Artigo Anais III CIEH

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-0854

PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO

Palavra-chaves: HUMANIZAÇÃO, IDOSOS, EMERGÊNCIA Tema Livre (TL) Qualidade de vida, envelhecimento ativo e bem sucedido
"2013-06-15 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 2655
    "edicao_id" => 10
    "trabalho_id" => 714
    "inscrito_id" => 548
    "titulo" => "PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO"
    "resumo" => "Trata-se de uma pesquisa exploratória e quantitativa, realizada nos serviços de Urgência e Emergência de um hospital público no município de Cajazeiras – PB, no alto sertão paraibano. Os dados foram coletados a partir de um questionário semi-estruturado, aplicado junto a 40 pacientes idosos. A análise dos resultados se deu mediante estatísticas descritivas, seguida da comparação com a literatura. Para a realização da proposta foram respeitados todos os pressupostos da Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Os resultados evidenciam que 55% dos pacientes idosos desconhecem o significado do termo assistência humanizada; 65% afirmaram que no serviço emergencial estudado há uma demora considerável para o atendimento, não existindo a conduta do acolhimento. Do total, 62% dos idosos ressaltaram ainda que os profissionais de saúde daquele setor se detêm, na maioria das vezes, a realizar procedimentos, relegando a segundo plano a atenção aos sentimentos e emoções dos usuários. Em meio a tantos avanços científicos e possibilidades de melhoria da assistência hospitalar e de sua humanização, os recursos, todavia, parecem estar mais associados a propostas de investimentos na alta tecnologia e a outros processos que não, necessariamente, implicam em mudanças na cultura organizacional em prol da humanização do trabalho enquanto expressão da ética. A equipe de saúde das unidades de urgência e emergência hospitalar se vê frente a problemáticas constantes que tendem a gerar situações de estresse e acarretar tensão psicológica. Diante de tantas responsabilidades, toda a equipe tem que aprender a lidar com esse contexto, tornando-se difícil fazê-lo da melhor forma. Nota-se a partir daí, uma postura imparcial ao lidar com o paciente, a família e até a própria equipe. Cada profissional passa a preocupar-se isoladamente com as atividades a serem cumpridas, não investindo nas relações humanas. No que se refere ao paciente idoso, à humanização deve basear-se especialmente num atendimento preferencial e imediato, seja em instituições públicas ou privadas de saúde, onde a totalidade e individualidade do idoso sejam preservadas. É pertinente concluir-se que o exercício dos profissionais atuantes nas referidas unidades de urgência e emergência, distancia-se de ações humanizadoras, sendo esta uma realidade que se reflete nos cuidados à pessoa idosa. A humanização deve ser preocupação de todos os profissionais de saúde, uma vez que a mecanização compromete a qualidade do atendimento. Os profissionais que prestam assistência humanizada devem estar embasados numa visão holística, considerando que a solidariedade e a benevolência para com o próximo são imprescindíveis para valorização do ser humano, estabelecendo uma relação de ajuda e empatia. Relacionando a temática em questão com os cuidados de emergência prestados a população idosa, vê‐se que estes também necessitam de humanismo nas práticas profissionais, a fim de proporcionar ao paciente idoso um ambiente digno, com resolutividade nas ações desenvolvidas, ressaltando-se que o distanciamento de ações humanizadas no cuidado à saúde acaba por fragmentar o atendimento prestado à pessoa idosa, principalmente nos serviços emergenciais."
    "modalidade" => "Tema Livre (TL)"
    "area_tematica" => "Qualidade de vida, envelhecimento ativo e bem sucedido"
    "palavra_chave" => "HUMANIZAÇÃO, IDOSOS, EMERGÊNCIA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Comunicacao_oral_idinscrito_548_e06b8a6b72e1617485af3de5a6031d10.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:48"
    "updated_at" => "2020-06-10 21:01:06"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JANAÍNE CHIARA OLIVEIRA MORAES"
    "autor_nome_curto" => "JANAÍNE CHIARA"
    "autor_email" => "janainechiara@hotmail.com"
    "autor_ies" => "FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iii-cieh"
    "edicao_nome" => "Anais III CIEH"
    "edicao_evento" => "III Congresso Internacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/cieh/2013"
    "edicao_logo" => "5e49e22597c9e_16022020214525.png"
    "edicao_capa" => "5f182b75a1cfe_22072020090509.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-06-15 00:00:00"
    "publicacao_id" => 10
