Artigo Anais XI CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

(RE)PRODUÇÃO DA RELAÇÃO DE DOMINAÇÃO GERADA PELO PATRIARCADO

Palavra-chaves: GÊNERO, PATRIARCADO, IMAGINÁRIO Pôster (PO) / Poster Submission Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação
"2015-06-03 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 10438
    "edicao_id" => 31
    "trabalho_id" => 264
    "inscrito_id" => 1316
    "titulo" => "(RE)PRODUÇÃO DA RELAÇÃO DE DOMINAÇÃO GERADA PELO PATRIARCADO"
    "resumo" => "O gênero é uma categoria analítica, carregada de historicidade sendo concebido enquanto categoria em aberto, corriqueiramente é associada à construção social do masculino e do feminino, diz respeito não apenas, às formas como homens e mulheres se relacionam, mas também, como se dará a relação entre homem-homem e mulher-mulher. Segundo Bourdieu (2002), o gênero também pode ser concebido como: sistema de transferências práticas e/ou metafóricas de significações inscritas no mundo social, objetivado nas coisas, que serve como mecanismo de recuperação dos valores engendrados no inconsciente. A relação de dominação-exploração estabelecida nas sociedades patriarcais necessita  ser questionada, pois as ações desempenhadas socialmente possuem uma finalidade que nem sempre visa uma relação igualitária e justa entre os indivíduos. Desnaturalizar o cotidiano não é um empreendimento fácil, ele requer esforço cognitivo de estranhamento sobre as condutas sociais que se encontram internalizadas, porém, faz-se necessário romper com a suposta conformidade com que tais estruturas sociais se apresentam, para que se possa estabelecer subsídios para a resistência simbólica, frente aos antagonismos manifestos. Utilizaremos o filme como instrumento metodológico, visa-se por meio de imagens problematizar a relação de dominação-exploração, pautada em valores androcêntricos. Pois compreende-se que o filme não se restringe a um simples “contar” de estórias cotidianas, pois ele pode ser entendido como uma complexa máquina com propriedade de sintetizar discursos que utilizam-se da semiótica, ele tem o poder de envolver o espectador, fazê-lo sentir-se participante, além de poder ser visto e revisto, discutido e analisado. Na vida cotidiana, as ações dos sujeitos, raramente são pausadas, revistas, e dificilmente são interrompidas, devido as respostas automáticas  cristalizadas no imaginário, a não reflexão do atuar social, acaba por reproduzir as ideologias que circulam socialmente como legitimas. O que contribui para que as relações de poder gestam-se livremente, sem nenhuma resistência. Propõe-se ao espectador um mergulho em outra realidade, ou se assim entender, numa projeção desta. Visa-se a análise que ultrapasse as barreiras objetivas, onde o olhar subjetivo possa incidir sobre o micro cosmo, por meio do recurso cinematográfico, por entender que o cinema e a sociedade estão intrinsecamente relacionados e, que o processo de construção do cinema é marcado pela ação do seu produtor, o qual deixa as marcas de sua humanidade. Para Morin (1997), a imagem projetada, não pode ser dissociada da presença do mundo no homem e, nem da presença do homem no mundo. A imagem é uma presença vivida e uma ausência real, uma presença- ausência. Esta só pode ser criada e entendida, por meio da ação do homem. Feitas estas considerações busca-se problematizar como os valores sociais são engendrados, e desvelar os antagonismos encobertos sobre uma suposta naturalidade das condutas sociais. O filme escolhido para esta análise conjunta entre teoria e representação iconográfica é o “Cor Púrpura” (The Color Purple) do diretor Steven Spielberg, considera-se que ele capta com precisão a forma como o patriarcado se articula, bem como, a relação imputada ao indivíduo marcado pelo determinismo de gênero/sexo e/ou raça, quando estabelecida no modelo patriarcal de ação social."
