Artigo Anais II CONBRACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2525-6696

PREVALÊNCIA DE OVERREACHING E OVERTRAINING EM PROFESSORES DE GINÁSTICA DE ACADEMIA

Palavra-chaves: OVERTRAINING, OVERREACHING, PROFESSOR DE GINÁSTICA Comunicação Oral (CO) AT-10: Educação Física
"2017-06-14 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 29550
    "edicao_id" => 60
    "trabalho_id" => 296
    "inscrito_id" => 987
    "titulo" => "PREVALÊNCIA DE OVERREACHING E OVERTRAINING EM PROFESSORES DE GINÁSTICA DE ACADEMIA"
    "resumo" => "Overtraining é um fenômeno prevalente em atletas. Enquanto isso, professores de academias de ginástica também dedicam esforços com grande volume de aulas diárias, mas se esta população também sofre overtrianing é algo que não se tem investigado. O objetivo do estudo foi detectar a prevalência de overtraining em professores de ginástica em academias. Após 24 sem realizar exercícios físicos, 10 professores de ginástica de academia com idade entre 23 e 44 anos responderam a questionários previamente validados para detectar estado de overtraining (POMS, que avalia estado de humor e questionário de Overtranning respectivamente) e ao instrumento de Escala de Sonolência, que avalia padrão de sono/descanso. Adicionalmente, foram feitas avaliações fisiológicas que indicam disfunção fisiológica (pressão arterial, atividade nervosa autonômica cardíaca e estresse oxidativo, através da concentração sérica de indicadores de capacidade antioxidante total [CAT] e molondialdeído [MDA]). Teste t para uma amostra foi usado para comparar os resultados obtidos com valores de referência de normalidade para as variáveis estudadas. Os dados são apresentados como prevalência de desordem fisiológica para cada uma das variáveis. Os professores ministravam 23,5 ± 8,8 aulas por semana. Apresentaram média alta da escala de sonolência diurna (9,4 ± 3,4) com 50% acima dos níveis de normalidade (normal até 10). O marcador de estresse oxidativo MDA estava acima da normalidade (4,6 ± 2,6), sendo 60% acima da referência (1 a 3µM normal). Modulação autonômica cardíaca elevada, LF/HF de 2,6 ± 2,8 (normal até 2). Os testes psicométricos mostraram que os professores expressam subjetivamente desequilíbrio fisiológico, com escore no POMS de 119,8 ± 30,2 pontos, sendo 80% acima dos limites de normalidade (até 100 pontos) e escore de 20,5 ± 16 no Questionário do Overtraining, com 70% acima da normalidade (até 10 pontos). Pressão arterial e CAT se mostraram dentro dos limites de normalidade. Concluímos que os professores de ginástica apresentam alta prevalência de estresse oxidativo, acompanhado de déficit de sono, perturbação do estado de humor e sintomas subjetivos de desgaste físico, variáveis que são indicadoras de estado de overtraining."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT-10: Educação Física"
    "palavra_chave" => "OVERTRAINING, OVERREACHING, PROFESSOR DE GINÁSTICA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV071_MD1_SA10_ID987_02052017160820.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:15"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:29:31"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ANDERSON IGOR SILVA DE SOUZA ROCHA"
    "autor_nome_curto" => "ANDERSON IGOR"
    "autor_email" => "anderson-igor@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais II CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a0123e6440_16022020235739.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844ec532ad_22072020105348.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-06-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 29550
    "edicao_id" => 60
    "trabalho_id" => 296
    "inscrito_id" => 987
    "titulo" => "PREVALÊNCIA DE OVERREACHING E OVERTRAINING EM PROFESSORES DE GINÁSTICA DE ACADEMIA"
    "resumo" => "Overtraining é um fenômeno prevalente em atletas. Enquanto isso, professores de academias de ginástica também dedicam esforços com grande volume de aulas diárias, mas se esta população também sofre overtrianing é algo que não se tem investigado. O objetivo do estudo foi detectar a prevalência de overtraining em professores de ginástica em academias. Após 24 sem realizar exercícios físicos, 10 professores de ginástica de academia com idade entre 23 e 44 anos responderam a questionários previamente validados para detectar estado de overtraining (POMS, que avalia estado de humor e questionário de Overtranning respectivamente) e ao instrumento de Escala de Sonolência, que avalia padrão de sono/descanso. Adicionalmente, foram feitas avaliações fisiológicas que indicam disfunção fisiológica (pressão arterial, atividade nervosa autonômica cardíaca e estresse oxidativo, através da concentração sérica de indicadores de capacidade antioxidante total [CAT] e molondialdeído [MDA]). Teste t para uma amostra foi usado para comparar os resultados obtidos com valores de referência de normalidade para as variáveis estudadas. Os dados são apresentados como prevalência de desordem fisiológica para cada uma das variáveis. Os professores ministravam 23,5 ± 8,8 aulas por semana. Apresentaram média alta da escala de sonolência diurna (9,4 ± 3,4) com 50% acima dos níveis de normalidade (normal até 10). O marcador de estresse oxidativo MDA estava acima da normalidade (4,6 ± 2,6), sendo 60% acima da referência (1 a 3µM normal). Modulação autonômica cardíaca elevada, LF/HF de 2,6 ± 2,8 (normal até 2). Os testes psicométricos mostraram que os professores expressam subjetivamente desequilíbrio fisiológico, com escore no POMS de 119,8 ± 30,2 pontos, sendo 80% acima dos limites de normalidade (até 100 pontos) e escore de 20,5 ± 16 no Questionário do Overtraining, com 70% acima da normalidade (até 10 pontos). Pressão arterial e CAT se mostraram dentro dos limites de normalidade. Concluímos que os professores de ginástica apresentam alta prevalência de estresse oxidativo, acompanhado de déficit de sono, perturbação do estado de humor e sintomas subjetivos de desgaste físico, variáveis que são indicadoras de estado de overtraining."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT-10: Educação Física"
    "palavra_chave" => "OVERTRAINING, OVERREACHING, PROFESSOR DE GINÁSTICA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV071_MD1_SA10_ID987_02052017160820.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:15"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:29:31"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ANDERSON IGOR SILVA DE SOUZA ROCHA"
    "autor_nome_curto" => "ANDERSON IGOR"
    "autor_email" => "anderson-igor@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais II CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a0123e6440_16022020235739.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844ec532ad_22072020105348.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-06-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 14 de junho de 2017