    "publicacao_nome" => "Anais do Congresso Internacional de Envelhecimento Humano (CIEH)"
    "publicacao_codigo" => "2318-0854"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 2655
    "edicao_id" => 10
    "trabalho_id" => 714
    "inscrito_id" => 548
    "titulo" => "PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO"
    "resumo" => "Trata-se de uma pesquisa exploratória e quantitativa, realizada nos serviços de Urgência e Emergência de um hospital público no município de Cajazeiras – PB, no alto sertão paraibano. Os dados foram coletados a partir de um questionário semi-estruturado, aplicado junto a 40 pacientes idosos. A análise dos resultados se deu mediante estatísticas descritivas, seguida da comparação com a literatura. Para a realização da proposta foram respeitados todos os pressupostos da Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Os resultados evidenciam que 55% dos pacientes idosos desconhecem o significado do termo assistência humanizada; 65% afirmaram que no serviço emergencial estudado há uma demora considerável para o atendimento, não existindo a conduta do acolhimento. Do total, 62% dos idosos ressaltaram ainda que os profissionais de saúde daquele setor se detêm, na maioria das vezes, a realizar procedimentos, relegando a segundo plano a atenção aos sentimentos e emoções dos usuários. Em meio a tantos avanços científicos e possibilidades de melhoria da assistência hospitalar e de sua humanização, os recursos, todavia, parecem estar mais associados a propostas de investimentos na alta tecnologia e a outros processos que não, necessariamente, implicam em mudanças na cultura organizacional em prol da humanização do trabalho enquanto expressão da ética. A equipe de saúde das unidades de urgência e emergência hospitalar se vê frente a problemáticas constantes que tendem a gerar situações de estresse e acarretar tensão psicológica. Diante de tantas responsabilidades, toda a equipe tem que aprender a lidar com esse contexto, tornando-se difícil fazê-lo da melhor forma. Nota-se a partir daí, uma postura imparcial ao lidar com o paciente, a família e até a própria equipe. Cada profissional passa a preocupar-se isoladamente com as atividades a serem cumpridas, não investindo nas relações humanas. No que se refere ao paciente idoso, à humanização deve basear-se especialmente num atendimento preferencial e imediato, seja em instituições públicas ou privadas de saúde, onde a totalidade e individualidade do idoso sejam preservadas. É pertinente concluir-se que o exercício dos profissionais atuantes nas referidas unidades de urgência e emergência, distancia-se de ações humanizadoras, sendo esta uma realidade que se reflete nos cuidados à pessoa idosa. A humanização deve ser preocupação de todos os profissionais de saúde, uma vez que a mecanização compromete a qualidade do atendimento. Os profissionais que prestam assistência humanizada devem estar embasados numa visão holística, considerando que a solidariedade e a benevolência para com o próximo são imprescindíveis para valorização do ser humano, estabelecendo uma relação de ajuda e empatia. Relacionando a temática em questão com os cuidados de emergência prestados a população idosa, vê‐se que estes também necessitam de humanismo nas práticas profissionais, a fim de proporcionar ao paciente idoso um ambiente digno, com resolutividade nas ações desenvolvidas, ressaltando-se que o distanciamento de ações humanizadas no cuidado à saúde acaba por fragmentar o atendimento prestado à pessoa idosa, principalmente nos serviços emergenciais."
    "modalidade" => "Tema Livre (TL)"
    "area_tematica" => "Qualidade de vida, envelhecimento ativo e bem sucedido"
    "palavra_chave" => "HUMANIZAÇÃO, IDOSOS, EMERGÊNCIA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Comunicacao_oral_idinscrito_548_e06b8a6b72e1617485af3de5a6031d10.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:48"
    "updated_at" => "2020-06-10 21:01:06"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JANAÍNE CHIARA OLIVEIRA MORAES"
    "autor_nome_curto" => "JANAÍNE CHIARA"
    "autor_email" => "janainechiara@hotmail.com"
    "autor_ies" => "FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iii-cieh"
    "edicao_nome" => "Anais III CIEH"
    "edicao_evento" => "III Congresso Internacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/cieh/2013"
    "edicao_logo" => "5e49e22597c9e_16022020214525.png"
    "edicao_capa" => "5f182b75a1cfe_22072020090509.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-06-15 00:00:00"
    "publicacao_id" => 10
    "publicacao_nome" => "Anais do Congresso Internacional de Envelhecimento Humano (CIEH)"
    "publicacao_codigo" => "2318-0854"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 15 de junho de 2013

