Artigo Anais IV CIEH

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-0854

CORPO EM PAUTA: O MITO DA ASSEXUALIDADE EM IDOSAS

Palavra-chaves: SEXUALIDADE, ENVELHECIMENTO, CORPO Pôster (PO) Afetividade, Sexualidade e Envelhecimento
"2015-09-24 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 12248
    "edicao_id" => 36
    "trabalho_id" => 756
    "inscrito_id" => 1834
    "titulo" => "CORPO EM PAUTA: O MITO DA ASSEXUALIDADE EM IDOSAS"
    "resumo" => "Este trabalho resulta de pesquisa bibliográfica feita a partir de livros, revistas científicas eletrônicas e sites de publicação de artigos científicos como o Scielo, Lilacs e Pubmed, configura-se como de cunho qualitativo. Entendendo que a velhice não se restringe a uma etapa de decadências físicas e perdas de papéis sociais, mas é possibilidade de vivenciar a sexualidade de forma plena, a premissa é a de que o discurso de ideal de corpo feminino influencia à não expansão da sexualidade na idosa. Dessa forma, sentiu-se a necessidade de conduzir o estudo através de uma perspectiva histórica para melhor compreensão dos fenômenos atuais. Algo que o feminismo, a gerontologia e os demais campos que lidam com idosas tentam desconstruir é a crença de que a sexualidade da mulher idosa não existe. Essa ideia é reforçada a partir do conceito de que seu desejo sexual é extirpado assim que começa a menopausa, uma vez que para toda mulher a sexualidade está intrinsecamente associada à reprodução independendo de idade e opção sexual. Afirmar que as mudanças fisiológicas e anatômicas que ocorrem no corpo da mulher durante o climatério não interferem no seu desempenho sexual seria uma inverdade, porém a redução do corpo da idosa a tais aspectos através do discurso social podem ser limitantes, uma vez que reverberam psicologicamente no sujeito. O saber científico reconhece atualmente que não há esgotamento da sexualidade com o passar dos anos, ao contrário da fala instituída. Porém, devido à influência advinda da sociedade as próprias idosas acabam por acreditar e reproduzir esta visão acerca do corpo em envelhecimento e da sexualidade nesta etapa, sendo necessário trabalhar com estas mulheres a prática do questionamento do instituído, a fim de vivenciar sua sexualidade plenamente. Enquanto o corpo da idosa for algo a ser escondido, algo de que se deva envergonhar, um objeto sem valia, a vida sexual, necessária para a boa qualidade de vida de todo ser humano, não será vivenciada em sua plenitude. Esse corpo precisa estar em pauta, pois, apesar de a sexualidade não se ater aos limites corporais, a repressão sobre o corpo feminino pode limitar a vivência da sexualidade de idosas. Deve-se, então, confrontar as forças instituídas, a fim de trazer à consciência dos sujeitos os mecanismos de controle que os enlaçam, fazendo, muitas vezes, com que sejam coniventes com a própria repressão, e debatê-los de forma incessante, a fim de empoderar as mulheres idosas. Assim, este trabalho pode provocar reflexões naqueles que o leem, possibilitando-os identificar os mecanismos de controle existentes referentes à temática aqui abordada e posicionar-se frente a eles. Além disso, o profissional de psicologia e todo aquele que trabalhe com idosas, poderá repensar a sua prática a partir das questões aqui levantadas."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Afetividade, Sexualidade e Envelhecimento"
    "palavra_chave" => "SEXUALIDADE, ENVELHECIMENTO, CORPO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV040_MD4_SA9_ID1834_27082015101410.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:59"
    "updated_at" => "2020-06-09 18:43:15"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LARISSA PEDROZA DA SILVA VIEIRA"
    "autor_nome_curto" => "LARISSA PEDROZA"
    "autor_email" => "larissa.lalap@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-cieh"
    "edicao_nome" => "Anais IV CIEH"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Internacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/cieh/2015"
    "edicao_logo" => "5e49e629f3441_16022020220233.png"
    "edicao_capa" => "5f182cb905404_22072020091033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-09-24 00:00:00"
    "publicacao_id" => 10
    "publicacao_nome" => "Anais do Congresso Internacional de Envelhecimento Humano (CIEH)"
    "publicacao_codigo" => "2318-0854"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 12248
    "edicao_id" => 36
    "trabalho_id" => 756
    "inscrito_id" => 1834
    "titulo" => "CORPO EM PAUTA: O MITO DA ASSEXUALIDADE EM IDOSAS"
    "resumo" => "Este trabalho resulta de pesquisa bibliográfica feita a partir de livros, revistas científicas eletrônicas e sites de publicação de artigos científicos como o Scielo, Lilacs e Pubmed, configura-se como de cunho qualitativo. Entendendo que a velhice não se restringe a uma etapa de decadências físicas e perdas de papéis sociais, mas é possibilidade de vivenciar a sexualidade de forma plena, a premissa é a de que o discurso de ideal de corpo feminino influencia à não expansão da sexualidade na idosa. Dessa forma, sentiu-se a necessidade de conduzir o estudo através de uma perspectiva histórica para melhor compreensão dos fenômenos atuais. Algo que o feminismo, a gerontologia e os demais campos que lidam com idosas tentam desconstruir é a crença de que a sexualidade da mulher idosa não existe. Essa ideia é reforçada a partir do conceito de que seu desejo sexual é extirpado assim que começa a menopausa, uma vez que para toda mulher a sexualidade está intrinsecamente associada à reprodução independendo de idade e opção sexual. Afirmar que as mudanças fisiológicas e anatômicas que ocorrem no corpo da mulher durante o climatério não interferem no seu desempenho sexual seria uma inverdade, porém a redução do corpo da idosa a tais aspectos através do discurso social podem ser limitantes, uma vez que reverberam psicologicamente no sujeito. O saber científico reconhece atualmente que não há esgotamento da sexualidade com o passar dos anos, ao contrário da fala instituída. Porém, devido à influência advinda da sociedade as próprias idosas acabam por acreditar e reproduzir esta visão acerca do corpo em envelhecimento e da sexualidade nesta etapa, sendo necessário trabalhar com estas mulheres a prática do questionamento do instituído, a fim de vivenciar sua sexualidade plenamente. Enquanto o corpo da idosa for algo a ser escondido, algo de que se deva envergonhar, um objeto sem valia, a vida sexual, necessária para a boa qualidade de vida de todo ser humano, não será vivenciada em sua plenitude. Esse corpo precisa estar em pauta, pois, apesar de a sexualidade não se ater aos limites corporais, a repressão sobre o corpo feminino pode limitar a vivência da sexualidade de idosas. Deve-se, então, confrontar as forças instituídas, a fim de trazer à consciência dos sujeitos os mecanismos de controle que os enlaçam, fazendo, muitas vezes, com que sejam coniventes com a própria repressão, e debatê-los de forma incessante, a fim de empoderar as mulheres idosas. Assim, este trabalho pode provocar reflexões naqueles que o leem, possibilitando-os identificar os mecanismos de controle existentes referentes à temática aqui abordada e posicionar-se frente a eles. Além disso, o profissional de psicologia e todo aquele que trabalhe com idosas, poderá repensar a sua prática a partir das questões aqui levantadas."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Afetividade, Sexualidade e Envelhecimento"
    "palavra_chave" => "SEXUALIDADE, ENVELHECIMENTO, CORPO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV040_MD4_SA9_ID1834_27082015101410.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:59"
    "updated_at" => "2020-06-09 18:43:15"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LARISSA PEDROZA DA SILVA VIEIRA"
    "autor_nome_curto" => "LARISSA PEDROZA"
    "autor_email" => "larissa.lalap@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-cieh"
    "edicao_nome" => "Anais IV CIEH"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Internacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/cieh/2015"
    "edicao_logo" => "5e49e629f3441_16022020220233.png"
    "edicao_capa" => "5f182cb905404_22072020091033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-09-24 00:00:00"
    "publicacao_id" => 10
    "publicacao_nome" => "Anais do Congresso Internacional de Envelhecimento Humano (CIEH)"
    "publicacao_codigo" => "2318-0854"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 24 de setembro de 2015

