Resumo Trabalho

ALL OUT DE 30 SEGUNDOS EM CORRIDA ATADA EM ESTEIRA NÃO MOTORIZADA APLICADO EM JOGADORES DE FUTSAL DE AMBOS OS SEXOS.

Autor(es): JOÃO PEDRO DA CRUZ, CRISTIANO ISRAEL CAETANO, JOSÉ FRANCISO LÓPEZ-GIL, FERNANDO RENATO CAVICHIOLLI, LEONARDO HENRIQUE DALCHECO MESSIAS, CLAUDIO ALEXANDRE GOBATTO, FELIPE MARRONI RASTEIRO, RAFAEL LUCAS CETEIN, FÚLVIA DE BARROS MANCHADO-GOBATTO

O futsal demanda esforÇos de alta intensidade, intercalados por curtos perÍodos de recuperaÇÃo, com significante participaÇÃo do fornecimento anaerÓbio de energia. O protocolo all out 30 segundos (AO30s) em corrida atada em esteira nÃo motorizada permite a determinaÇÃo da forÇa, velocidade e consequentemente potÊncia mecÂnica, com elevada frequÊncia de captura de sinais e em gesto especÍfico executado em partidas de futsal. Embora ainda nÃo aplicado a salonistas, o AO30s pode ser uma interessante proposta avaliativa para direcionar a prescriÇÃo de treinamento no futsal, tanto para praticantes do sexo masculino como feminino. O presente estudo objetivou avaliar a forÇa, velocidade e potÊncia mecÂnica de salonistas de ambos os sexos, submetidos a corrida atada em esteira nÃo motorizada. Dez salonistas masculinos (20 ±2 anos, 70,8 ± 7,5 kg e 176 ± 7 cm de estatura) e dez jogadoras (21±2 anos, 64,0±8,2 kg e 168 ± 6 cm) foram recrutados em equipes universitÁrias de futsal, as quais realizam pelo menos trÊs sessÕes de treinamento semanais e participam de campeonatos relevantes no Âmbito universitÁrio. Duas sessÕes avaliativas foram realizadas em ambiente laboratorial. Primeiramente, os salonistas receberam as instruÇÕes, se familiarizaram com o protocolo e foram submetidos À avaliaÇÃo antropomÉtrica. Na segunda sessÃo, foram submetidos ao teste de corrida atada por 30s com mÁxima intensidade, com registos mecÂnicos capturados a uma frequÊncia de 1000Hz, para determinaÇÕes mÁximas e mÉdias da forÇa, velocidade e potÊncia (em valores absolutos e relativos). Os dados obtidos para cada grupo estÃo apresentados em mÉdia ± DP, com comparaÇÕes efetuadas por teste-t para amostras independentes. Para homens e mulheres respectivamente obtivemos os parÂmetros mÁximos e mÉdios de forÇa (FMax= 6,3±0,5 N/kg, FMed= 5,5±0,3 N/kg; FMax= 5,5±1,2 N/kg, FMed= 4,8±1,2 N/kg), velocidade (VMax= 5,1±0,6 m/s, VMed= 4,3±0,4 m/s; VMax= 3,7±0,4 m/s, VMed= 3,0±0,4 m/s) e potÊncia (PMax= 29,9± 5,4 W/kg, PMed= 23,8±3,2W/kg; PMax= 19±5,5 W/kg, PMed= 14,3±4,4W/kg). Houve de diferenÇa estatÍstica entre os sexos quando comparamos parÂmetros de velocidade (VMax= 0,000; VMed= 0,000) e potÊncia (PMax=0,000; PMed=0,000), mas nÃo verificamos diferenÇa quando comparamos a forÇa (FMax= 0,067; FMed= 0,099). Com base nos resultados apresentados, concluÍmos que alÉm de ser um protocolo sensÍvel e capaz de detectar a diferenÇa entre os sexos o AO30s em corrida atada em esteira nÃo motorizada fornece parÂmetros individualizados, podendo auxiliar na prescriÇÃo de treinamento para jogadores de futsal de ambos os sexos.

Veja o artigo completo: PDF