Resumo

Trata-se de uma pesquisa exploratória e quantitativa, realizada nos serviços de Urgência e Emergência de um hospital público no município de Cajazeiras – PB, no alto sertão paraibano. Os dados foram coletados a partir de um questionário semi-estruturado, aplicado junto a 40 pacientes idosos. A análise dos resultados se deu mediante estatísticas descritivas, seguida da comparação com a literatura. Para a realização da proposta foram respeitados todos os pressupostos da Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Os resultados evidenciam que 55% dos pacientes idosos desconhecem o significado do termo assistência humanizada; 65% afirmaram que no serviço emergencial estudado há uma demora considerável para o atendimento, não existindo a conduta do acolhimento. Do total, 62% dos idosos ressaltaram ainda que os profissionais de saúde daquele setor se detêm, na maioria das vezes, a realizar procedimentos, relegando a segundo plano a atenção aos sentimentos e emoções dos usuários. Em meio a tantos avanços científicos e possibilidades de melhoria da assistência hospitalar e de sua humanização, os recursos, todavia, parecem estar mais associados a propostas de investimentos na alta tecnologia e a outros processos que não, necessariamente, implicam em mudanças na cultura organizacional em prol da humanização do trabalho enquanto expressão da ética. A equipe de saúde das unidades de urgência e emergência hospitalar se vê frente a problemáticas constantes que tendem a gerar situações de estresse e acarretar tensão psicológica. Diante de tantas responsabilidades, toda a equipe tem que aprender a lidar com esse contexto, tornando-se difícil fazê-lo da melhor forma. Nota-se a partir daí, uma postura imparcial ao lidar com o paciente, a família e até a própria equipe. Cada profissional passa a preocupar-se isoladamente com as atividades a serem cumpridas, não investindo nas relações humanas. No que se refere ao paciente idoso, à humanização deve basear-se especialmente num atendimento preferencial e imediato, seja em instituições públicas ou privadas de saúde, onde a totalidade e individualidade do idoso sejam preservadas. É pertinente concluir-se que o exercício dos profissionais atuantes nas referidas unidades de urgência e emergência, distancia-se de ações humanizadoras, sendo esta uma realidade que se reflete nos cuidados à pessoa idosa. A humanização deve ser preocupação de todos os profissionais de saúde, uma vez que a mecanização compromete a qualidade do atendimento. Os profissionais que prestam assistência humanizada devem estar embasados numa visão holística, considerando que a solidariedade e a benevolência para com o próximo são imprescindíveis para valorização do ser humano, estabelecendo uma relação de ajuda e empatia. Relacionando a temática em questão com os cuidados de emergência prestados a população idosa, vê‐se que estes também necessitam de humanismo nas práticas profissionais, a fim de proporcionar ao paciente idoso um ambiente digno, com resolutividade nas ações desenvolvidas, ressaltando-se que o distanciamento de ações humanizadas no cuidado à saúde acaba por fragmentar o atendimento prestado à pessoa idosa, principalmente nos serviços emergenciais.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.