exercem as atividades laborais não formalizadas e, também não reconhecidas, de ‘pastorar’ e lavar carros. Nesse sentido, realizei uma pesquisa etnográfica no território de trabalho- Lado Esquerdo da Igreja São Francisco- por ser o território onde se desdobra a reciprocidade entre os flanelinhas e outros sujeitos. O estudo propõe o debate sobre o processo de construções das masculinidades de homens que modelam o cotidiano do trabalho, da vida, da afetividade nas experiências, desejos, performances. O cenário dos acontecimentos é um território demarcado pelos interesses e conflitos de poder e de gênero que marcam os processos societários da construção do sujeito. Trata-se de um estudo etnográfico, permeado pela interseccionalidade das práticas e formas de diferenciação social: classe, raça, geração e gênero. Portanto, cheguei a conclusão que a trajetória que constrói o problema das invisibilidades dos flanelinhas estão atravessados pelo fenômeno das demarcações e limites de territórios simbólicos."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 04 – Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação"
    "palavra_chave" => "MASCULINIDADE, CLASSE, GÊNERO, FLANELINHAS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV112_MD1_SA5_ID372_10052018221751.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:26"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "IVALDINETE DE ARAÚJO DELMIRO GÉMES"
    "autor_nome_curto" => "VAL"
    "autor_email" => "ivaldinetedelmiro@gmail.c"
    "autor_ies" => null
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xiii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XIII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XIII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2018"
    "edicao_logo" => "5e4d919238165_19022020165042.png"
    "edicao_capa" => "5e4d91923461c_19022020165042.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-07-13 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 42172
    "edicao_id" => 89
    "trabalho_id" => 182
    "inscrito_id" => 372
    "titulo" => "O SOL EM LÁGRIMAS: NOTAS SOBRE O TRABALHO INVISÍVEL DOS HOMENS DO SOL"
    "resumo" => "Este artigo é fruto de uma análise realizada a partir de uma pesquisa do universo sociocultural do homem pastor de carros que trabalha cotidianamente em situação de exclusão, precarização, de informal nas ruas e praças de Sobral/CE, justifica-se pelo fato de que esses agentes vivenciam uma invisibilidade e rejeição social traduzidas em várias formas de violências físicas e simbólicas, infligidas pelo não reconhecimento de cidadania. Na pesquisa, entendi que o campo de trabalho dos flanelinhas é um território marcador de identidade de gênero, fortalecido através das relações culturalmente demarcadas. Trata-se de compreender como ocorre o processo de construção da masculinidade dos atores sociais que exercem as atividades laborais não formalizadas e, também não reconhecidas, de ‘pastorar’ e lavar carros. Nesse sentido, realizei uma pesquisa etnográfica no território de trabalho- Lado Esquerdo da Igreja São Francisco- por ser o território onde se desdobra a reciprocidade entre os flanelinhas e outros sujeitos. O estudo propõe o debate sobre o processo de construções das masculinidades de homens que modelam o cotidiano do trabalho, da vida, da afetividade nas experiências, desejos, performances. O cenário dos acontecimentos é um território demarcado pelos interesses e conflitos de poder e de gênero que marcam os processos societários da construção do sujeito. Trata-se de um estudo etnográfico, permeado pela interseccionalidade das práticas e formas de diferenciação social: classe, raça, geração e gênero. Portanto, cheguei a conclusão que a trajetória que constrói o problema das invisibilidades dos flanelinhas estão atravessados pelo fenômeno das demarcações e limites de territórios simbólicos."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 04 – Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação"
    "palavra_chave" => "MASCULINIDADE, CLASSE, GÊNERO, FLANELINHAS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV112_MD1_SA5_ID372_10052018221751.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:26"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "IVALDINETE DE ARAÚJO DELMIRO GÉMES"
    "autor_nome_curto" => "VAL"
    "autor_email" => "ivaldinetedelmiro@gmail.c"
    "autor_ies" => null
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xiii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XIII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XIII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2018"
    "edicao_logo" => "5e4d919238165_19022020165042.png"
    "edicao_capa" => "5e4d91923461c_19022020165042.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-07-13 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 13 de julho de 2018

Resumo

Este artigo é fruto de uma análise realizada a partir de uma pesquisa do universo sociocultural do homem pastor de carros que trabalha cotidianamente em situação de exclusão, precarização, de informal nas ruas e praças de Sobral/CE, justifica-se pelo fato de que esses agentes vivenciam uma invisibilidade e rejeição social traduzidas em várias formas de violências físicas e simbólicas, infligidas pelo não reconhecimento de cidadania. Na pesquisa, entendi que o campo de trabalho dos flanelinhas é um território marcador de identidade de gênero, fortalecido através das relações culturalmente demarcadas. Trata-se de compreender como ocorre o processo de construção da masculinidade dos atores sociais que exercem as atividades laborais não formalizadas e, também não reconhecidas, de ‘pastorar’ e lavar carros. Nesse sentido, realizei uma pesquisa etnográfica no território de trabalho- Lado Esquerdo da Igreja São Francisco- por ser o território onde se desdobra a reciprocidade entre os flanelinhas e outros sujeitos. O estudo propõe o debate sobre o processo de construções das masculinidades de homens que modelam o cotidiano do trabalho, da vida, da afetividade nas experiências, desejos, performances. O cenário dos acontecimentos é um território demarcado pelos interesses e conflitos de poder e de gênero que marcam os processos societários da construção do sujeito. Trata-se de um estudo etnográfico, permeado pela interseccionalidade das práticas e formas de diferenciação social: classe, raça, geração e gênero. Portanto, cheguei a conclusão que a trajetória que constrói o problema das invisibilidades dos flanelinhas estão atravessados pelo fenômeno das demarcações e limites de territórios simbólicos.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.