Artigo Anais VII ENALIC

ANAIS de Evento

ISSN: 2526-3234

Visualizações: 45
ANÁLISE PRELIMINAR DA INSERÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NAS ESCOLAS RURAIS DE URUÇUÍ

Resumo

ANÁLISE PRELIMINAR DA INSERÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NAS ESCOLAS RURAIS DE URUÇUÍ, PIAUÍ Marcio Harrison dos Santos Ferreira/marcio.harrison@gmail.com/IFPI, Campus Uruçuí Cristina Kelly Rodrigues dos Santos/ IFPI, Campus Uruçuí Eixo Temático: Educação, diversidade e inclusão social Agência Financiadora: PIBID/Capes Resumo A Educação do Campo surgiu com o propósito de desenvolver um ensino de qualidade para as pessoas que vivem na zona rural. Por isso, essa escola tem que ser construída e organizada no Campo. Construir Educação do Campo significa também construir uma escola do Campo, significa estudar para viver no Campo, buscar desconstruir a lógica de que o aluno da zona rural estuda para sair do campo. O principal objetivo desse trabalho foi realizar um diagnóstico preliminar nas escolas rurais de Uruçuí, Piauí, para verificar a inserção dos princípios da Educação do Campo na rede municipal e estadual de ensino. Através da metodologia de pesquisa qualitativa foram aplicados questionários e realizadas entrevistas em cada uma das 17 comunidades onde se encontram as escolas da zona rural no município, entre março e junho de 2018. Evidencia-se o contexto de precariedade nas 17 escolas analisadas, sendo que em umas das mesmas não há sequer a figura de um diretor. Virtualmente em nenhuma escola são aplicados os princípios da educação do campo e da agroecologia, muito menos o ensino-aprendizagem contextualizado com temas relacionados às realidades locais e elementos do patrimônio agrobiocultural da região de Uruçuí, Piauí. Desse modo torna-se necessário a formação de políticas públicas voltadas para a Educação do Campo nessa região que é importante polo do agronegócio do MATOPIBA, e tem tido sua agricultura familizar camponesa relegada a um segundo plano nos planos de desenvolvimento do município. Os resultados do diagnóstico indicam que torna-se necessário buscar alternativas para melhorias no processo pedagógico de inserção e valorização da práxis da educação do campo em Uruçuí, buscando assim melhorar a qualidade do ensino e aprendizado nas escolas rurais adotando formas diferenciadas de trabalhar o processo de Ensino das Ciências e biologia, começando pela proposta de criação de um calendário escolar sintonizado ao agrícola e nele incluir atividades práticas voltadas para o ensino contextualizado. Aponta-se a necessidade da implantação de projetos voltados para as práticas agrícolas, disciplinas vinculadas com a educação ambiental e agroecologia, além de oficinas para a formação de professores voltadas para a Educação do Campo buscando assim trabalhar a preservação do Cerrado, bioma atualmente mais ameaçado das américas. As 17 escolas analisadas neste trabalho não estão voltadas para as práticas da Educação do Campo, mais sim para o contexto urbano, daí surge-se a necessidade de se diferenciar o modelo tradicional do meio urbano para o meio rural, e assim trabalhar a inserção da educação do campo nas escolas rurais do município. Palavras-chave: Formação inicial e continuada, Educação do Campo, Agroecologia, Políticas Públicas Referências Altieri, M. A. Agroecologia: as bases científicas da agricultura alternativa. 