Artigo Anais XII CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

Visualizações: 239
ÓRFÃOS EM TRÂNSITO: A REPRESENTAÇÃO DA ERRÂNCIA EM RASTROS DE VERÃO DE JOÃO GILBERTO NOLL.

Palavra-chaves: ERRÂNCIA, NOMADISMO, ANDARILHO, IDENTIDADE, IDENTIDADE Comunicação Oral (CO) Sociologia(s), Identidades, Ciborgues e Subjetividades. Publicado em 08 de junho de 2016

Resumo

É inegável que a constância das transformações, da movimentação acomete a humanidade há muito tempo. Na produção literária brasileira, vemos que no romance pós-moderno, João Gilberto Noll, constrói seus personagens a partir de uma constante movimentação, sujeitos desterritorializados do mundo em que vivem. São personagens herdeiros de uma luta consigo mesmo, de frustrações e insucessos, de andanças vagas. São indivíduos que adentram na busca pelo estar entre um e outro lugar. Nessa perspectiva, objetivamos neste trabalho analisar a obra Rastros de Verão do escritor contemporâneo João Gilberto Noll. Para interpretarmos o universo literário do autor, tomamos como ponto de partida a errância que constrói os personagens e suas identidades ao longo da narrativa. Para amparo teórico organizamos nossa pesquisa a partir das reflexões de Deleuze e Guattari (1995) a respeito do nomadismo que toma o ser na pós modernidade, Mafessoli (2001) para tratar do desejo de errância que acomete os indivíduos, Hall (2006) e Bauman (2005) para as questões referentes a contrução da identitária na pós modernidade. Estes aspectos desencadeiam uma discussão que nos leva a entender os diversos caminhos que o mundo dos personagens e, de um modo geral, a literatura de Noll nos permite percorrer, dentre eles, o labirinto que faz do personagem um eterno viajante, um ser indefinido que está a procura de lugares incertos, um ser errante.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.