Artigo Anais I CONAPESC

ANAIS de Evento

ISSN: 2525-6696

COEFICIENTE DE DIFUSIVIDADE EFETIVO E MODELAGEM MATEMÁTICA DA SECAGEM DE BERINJELA

Palavra-chaves: SECAGEM, MODELAGEM, DIFUSIVIDADE EFETIVA Pôster (PO) Engenharia de Alimentos Publicado em 01 de junho de 2016

Resumo

No presente trabalho, objetivou-se obter as curvas de cinética de secagem em leito fixo da berinjela para as temperaturas de 40, 50 e 60°C e a aplicação de três modelos matemáticos para representação do processo de secagem. Com o modelo Fick, determinou-se a difusividade e a energia de ativação. O ajuste dos modelos matemáticos aos dados experimentais foi realizado através de análise de regressão não-linear, utilizando o programa computacional Statistica, versão 7. Os modelos foram selecionados tomando-se como parâmetro a magnitude do coeficiente de determinação (R2) e do desvio quadrático médio (DQM). Através das curvas de cinética de secagem, observou-se que a temperatura exerce grande influência na secagem da berinjela, pois quando se aumenta a temperatura ocorre uma diminuição do tempo de secagem. Verificou-se também que a difusividade efetiva da berinjela aumentou com a elevação da temperatura do ar de secagem, apresentando valores entre 6,611x10-10 a 16,3835x10-10 m2 s-1. A relação do coeficiente de difusividade efetiva com a temperatura de secagem pode ser descrita pela equação de Arrhenius, que apresenta uma energia de ativação para a difusão do líquido de 37,676 kJ mol-1. A análise dos resultados possibilita concluir que as equações de Page e Henderson e Pabis representam, de forma satisfatória, o processo de secagem em todas as condições de temperaturas.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.