Artigo Anais III CIEH

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-0854

Visualizações: 256
A ATUAÇÃO DE RADICAIS LIVRES NO PROCESSO DO ENVELHECIMENTO

Palavra-chaves: ENVELHECIMENTO, ESTRESSE OXIDATIVO, RADICAIS LIVRES Pôster (PO) Avanços da ciência para o envelhecimento humano Publicado em 15 de junho de 2013

Resumo

Introdução: O envelhecimento é um processo natural, pelo qual ocorrem alterações bioquímicas, morfológicas e funcionais, que afetam a qualidade de vida do indivíduo. Caracteriza-se pela ocorrência de estresse oxidativo nas células, resultante da alteração do metabolismo mitocondrial e acúmulo de radicais livres (RL), compostos altamente reativos por possuírem um elétron não pareado na órbita mais externa. Essa formação exacerbada de RL resulta da utilização de O2 para obtenção de energia, decorrendo também de fatores como alimentação inadequada, sedentarismo, hábito de fumar ou ingerir álcool, entre outros. Objetivo: Neste contexto, o estudo teve como objetivo discutir sobre a atuação dos radicais livres no processo do envelhecimento e fazer uma análise comparativa dos estudos já publicados sobre o tema. Metodologia: Como desenvolvimento metodológico, foi realizada uma revisão sistemática da literatura, utilizando, como instrumentos de pesquisa, as bases eletrônicas de dados SCIELO, LILACS e CAPES. Os descritores utilizados para a busca foram: envelhecimento, estresse oxidativo e radicais livres. Os dados foram coletados no período de fevereiro a março de 2013, considerando as publicações científicas dos últimos sete anos. Resultados: Os RL do oxigênio, também conhecidos como Espécies Reativas de Oxigênio (EROs), podem induzir uma série de danos ao organismo, tanto em nível de DNA, como de proteínas e de lipídios. A teoria dos RL afirma que seus mecanismos regulatórios ficam ineficientes ao avançar da idade, desencadeando um desequilíbrio entre a geração de compostos oxidantes e antioxidantes e, consequentemente, seu acúmulo, favorecendo o processo de envelhecimento. As EROs mais conhecidas são o superóxido (O2) e o hidroxila (OH). O metabolismo mitocondrial é apontado como principal fonte geradora de RL. A formação destes compostos faz parte do processo fisiológico, atuando, positivamente, em vários processos biológicos. Contudo, quando em excesso, podem causar danos oxidativos. As EROs estão associadas a várias doenças crônicas não transmissíveis evidenciadas na senescência, como as doenças neurodegenerativas. Várias pesquisas apontam a ação de EROs em nível intracelular, caracterizando-a como efeito local. Entretanto os RL podem provocar problemas que comprometem a função de vários sistemas do corpo, caracterizando um efeito sistêmico. Alguns estudos realizados observaram que o exercício físico intenso está associado ao aumento dos RL e que o uso moderado desses exercícios diminui o efeito deletério dos danos oxidativos. Outros estudos discutem o diferencial entre exercícios em indivíduos saudáveis e em idosos, relatando que essas atividades, mesmo de forma intensa, geralmente não provocam danos em indivíduos saudáveis e que, apenas a geração de EROs não é um fator determinante para a ocorrência desses danos. Conclusão: A partir da revisão realizada, foi constatado que as EROs exercem ações biológicas importantes, auxiliando na defesa do organismo e participando de processos adaptativos. Entretanto, não há dúvidas que o estresse oxidativo exacerbado está diretamente relacionado a um leque de doenças evidenciadas no envelhecimento. Observou-se que uma alimentação saudável e balanceada, pode diminuir a produção de RL e os riscos biomoleculares, preservando a função mitocondrial e contribuindo, assim, para longevidade, assegurando uma melhor qualidade de vida.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.