Resumo Trabalho

FUNÇÃO RESPIRATÓRIA DE JOGADORES DE FUTEBOL CATEGORIA SUB 20: ANÁLISES DE EQUIPE E POSIÇÕES

Autor(es): ANITA BRUM MAROSTEGAN, CRISTIANO ISRAEL CAETANO, JOSÉ FRANCISO LÓPEZ-GIL, FERNANDO RENATO CAVICHIOLLI, MARLENE APARECIDA MORENO, CHARLINI HARTZ, CLAUDIO ALEXANDRE GOBATTO, FÚLVIA DE BARROS MANCHADO-GOBATTO

Futebolistas desempenham funÇÕes distintas em campo, apresentando capacidades aerÓbia e anaerÓbia diferentes de acordo com sua posiÇÃo. O alto gasto metabÓlico em associaÇÃo com o aumento do trabalho ventilatÓrio em exercÍcios fatigantes, podem ocasionar limitaÇÕes para o sistema respiratÓrio e consequente recrutamento de mÚsculos secundÁrios, gerando maior consumo de oxigÊnio e reduÇÃo de performance. Embora ainda nÃo investigados nesse contexto, parÂmetros como a pressÃo inspiratÓria mÁxima (PImÁx), Índice de intensidade muscular inspiratÓria (SIndex) e fluxo pulmonar inspiratÓrio (PIF) podem estar associados com a caracterÍstica das atividades desempenhadas pelos futebolistas. Nesse sentido, o objetivo do estudo foi determinar PImÁx, o SIndex e o PIF de jogadores de futebol de campo, categoria sub 20, em inÍcio de prÉ-temporada, investigando possÍveis caracterÍsticas desses parÂmetros de acordo com as posiÇÕes especÍficas dos jogadores. Foram avaliados 19 atletas (17±1 anos, 173±6 cm, 64,2±6,4 kg e 21,27±1,56 kg/m2), submetidos a avaliaÇÃo de PImÁx utilizando um manovacuÔmetro analÓgico (GER-AR, SP), e SIndex e PIF por meio do Powerbreathe K5. Os protocolos seguiram orientaÇÕes da literatura, com oclusÃo nasal, incentivo verbal e padrÃo inspiratÓrio diafragmÁtico. Os resultados da equipe e subgrupos por posiÇÕes (G-goleiro, n=1; Z-zagueiros, n=3; M-meios de campo, n=4; V-volantes n=3; L-laterais, n=4; A-atacantes, n=4), estÃo apresentados em mÉdia ± DP. CorrelaÇÃo entre a PImÁx e SIndex foi conduzida por teste de Pearson (P≤0,05). Adicionalmente, a anÁlise dos resultados dos subgrupos de forma qualitativa, baseou-se na comparaÇÃo percentual por posiÇÃo. Os resultados revelaram que nÃo houve correlaÇÃo significante entre PImÁx e SIndex (r=0,32, P=0,17, com n=19). A PImÁx (cmH2O) mÉdia foi de 136,84 para toda a equipe, com os seguintes resultados por posiÇÕes (G=75; Z=131,6; M=127,5; V=143,3, L=141,2; A=156,2). Para os parÂmetros, V, L e A os valores percentuais foram mais elevados em relaÇÃo Às demais posiÇÕes. Quanto ao SIndex (cmH2O) e PIF (L), os resultados da equipe foram 125,5 e 6,9, respectivamente. A anÁlise por posiÇÕes tambÉm apresentou variaÇÕes (G=96 e 5,4; Z=123,7 e 6,8; M=135,2 e 7,3; V=137,2 e 7,4; L=122,9 e 6,8; A=118,4 e 6,5), mostrando valores percentualmente superiores de V e M em relaÇÃo aos A. O goleiro avaliado obteve resultados percentualmente inferiores para todos os parÂmetros, diferenciando em atÉ 59% da PImÁx dos atacantes. Dentro dos subgrupos, foram identificados outliers (um deles com resultados muito superiores À mÉdia da equipe e outro, com respostas inferiores, se analisada sua posiÇÃo). Em sÍntese, os resultados desse estudo mostraram nÃo existir correlaÇÃo entre PImÁx e SIndex e sugerem existir diferenÇa entre a PImax, SIndex e PIF de jogadores de futebol, categoria sub20, de acordo com as atividades desempenhadas em campo.

Veja o artigo completo: PDF