    "modalidade" => "Pôster (PO) / Poster Submission"
    "area_tematica" => "Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação"
    "palavra_chave" => "GÊNERO, PATRIARCADO, IMAGINÁRIO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV046_MD4_SA4_ID1316_24042015223009.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:57"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:14:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ALANA MORAIS VANZELA"
    "autor_nome_curto" => "ALANA VANZELA"
    "autor_email" => "alanavanzela@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ-UEM"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xi-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XI CONAGES"
    "edicao_evento" => "XI Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2015"
    "edicao_logo" => "5e4d926732858_19022020165415.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1840e819853_22072020103640.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-06-03 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 10438
    "edicao_id" => 31
    "trabalho_id" => 264
    "inscrito_id" => 1316
    "titulo" => "(RE)PRODUÇÃO DA RELAÇÃO DE DOMINAÇÃO GERADA PELO PATRIARCADO"
    "resumo" => "O gênero é uma categoria analítica, carregada de historicidade sendo concebido enquanto categoria em aberto, corriqueiramente é associada à construção social do masculino e do feminino, diz respeito não apenas, às formas como homens e mulheres se relacionam, mas também, como se dará a relação entre homem-homem e mulher-mulher. Segundo Bourdieu (2002), o gênero também pode ser concebido como: sistema de transferências práticas e/ou metafóricas de significações inscritas no mundo social, objetivado nas coisas, que serve como mecanismo de recuperação dos valores engendrados no inconsciente. A relação de dominação-exploração estabelecida nas sociedades patriarcais necessita  ser questionada, pois as ações desempenhadas socialmente possuem uma finalidade que nem sempre visa uma relação igualitária e justa entre os indivíduos. Desnaturalizar o cotidiano não é um empreendimento fácil, ele requer esforço cognitivo de estranhamento sobre as condutas sociais que se encontram internalizadas, porém, faz-se necessário romper com a suposta conformidade com que tais estruturas sociais se apresentam, para que se possa estabelecer subsídios para a resistência simbólica, frente aos antagonismos manifestos. Utilizaremos o filme como instrumento metodológico, visa-se por meio de imagens problematizar a relação de dominação-exploração, pautada em valores androcêntricos. Pois compreende-se que o filme não se restringe a um simples “contar” de estórias cotidianas, pois ele pode ser entendido como uma complexa máquina com propriedade de sintetizar discursos que utilizam-se da semiótica, ele tem o poder de envolver o espectador, fazê-lo sentir-se participante, além de poder ser visto e revisto, discutido e analisado. Na vida cotidiana, as ações dos sujeitos, raramente são pausadas, revistas, e dificilmente são interrompidas, devido as respostas automáticas  cristalizadas no imaginário, a não reflexão do atuar social, acaba por reproduzir as ideologias que circulam socialmente como legitimas. O que contribui para que as relações de poder gestam-se livremente, sem nenhuma resistência. Propõe-se ao espectador um mergulho em outra realidade, ou se assim entender, numa projeção desta. Visa-se a análise que ultrapasse as barreiras objetivas, onde o olhar subjetivo possa incidir sobre o micro cosmo, por meio do recurso cinematográfico, por entender que o cinema e a sociedade estão intrinsecamente relacionados e, que o processo de construção do cinema é marcado pela ação do seu produtor, o qual deixa as marcas de sua humanidade. Para Morin (1997), a imagem projetada, não pode ser dissociada da presença do mundo no homem e, nem da presença do homem no mundo. A imagem é uma presença vivida e uma ausência real, uma presença- ausência. Esta só pode ser criada e entendida, por meio da ação do homem. Feitas estas considerações busca-se problematizar como os valores sociais são engendrados, e desvelar os antagonismos encobertos sobre uma suposta naturalidade das condutas sociais. O filme escolhido para esta análise conjunta entre teoria e representação iconográfica é o “Cor Púrpura” (The Color Purple) do diretor Steven Spielberg, considera-se que ele capta com precisão a forma como o patriarcado se articula, bem como, a relação imputada ao indivíduo marcado pelo determinismo de gênero/sexo e/ou raça, quando estabelecida no modelo patriarcal de ação social."
