Artigo Anais XII CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

Visualizações: 193
O GAY DIANTE DE SI E DA LEI: PERTENCIMENTOS E SENTIMENTOS EM CONFRONTO NOS PAÍSES QUE CRIMINALIZAM HOMENS GAYS ATRAVÉS DE UM TRABALHO FOTOGRÁFICO

Palavra-chaves: HOMOSSEXUALIDADE, PERTENCIMENTO, TRAJETÓRIA Comunicação Oral (CO) Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação Publicado em 08 de junho de 2016

Resumo

Pelo fato da homossexualidade ainda ser considerada crime, proibida expressamente por lei e passível de punição em aproximadamente 80 países, se pretende adotar como ponto de partida da análise em tela o catálogo “Condenados – No meu país, minha sexualidade é um crime”. Trata-se de um trabalho documental e fotográfico realizado pelo jornalista Philippe Castetbon, por meio de selfies de homens gays com os rostos escondidos, sendo este o único pedido a fim de preservá-los. Através de exposições, que passaram por cidades francesas e brasileiras, inclusive em Fortaleza, quando esteve à mostra por alguns meses, pôde-se ter um contato inicial, que ficou mais marcado pela entrega do catálogo. Trazendo depoimentos de suas experiências, a publicação busca apresentar um pouco da realidade de perseguição, sofrimento e resistência sofrida por esses sujeitos nos seus países de origem. Ao lado de cada autorretrato, a respectiva legislação, na qual se define a homossexualidade e se aplicam as execuções. Estas variam desde penas mais brandas, como o pagamento de multas e o cumprimento de reclusão até mesmo a condenação à morte. Entre as diversas perspectivas de desobediência e enfrentamento, é curioso observar as maneiras com que os homens, além de vivenciar, designam sua própria sexualidade. Na maioria dos casos, esses sujeitos o fazem na contracorrente do que as tradições dominantes nos seus países pregam, tal qual se registra nos aparatos legais e nas interpretações de livros sagrados, daí que suas trajetórias são relatadas, em breves e intensas linhas, variando entre esperançosas, indignadas e pessimistas.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.