Artigo Anais II CONBRACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2525-6696

ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Palavra-chaves: DOENÇA NEURODEGENERATIVA, ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL, FISIOTERAPIA Comunicação Oral (CO) AT-09: Fisioterapia
"2017-06-14 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 29113
    "edicao_id" => 60
    "trabalho_id" => 368
    "inscrito_id" => 538
    "titulo" => "ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA"
    "resumo" => "A Atrofia Muscular Espinhal (AME) é uma doença degenerativa que possui tendência progressiva e pertence ao grupo de síndromes hereditárias. Determina lesão no neurônio motor inferior, especificamente na estrutura do corno anterior da medula. O referido estudo tem como objetivo identificar o desempenho efetivo da atuação fisioterapêutica na reabilitação de portadores de AME, detectando os possíveis níveis de intervenção da fisioterapia no que concerne à prevenção e tratamento da doença. A presente pesquisa classificou 12 artigos em português e inglês como condizentes para realização deste estudo e houve uma seletiva busca de artigos que envolvesse a temática no que se refere à atuação fisioterapêutica na amiotrofia espinhal com os seguintes descritores: doença neurodegenerativa, atrofia muscular espinhal e fisioterapia. A publicação dos dados coletados ocorreu entre os anos de 2002 e 2014, sendo ordenada nas subsequentes bases de dados: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Eletronic Library Online (SciELO) e Medical Literature Analysis and Retrieval System Online/Biblioteca Virtual em Saúde (MEDLINE/BVS). Durante a pesquisa foi observada que a atuação fisioterapêutica depende muito do estágio da AME e de suas alterações. O modo que a fisioterapia apresenta para lidar com tais complicações respiratórias é de caráter precoce e preventivo, e objetiva manter a complacência dos pulmões. Demais pesquisadores reconhecem que quando iniciada precocemente, a fisioterapia consegue precaver possíveis complicações motoras e, sobretudo, respiratórias. Os resultados identificados totalizaram que a fisioterapia intervém de maneira apropriada para que as manifestações clínicas dos pacientes com AME sejam retrocedidas. Assim, é necessário que haja planejamento satisfatório para um programa de recuperação funcional e que este passe a intervir diretamente no comprometimento da mobilidade e do sistema respiratório."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT-09: Fisioterapia"
    "palavra_chave" => "DOENÇA NEURODEGENERATIVA, ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL, FISIOTERAPIA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV071_MD1_SA9_ID538_02052017213205.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:14"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:29:30"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "THAYNARA DO MONTE MÉLO"
    "autor_nome_curto" => "THAYNARA MÉLO"
    "autor_email" => "mmelothaynara@gmail.com"
    "autor_ies" => "FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais II CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a0123e6440_16022020235739.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844ec532ad_22072020105348.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-06-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 29113
    "edicao_id" => 60
    "trabalho_id" => 368
    "inscrito_id" => 538
    "titulo" => "ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA"
    "resumo" => "A Atrofia Muscular Espinhal (AME) é uma doença degenerativa que possui tendência progressiva e pertence ao grupo de síndromes hereditárias. Determina lesão no neurônio motor inferior, especificamente na estrutura do corno anterior da medula. O referido estudo tem como objetivo identificar o desempenho efetivo da atuação fisioterapêutica na reabilitação de portadores de AME, detectando os possíveis níveis de intervenção da fisioterapia no que concerne à prevenção e tratamento da doença. A presente pesquisa classificou 12 artigos em português e inglês como condizentes para realização deste estudo e houve uma seletiva busca de artigos que envolvesse a temática no que se refere à atuação fisioterapêutica na amiotrofia espinhal com os seguintes descritores: doença neurodegenerativa, atrofia muscular espinhal e fisioterapia. A publicação dos dados coletados ocorreu entre os anos de 2002 e 2014, sendo ordenada nas subsequentes bases de dados: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Eletronic Library Online (SciELO) e Medical Literature Analysis and Retrieval System Online/Biblioteca Virtual em Saúde (MEDLINE/BVS). Durante a pesquisa foi observada que a atuação fisioterapêutica depende muito do estágio da AME e de suas alterações. O modo que a fisioterapia apresenta para lidar com tais complicações respiratórias é de caráter precoce e preventivo, e objetiva manter a complacência dos pulmões. Demais pesquisadores reconhecem que quando iniciada precocemente, a fisioterapia consegue precaver possíveis complicações motoras e, sobretudo, respiratórias. Os resultados identificados totalizaram que a fisioterapia intervém de maneira apropriada para que as manifestações clínicas dos pacientes com AME sejam retrocedidas. Assim, é necessário que haja planejamento satisfatório para um programa de recuperação funcional e que este passe a intervir diretamente no comprometimento da mobilidade e do sistema respiratório."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT-09: Fisioterapia"
    "palavra_chave" => "DOENÇA NEURODEGENERATIVA, ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL, FISIOTERAPIA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV071_MD1_SA9_ID538_02052017213205.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:14"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:29:30"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "THAYNARA DO MONTE MÉLO"
    "autor_nome_curto" => "THAYNARA MÉLO"
    "autor_email" => "mmelothaynara@gmail.com"
    "autor_ies" => "FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais II CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a0123e6440_16022020235739.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844ec532ad_22072020105348.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-06-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 14 de junho de 2017

Resumo

A Atrofia Muscular Espinhal (AME) é uma doença degenerativa que possui tendência progressiva e pertence ao grupo de síndromes hereditárias. Determina lesão no neurônio motor inferior, especificamente na estrutura do corno anterior da medula. O referido estudo tem como objetivo identificar o desempenho efetivo da atuação fisioterapêutica na reabilitação de portadores de AME, detectando os possíveis níveis de intervenção da fisioterapia no que concerne à prevenção e tratamento da doença. A presente pesquisa classificou 12 artigos em português e inglês como condizentes para realização deste estudo e houve uma seletiva busca de artigos que envolvesse a temática no que se refere à atuação fisioterapêutica na amiotrofia espinhal com os seguintes descritores: doença neurodegenerativa, atrofia muscular espinhal e fisioterapia. A publicação dos dados coletados ocorreu entre os anos de 2002 e 2014, sendo ordenada nas subsequentes bases de dados: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Eletronic Library Online (SciELO) e Medical Literature Analysis and Retrieval System Online/Biblioteca Virtual em Saúde (MEDLINE/BVS). Durante a pesquisa foi observada que a atuação fisioterapêutica depende muito do estágio da AME e de suas alterações. O modo que a fisioterapia apresenta para lidar com tais complicações respiratórias é de caráter precoce e preventivo, e objetiva manter a complacência dos pulmões. Demais pesquisadores reconhecem que quando iniciada precocemente, a fisioterapia consegue precaver possíveis complicações motoras e, sobretudo, respiratórias. Os resultados identificados totalizaram que a fisioterapia intervém de maneira apropriada para que as manifestações clínicas dos pacientes com AME sejam retrocedidas. Assim, é necessário que haja planejamento satisfatório para um programa de recuperação funcional e que este passe a intervir diretamente no comprometimento da mobilidade e do sistema respiratório.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.