    "modalidade" => "Pôster (PO) / Poster Submission"
    "area_tematica" => "Gênero, Sexualidades e Modos de Subjetivação"
    "palavra_chave" => "GÊNERO, PATRIARCADO, IMAGINÁRIO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV046_MD4_SA4_ID1316_24042015223009.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:57"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:14:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ALANA MORAIS VANZELA"
    "autor_nome_curto" => "ALANA VANZELA"
    "autor_email" => "alanavanzela@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ-UEM"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xi-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XI CONAGES"
    "edicao_evento" => "XI Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2015"
    "edicao_logo" => "5e4d926732858_19022020165415.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1840e819853_22072020103640.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-06-03 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 03 de junho de 2015

Resumo

O gênero é uma categoria analítica, carregada de historicidade sendo concebido enquanto categoria em aberto, corriqueiramente é associada à construção social do masculino e do feminino, diz respeito não apenas, às formas como homens e mulheres se relacionam, mas também, como se dará a relação entre homem-homem e mulher-mulher. Segundo Bourdieu (2002), o gênero também pode ser concebido como: sistema de transferências práticas e/ou metafóricas de significações inscritas no mundo social, objetivado nas coisas, que serve como mecanismo de recuperação dos valores engendrados no inconsciente. A relação de dominação-exploração estabelecida nas sociedades patriarcais necessita ser questionada, pois as ações desempenhadas socialmente possuem uma finalidade que nem sempre visa uma relação igualitária e justa entre os indivíduos. Desnaturalizar o cotidiano não é um empreendimento fácil, ele requer esforço cognitivo de estranhamento sobre as condutas sociais que se encontram internalizadas, porém, faz-se necessário romper com a suposta conformidade com que tais estruturas sociais se apresentam, para que se possa estabelecer subsídios para a resistência simbólica, frente aos antagonismos manifestos. Utilizaremos o filme como instrumento metodológico, visa-se por meio de imagens problematizar a relação de dominação-exploração, pautada em valores androcêntricos. Pois compreende-se que o filme não se restringe a um simples “contar” de estórias cotidianas, pois ele pode ser entendido como uma complexa máquina com propriedade de sintetizar discursos que utilizam-se da semiótica, ele tem o poder de envolver o espectador, fazê-lo sentir-se participante, além de poder ser visto e revisto, discutido e analisado. Na vida cotidiana, as ações dos sujeitos, raramente são pausadas, revistas, e dificilmente são interrompidas, devido as respostas automáticas cristalizadas no imaginário, a não reflexão do atuar social, acaba por reproduzir as ideologias que circulam socialmente como legitimas. O que contribui para que as relações de poder gestam-se livremente, sem nenhuma resistência. Propõe-se ao espectador um mergulho em outra realidade, ou se assim entender, numa projeção desta. Visa-se a análise que ultrapasse as barreiras objetivas, onde o olhar subjetivo possa incidir sobre o micro cosmo, por meio do recurso cinematográfico, por entender que o cinema e a sociedade estão intrinsecamente relacionados e, que o processo de construção do cinema é marcado pela ação do seu produtor, o qual deixa as marcas de sua humanidade. Para Morin (1997), a imagem projetada, não pode ser dissociada da presença do mundo no homem e, nem da presença do homem no mundo. A imagem é uma presença vivida e uma ausência real, uma presença- ausência. Esta só pode ser criada e entendida, por meio da ação do homem. Feitas estas considerações busca-se problematizar como os valores sociais são engendrados, e desvelar os antagonismos encobertos sobre uma suposta naturalidade das condutas sociais. O filme escolhido para esta análise conjunta entre teoria e representação iconográfica é o “Cor Púrpura” (The Color Purple) do diretor Steven Spielberg, considera-se que ele capta com precisão a forma como o patriarcado se articula, bem como, a relação imputada ao indivíduo marcado pelo determinismo de gênero/sexo e/ou raça, quando estabelecida no modelo patriarcal de ação social.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.