Artigo E-book SENACORPUS

E-books

ISBN: 978-85-61702-53-3

Visualizações: 180
?? MENINO OU MENINA??: REFLEX?ES ACERCA DAS POSSIBILIDADES DO CORPO INTERSEX

Resumo

Introdu??o: Este relato prov?m de uma experi?ncia de est?gio obrigat?rio espec?fico em Promo??o e Preven??o em Sa?de, do curso de gradua??o em Psicologia, realizado em um hospital escola do sul do pa?s. Ao atuar no setor da pediatria, tive meu primeiro contato com a intersexualidade, e este sem d?vida foi um momento de estranhamentos. Este relato tem como foco a experi?ncia em si, com todas as mobiliza??es e questionamentos que dela emergiram. O objetivo foi apresentar minhas inquietudes frente a este tema, refletindo minhas posi??es, que foram sendo modificadas e repensadas ao longo do per?odo de est?gio. Essas inquieta??es mobilizaram minha pesquisa de trabalho de conclus?o de curso, que ainda se encontra em processo de constru??o. Relato da Experi?ncia: Os estranhamentos: um beb? com nome masculino, mas que nasceu com caracter?sticas f?sicas de ambas as genit?lias; uma equipe em alvoro?o, que fazia o poss?vel para lidar com a situa??o sem deixar que o sentimento de estranheza fosse t?o evidente; um casal de classe social baixa, jovens, confusos e cansados, mas demonstrando-se tranquilos e fortes frente ? situa??o. Antes de chegar ao leito onde estava o beb? intersex, a equipe me informou que a crian?a tinha genit?lia amb?gua e fui aconselhada a n?o cham?-la pelo nome. N?o sabia exatamente do que se tratava, fiz apenas a triagem e retornei ao setor de psicologia para saber mais informa??es. A partir deste momento, e em todos os di?logos que passei a ter com outros profissionais da sa?de, novas quest?es foram formuladas, ressignificando, aos poucos, minha vis?o acerca da intersexualidade. Reflex?es e Considera??es Finais: Diversos questionamentos emergiram desta experi?ncia e tantos outros continuam sendo levantados durante a escrita do meu trabalho de conclus?o de curso. Quest?es acerca de temas como sexo, g?nero, registro de nascimento, o papel da psicologia no ?mbito dessas problematiza??es e dentro de um hospital geral, entre outros. Em um primeiro momento, meu olhar ainda era de senso comum, eu n?o via possibilidades neste corpo e meu discurso refletia um pensamento e uma cultura heteronormativos. Ao buscar conhecer mais, me questionar e perguntar a outros, fossem da psicologia ou n?o, meus conceitos foram sendo modificados, minha maneira de olhar e pensar sobre foi tomando a minha pr?pria forma. Ent?o percebi o quanto o meio influencia nossas reflex?es sobre g?nero e sexualidade. Na verdade, notei que os questionamentos nunca v?o acabar e me sinto satisfeita com isto. N?o existe mudan?a sem reflex?es, sem quest?es, sem inquieta??es. Meu desejo de escrever sobre a intersexualidade ? fazer com que estas problematiza??es n?o sejam s? minhas, que as pessoas conhe?am o corpo poss?vel de um intersex e que aprendamos cada vez mais para sabermos lidar com nossas pr?prias quest?es e tamb?m com as de nossos pacientes.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.