Resumo

Overtraining é um fenômeno prevalente em atletas. Enquanto isso, professores de academias de ginástica também dedicam esforços com grande volume de aulas diárias, mas se esta população também sofre overtrianing é algo que não se tem investigado. O objetivo do estudo foi detectar a prevalência de overtraining em professores de ginástica em academias. Após 24 sem realizar exercícios físicos, 10 professores de ginástica de academia com idade entre 23 e 44 anos responderam a questionários previamente validados para detectar estado de overtraining (POMS, que avalia estado de humor e questionário de Overtranning respectivamente) e ao instrumento de Escala de Sonolência, que avalia padrão de sono/descanso. Adicionalmente, foram feitas avaliações fisiológicas que indicam disfunção fisiológica (pressão arterial, atividade nervosa autonômica cardíaca e estresse oxidativo, através da concentração sérica de indicadores de capacidade antioxidante total [CAT] e molondialdeído [MDA]). Teste t para uma amostra foi usado para comparar os resultados obtidos com valores de referência de normalidade para as variáveis estudadas. Os dados são apresentados como prevalência de desordem fisiológica para cada uma das variáveis. Os professores ministravam 23,5 ± 8,8 aulas por semana. Apresentaram média alta da escala de sonolência diurna (9,4 ± 3,4) com 50% acima dos níveis de normalidade (normal até 10). O marcador de estresse oxidativo MDA estava acima da normalidade (4,6 ± 2,6), sendo 60% acima da referência (1 a 3µM normal). Modulação autonômica cardíaca elevada, LF/HF de 2,6 ± 2,8 (normal até 2). Os testes psicométricos mostraram que os professores expressam subjetivamente desequilíbrio fisiológico, com escore no POMS de 119,8 ± 30,2 pontos, sendo 80% acima dos limites de normalidade (até 100 pontos) e escore de 20,5 ± 16 no Questionário do Overtraining, com 70% acima da normalidade (até 10 pontos). Pressão arterial e CAT se mostraram dentro dos limites de normalidade. Concluímos que os professores de ginástica apresentam alta prevalência de estresse oxidativo, acompanhado de déficit de sono, perturbação do estado de humor e sintomas subjetivos de desgaste físico, variáveis que são indicadoras de estado de overtraining.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.