Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

ANALISANDO AS LINGUAGENS E DISCURSOS SEXISTAS NO AMBIENTE ESCOLAR

Palavra-chaves: GÊNERO, LINGUAGENS, DISCURSOS, SEXISSIMO, SEXISSIMO Comunicação Oral (CO) GT 07 - Gênero, Sexualidade e Educação
"2017-12-19 23:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 35774
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 3276
    "inscrito_id" => 9267
    "titulo" => "ANALISANDO AS LINGUAGENS E DISCURSOS SEXISTAS NO AMBIENTE ESCOLAR"
    "resumo" => "Este artigo resulta da pesquisa que teve como objetivo geral, analisar e discutir como meninas e meninos são tratados/as no ambiente escolar. Para tanto, definimos os seguintes objetivos específicos: identificar se os discursos que circulam na escola contribuem para a “naturalização” da linguagem sexista, reconhecendo aqueles que podem provocar sofrimentos, traumas e competições entre os alunos e alunas; discutir a postura da escola frente aos preconceitos de gêneros e a linguagem sexista; e apontar estratégias que venham garantir a equidade e o respeito às individualidades de cada pessoa. Para essa feitura, dialogamos com Louro (2008), Andrade (f/d), Silva (f/d). O caminho metodológico que percorremos foram os seguintes: pensar como se constroem ou são reproduzidos os possíveis discursos sexistas na escola e, em seguida, aplicamos o questionário em sala para então analisarmos como os discentes lidam com essas construções. Os resultados da pesquisa revelam que meninos e meninas vivem em espaços diferenciados e constituídos de acordo com a definição do gênero. Verificamos também durante a pesquisa, que os discursos acerca do gênero feminino e masculino, as linguagem sexista existem na escola, dividindo espaços, inferiorizando, meninas que querem direitos iguais. Inferiorizam também os meninos que rompem com os padrões masculinos, estabelecidos como verdades, como exemplo; um menino possuir comportamento semelhante ao de uma menina, Neste sentido, o gênero, masculino também sofre   traumas relacionado ao gênero. No decorrer da pesquisa percebemos como os gêneros guerreiam no espaço escolar, tentando conviver, porém, convivem em constantes conflitos, por permanência e rupturas de discursos e comportamentos."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 07 - Gênero, Sexualidade e Educação"
    "palavra_chave" => "GÊNERO, LINGUAGENS, DISCURSOS, SEXISSIMO, SEXISSIMO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA7_ID9267_09102017231840.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:20"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:03"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA GORETE OLIMPIO DOS SANTOS"
    "autor_nome_curto" => "MARIA GORETE"
    "autor_email" => "anaguiaturismo@yahoo.com."
    "autor_ies" => "0000"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-19 23:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 35774
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 3276
    "inscrito_id" => 9267
    "titulo" => "ANALISANDO AS LINGUAGENS E DISCURSOS SEXISTAS NO AMBIENTE ESCOLAR"
    "resumo" => "Este artigo resulta da pesquisa que teve como objetivo geral, analisar e discutir como meninas e meninos são tratados/as no ambiente escolar. Para tanto, definimos os seguintes objetivos específicos: identificar se os discursos que circulam na escola contribuem para a “naturalização” da linguagem sexista, reconhecendo aqueles que podem provocar sofrimentos, traumas e competições entre os alunos e alunas; discutir a postura da escola frente aos preconceitos de gêneros e a linguagem sexista; e apontar estratégias que venham garantir a equidade e o respeito às individualidades de cada pessoa. Para essa feitura, dialogamos com Louro (2008), Andrade (f/d), Silva (f/d). O caminho metodológico que percorremos foram os seguintes: pensar como se constroem ou são reproduzidos os possíveis discursos sexistas na escola e, em seguida, aplicamos o questionário em sala para então analisarmos como os discentes lidam com essas construções. Os resultados da pesquisa revelam que meninos e meninas vivem em espaços diferenciados e constituídos de acordo com a definição do gênero. Verificamos também durante a pesquisa, que os discursos acerca do gênero feminino e masculino, as linguagem sexista existem na escola, dividindo espaços, inferiorizando, meninas que querem direitos iguais. Inferiorizam também os meninos que rompem com os padrões masculinos, estabelecidos como verdades, como exemplo; um menino possuir comportamento semelhante ao de uma menina, Neste sentido, o gênero, masculino também sofre   traumas relacionado ao gênero. No decorrer da pesquisa percebemos como os gêneros guerreiam no espaço escolar, tentando conviver, porém, convivem em constantes conflitos, por permanência e rupturas de discursos e comportamentos."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 07 - Gênero, Sexualidade e Educação"
    "palavra_chave" => "GÊNERO, LINGUAGENS, DISCURSOS, SEXISSIMO, SEXISSIMO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA7_ID9267_09102017231840.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:20"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:03"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA GORETE OLIMPIO DOS SANTOS"
    "autor_nome_curto" => "MARIA GORETE"
    "autor_email" => "anaguiaturismo@yahoo.com."
    "autor_ies" => "0000"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-19 23:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 19 de dezembro de 2017

Resumo

Este artigo resulta da pesquisa que teve como objetivo geral, analisar e discutir como meninas e meninos são tratados/as no ambiente escolar. Para tanto, definimos os seguintes objetivos específicos: identificar se os discursos que circulam na escola contribuem para a “naturalização” da linguagem sexista, reconhecendo aqueles que podem provocar sofrimentos, traumas e competições entre os alunos e alunas; discutir a postura da escola frente aos preconceitos de gêneros e a linguagem sexista; e apontar estratégias que venham garantir a equidade e o respeito às individualidades de cada pessoa. Para essa feitura, dialogamos com Louro (2008), Andrade (f/d), Silva (f/d). O caminho metodológico que percorremos foram os seguintes: pensar como se constroem ou são reproduzidos os possíveis discursos sexistas na escola e, em seguida, aplicamos o questionário em sala para então analisarmos como os discentes lidam com essas construções. Os resultados da pesquisa revelam que meninos e meninas vivem em espaços diferenciados e constituídos de acordo com a definição do gênero. Verificamos também durante a pesquisa, que os discursos acerca do gênero feminino e masculino, as linguagem sexista existem na escola, dividindo espaços, inferiorizando, meninas que querem direitos iguais. Inferiorizam também os meninos que rompem com os padrões masculinos, estabelecidos como verdades, como exemplo; um menino possuir comportamento semelhante ao de uma menina, Neste sentido, o gênero, masculino também sofre traumas relacionado ao gênero. No decorrer da pesquisa percebemos como os gêneros guerreiam no espaço escolar, tentando conviver, porém, convivem em constantes conflitos, por permanência e rupturas de discursos e comportamentos.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.