Resumo

Este trabalho resulta de pesquisa bibliográfica feita a partir de livros, revistas científicas eletrônicas e sites de publicação de artigos científicos como o Scielo, Lilacs e Pubmed, configura-se como de cunho qualitativo. Entendendo que a velhice não se restringe a uma etapa de decadências físicas e perdas de papéis sociais, mas é possibilidade de vivenciar a sexualidade de forma plena, a premissa é a de que o discurso de ideal de corpo feminino influencia à não expansão da sexualidade na idosa. Dessa forma, sentiu-se a necessidade de conduzir o estudo através de uma perspectiva histórica para melhor compreensão dos fenômenos atuais. Algo que o feminismo, a gerontologia e os demais campos que lidam com idosas tentam desconstruir é a crença de que a sexualidade da mulher idosa não existe. Essa ideia é reforçada a partir do conceito de que seu desejo sexual é extirpado assim que começa a menopausa, uma vez que para toda mulher a sexualidade está intrinsecamente associada à reprodução independendo de idade e opção sexual. Afirmar que as mudanças fisiológicas e anatômicas que ocorrem no corpo da mulher durante o climatério não interferem no seu desempenho sexual seria uma inverdade, porém a redução do corpo da idosa a tais aspectos através do discurso social podem ser limitantes, uma vez que reverberam psicologicamente no sujeito. O saber científico reconhece atualmente que não há esgotamento da sexualidade com o passar dos anos, ao contrário da fala instituída. Porém, devido à influência advinda da sociedade as próprias idosas acabam por acreditar e reproduzir esta visão acerca do corpo em envelhecimento e da sexualidade nesta etapa, sendo necessário trabalhar com estas mulheres a prática do questionamento do instituído, a fim de vivenciar sua sexualidade plenamente. Enquanto o corpo da idosa for algo a ser escondido, algo de que se deva envergonhar, um objeto sem valia, a vida sexual, necessária para a boa qualidade de vida de todo ser humano, não será vivenciada em sua plenitude. Esse corpo precisa estar em pauta, pois, apesar de a sexualidade não se ater aos limites corporais, a repressão sobre o corpo feminino pode limitar a vivência da sexualidade de idosas. Deve-se, então, confrontar as forças instituídas, a fim de trazer à consciência dos sujeitos os mecanismos de controle que os enlaçam, fazendo, muitas vezes, com que sejam coniventes com a própria repressão, e debatê-los de forma incessante, a fim de empoderar as mulheres idosas. Assim, este trabalho pode provocar reflexões naqueles que o leem, possibilitando-os identificar os mecanismos de controle existentes referentes à temática aqui abordada e posicionar-se frente a eles. Além disso, o profissional de psicologia e todo aquele que trabalhe com idosas, poderá repensar a sua prática a partir das questões aqui levantadas.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.