Artigo Anais XII CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

PROSTITUIÇÃO FEMININA: A PROFISSÃO MAIS ANTIGA DO MUNDO OU RESULTADO DE UMA SOCIEDADE PATRIARCAL?

Palavra-chaves: PROSTITUIÇÃO, SEXUALIDADE, CAPITALISMO, PATRIARCAL, PATRIARCAL Pôster (PO) Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação
"2016-06-08 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 18656
    "edicao_id" => 42
    "trabalho_id" => 303
    "inscrito_id" => 729
    "titulo" => "PROSTITUIÇÃO FEMININA: A PROFISSÃO MAIS ANTIGA DO MUNDO OU RESULTADO DE UMA SOCIEDADE PATRIARCAL?"
    "resumo" => "Resumo: O objetivo deste estudo foi resgatar uma visão crítica, afirmando que não há liberdade e igualdade para as mulheres enquanto se estiver presas a polaridade imposta, assim como, evidenciar uma sociedade pautada no patriarcado como estruturante das relações de poder, e consequentemente da prostituição feminina. Para isso utilizou-se de uma pesquisa bibliográfica a partir de uma análise do que já foi produzido sobre este tema em livros e artigos. Foi verificado que a sexualidade assim como a prostituição são construções históricas modificadas e adaptadas a cada época e que combinam aspectos da família, relações econômicas e de poder. Assim sendo, pôde-se constatar que o controle sobre o corpo das mulheres é estruturado a partir da sexualidade e inteiramente vinculado a necessidade constante de adequação ao modelo de família centrada no poder masculino, assim como, o tipo de trabalho que pode ser desempenhado por mulheres. Onde a prostituição, num contexto histórico, já desempenhou diversas funções, como por exemplo, manter a virgindade das moças de família, ao satisfazer os desejos dos homens. Ficando nítido três elementos cruciais para a naturalização da prostituição como “a profissão mais antiga do mundo”: aceitação da banalização da sexualidade pelo capitalismo patriarcal; tratar a prostituição como resultado de um comportamento individual; a hipocrisia frente ao caráter androcêntrico da sexualidade. Sugere-se estudos e projetos que forneçam uma melhor garantia de autonomia e políticas públicas para as mulheres, principalmente as que se encontram na prostituição, para que seus corpos não sejam legalizados como mercadorias à venda."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação"
    "palavra_chave" => "PROSTITUIÇÃO, SEXUALIDADE, CAPITALISMO, PATRIARCAL, PATRIARCAL"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV053_MD4_SA4_ID729_02052016232521.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:04"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:15"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "DIANA MARIA DA SILVA SOUSA"
    "autor_nome_curto" => "DIANA SOUSA"
    "autor_email" => "dianasousapsi25@gmail.com"
    "autor_ies" => "INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO E MARKETING"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2016"
    "edicao_logo" => "5e4d91ff53faf_19022020165231.png"
    "edicao_capa" => "5f1840b2f13c7_22072020103546.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-06-08 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 18656
    "edicao_id" => 42
    "trabalho_id" => 303
    "inscrito_id" => 729
    "titulo" => "PROSTITUIÇÃO FEMININA: A PROFISSÃO MAIS ANTIGA DO MUNDO OU RESULTADO DE UMA SOCIEDADE PATRIARCAL?"
    "resumo" => "Resumo: O objetivo deste estudo foi resgatar uma visão crítica, afirmando que não há liberdade e igualdade para as mulheres enquanto se estiver presas a polaridade imposta, assim como, evidenciar uma sociedade pautada no patriarcado como estruturante das relações de poder, e consequentemente da prostituição feminina. Para isso utilizou-se de uma pesquisa bibliográfica a partir de uma análise do que já foi produzido sobre este tema em livros e artigos. Foi verificado que a sexualidade assim como a prostituição são construções históricas modificadas e adaptadas a cada época e que combinam aspectos da família, relações econômicas e de poder. Assim sendo, pôde-se constatar que o controle sobre o corpo das mulheres é estruturado a partir da sexualidade e inteiramente vinculado a necessidade constante de adequação ao modelo de família centrada no poder masculino, assim como, o tipo de trabalho que pode ser desempenhado por mulheres. Onde a prostituição, num contexto histórico, já desempenhou diversas funções, como por exemplo, manter a virgindade das moças de família, ao satisfazer os desejos dos homens. Ficando nítido três elementos cruciais para a naturalização da prostituição como “a profissão mais antiga do mundo”: aceitação da banalização da sexualidade pelo capitalismo patriarcal; tratar a prostituição como resultado de um comportamento individual; a hipocrisia frente ao caráter androcêntrico da sexualidade. Sugere-se estudos e projetos que forneçam uma melhor garantia de autonomia e políticas públicas para as mulheres, principalmente as que se encontram na prostituição, para que seus corpos não sejam legalizados como mercadorias à venda."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação"
    "palavra_chave" => "PROSTITUIÇÃO, SEXUALIDADE, CAPITALISMO, PATRIARCAL, PATRIARCAL"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV053_MD4_SA4_ID729_02052016232521.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:04"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:15"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "DIANA MARIA DA SILVA SOUSA"
    "autor_nome_curto" => "DIANA SOUSA"
    "autor_email" => "dianasousapsi25@gmail.com"
    "autor_ies" => "INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO E MARKETING"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2016"
    "edicao_logo" => "5e4d91ff53faf_19022020165231.png"
    "edicao_capa" => "5f1840b2f13c7_22072020103546.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-06-08 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 08 de junho de 2016

Resumo

Resumo: O objetivo deste estudo foi resgatar uma visão crítica, afirmando que não há liberdade e igualdade para as mulheres enquanto se estiver presas a polaridade imposta, assim como, evidenciar uma sociedade pautada no patriarcado como estruturante das relações de poder, e consequentemente da prostituição feminina. Para isso utilizou-se de uma pesquisa bibliográfica a partir de uma análise do que já foi produzido sobre este tema em livros e artigos. Foi verificado que a sexualidade assim como a prostituição são construções históricas modificadas e adaptadas a cada época e que combinam aspectos da família, relações econômicas e de poder. Assim sendo, pôde-se constatar que o controle sobre o corpo das mulheres é estruturado a partir da sexualidade e inteiramente vinculado a necessidade constante de adequação ao modelo de família centrada no poder masculino, assim como, o tipo de trabalho que pode ser desempenhado por mulheres. Onde a prostituição, num contexto histórico, já desempenhou diversas funções, como por exemplo, manter a virgindade das moças de família, ao satisfazer os desejos dos homens. Ficando nítido três elementos cruciais para a naturalização da prostituição como “a profissão mais antiga do mundo”: aceitação da banalização da sexualidade pelo capitalismo patriarcal; tratar a prostituição como resultado de um comportamento individual; a hipocrisia frente ao caráter androcêntrico da sexualidade. Sugere-se estudos e projetos que forneçam uma melhor garantia de autonomia e políticas públicas para as mulheres, principalmente as que se encontram na prostituição, para que seus corpos não sejam legalizados como mercadorias à venda.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.