2. ed. Rio de Janeiro: PTA/Fase, 1989. ARROYO, Miguel Gonzalez. Políticas de formação de educadores (as) de campo. Cad cedes, campinas, vol. 27, n. 72, p. 157-176, maio/ago; 2017. Disponível em: http:// www.cedes. Unicamp.br Acesso em: 29 de mar. 2009. ARROYO, Miguel Gonsalez: CALDART, Roseli CASTAGNA. Mônica (organizadores) FERNANDES, Bernado M.; CERIOLI; Paulo R.; CALDART, Roseli S. Primeira conferência nacional "por uma Educação Básica do Campo'', 2004. AZEVEDO, Márcio Adriano de. Política de Educação do campo: concepções processos e desafios. In: NETO, Antônio Cabral et al. Pontos e contrapontos da política educacional: uma leitura contextualizada de iniciativas governamentais. Brasília: Liber livros, 2007. BRASIL. Ministério da educação. Referencias para uma política nacional de educação do campo. Caderno de subsídios. Brasília, 2003. BRASIL. MEC/CNE/CEB. Resolução 1, de 3 de abril. Instítui diretrizes operacionais para a educação básica nas escolas do campo. Diário oficial da união brasileira: MEC, 3 de abr. 2002.CALDART, R, S.; MOLINA, M. C. Por uma Educação do Campo. Petrópolis: vozes, 2004. P. 133-145. BRASIL. Ministério da educação. Grupo de trabalho de Educação do campo. Referencias para uma política nacional de Educação do campo. Caderno de subsídios, Brasília, DF, 2003. CALDART, Roseli Salete. Elementos para a construção de um projeto político e pedagógico da Educação do Campo. In. MOLINA, mônica castagna; JESUS, Sonia Meire Santos Azevedo de. (Orgs) Educação do Campo: contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Articulação Nacional "por uma Educação do Campo'' Brasília, 2005. CALDART, Roseli; O MST e a formação dos Sem Terra: O movimento social como princípio educativo. Disponível em http; // www.scielo. br. Acesso em; 28/12/2009. CALDART, R, S.; MOLINA, M. C. Por uma Educação do Campo. Petrópolis: vozes, 2004. P. 133-145. CASTRO, A. Hamze. O professor e o mundo contemporâneo. Jornal o Diário Barretos, Opinião Aberta, 08 jul. 2004. CHESNAIS, F.; SERFATI, C. "Ecologia" e condições físicas de reprodução social: alguns fios condutores marxistas. Crítica Marxista, São Paulo, v. 1, n.16, p. 39-75, 2003. Disponível em: http://www.unicamp.br/cemarx/criticamarxista/16chesnais.pdf. Acesso em: 25 ago. 2011. Dicionário da Educação do Campo. / Organizado por Roseli Salete Caldart, Isabel Brasil Pereira, Paulo Alentejano e Gaudêncio Frigotto. - Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012 FERNANDES, B.M. mst: formação e territorialização. São Paulo: Hucitec, 1996. FREIRE, P. pedagogia da indignação e outros escritos. São Paulo: editora UNESP, 2000. FERNANDES, B. M. Diretrizes de uma caminhada. In. ARROYO, M, G; FERNANDES, B. M.; CERIOLI, P.; CALDART, R. S. Primeira conferência Nacional por uma Educação Básica do Campo. In: ARROYO, M. G.; CALDART, R, S.; MOLINA, M. C. por uma Educação do Campo. Petrópolis; vozes, 2004. P. 19-62. GONH, M. G. movimentos raciais e educação. São Paulo: Cortez,1992. lEFF, E. Agroecologia e saber ambiental. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 36-51, jan.-mar. 2002. LEITE, Sérgio Celani. Escola rural: urbanização e políticas educacionais. 2. Ed. São Paulo cortez, 2002. ROTTA. M, ONOFRE. B. S, Perfil da Educação do Campo: na escola do São Francisco do Bandeira no município de dois vizinhos-PR, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 75-84, jan/abr. 2019 PISTRAK, M. M. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão popular, 2000. ROCHA, Eliene Novaes. Educação do campo; um olhar panorâmico. Texto base, apresentado a Educação e contemporaneidade pela universidade do Estado da Bahia. [S.d].

Compartilhe:

Visualização do Artigo

Infelizmente, não conseguimos localizar o arquivo para download. Mas não se preocupe, nossa equipe já foi notificada do problema e já estamos trabalhando para a resolução! Tente novamente mais tarde!

Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.