Resumo Trabalho

A INICIAÇÃO ESPORTIVA COMO UMA OPORTUNIDADE PARA APRENDER COM O DIFERENTE: DESCONSTRUINDO A SEPARAÇÃO POR FAIXA ETÁRIA E GÊNERO A PARTIR DA INTERGERACIONALIDADE

Autor(es): KAROLINE CALVO ABILIO, CRISTIANO ISRAEL CAETANO, JOSÉ FRANCISO LÓPEZ-GIL, FERNANDO RENATO CAVICHIOLLI, JULIANA LAÍS SANTOS , FERNANDA PENNA EID, PALOMA DE CAMPOS RODRIGUES, SELMA GALHARDO e orientado por LILIAN APARECIDA FERREIRA

AO ENTENDERMOS A INICIAÇÃO ESPORTIVA (IE) COMO UM MOMENTO DE CONTATO COM A PRÁTICA DO ESPORTE, NO CASO AQUI DO HANDEBOL, BEM COMO UM ESPAÇO DE LAZER VOLTADO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO DE APRENDIZAGENS, ESTAMOS DEFENDENDO UMA PROPOSTA DE ENSINO DA IE QUE SE ORIENTE PELA INTERGERACIONALIDADE, OU SEJA, PELA TROCA DE SABERES ENTRE CRIANÇAS, ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS DE DIFERENTES GÊNEROS. AINDA QUE AS GERAÇÕES SEJAM DEFINIDAS POR PECULIARIDADES BIOLÓGICAS, A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO HUMANO, ELAS SÃO CLARAMENTE UM PRODUTO CULTURAL. COM BASE NESTE PRESSUPOSTO FOI DESENVOLVIDO UM FESTIVAL INTERGERACIONAL DE HANDEBOL COM REGRAS ADAPTADAS E VOLTADAS PARA A INCLUSÃO E PARTICIPAÇÃO ATIVA NO JOGO, ENVOLVENDO UM TOTAL DE 62 PESSOAS DE NOVE A 44 ANOS DE IDADE, DO GÊNERO MASCULINO E FEMININO, QUE JOGARAM JUNTOS. NESTE SENTIDO, O OBJETIVO DESTE TRABALHO FOI ANALISAR AS IMPRESSÕES DOS PARTICIPANTES DESTE FESTIVAL SOBRE A VIVÊNCIA REALIZADA. A PESQUISA, DE NATUREZA QUALITATIVA, SE ORIENTOU POR UM ESTUDO EXPLORATÓRIO. A COLETA FOI REALIZADA POR MEIO DE ENTREVISTA SEMIESTRUTURADA QUE FOI COMPOSTA POR DUAS QUESTÕES RELATIVAS ÀS IMPRESSÕES DOS PARTICIPANTES SOBRE O FESTIVAL. PARTICIPARAM DA PESQUISA 31 PESSOAS QUE HAVIAM JOGADO PELO MENOS UMA PARTIDA DE HANDEBOL NO FESTIVAL, DESTAS, 25 DO GÊNERO MASCULINO E 6 DO GÊNERO FEMININO. OS DADOS APONTARAM QUE, EMBORA A IE, SOBRETUDO NA LITERATURA ACADÊMICA, AINDA SE ASSENTE EM UMA PERSPECTIVA DE DIVISÃO POR FAIXA ETÁRIA E GÊNERO, IMPEDINDO UMA CONSTRUÇÃO DE PARTILHA ENTRE PESSOAS DE IDADES E GÊNEROS DISTINTOS, 29 ENTREVISTADOS MANIFESTARAM QUE JÁ TINHAM VIVENCIADO ESTA SITUAÇÃO EM OUTROS ESPAÇOS NOS QUAIS FAZEM (OU FIZERAM) ALGUMA PRÁTICA ESPORTIVA, COMO: ESCOLA, PROJETOS SOCIAIS, RUA, CLUBES, BOSQUE, CAMPINHO DO BAIRRO. OS DOIS ENTREVISTADOS QUE DISSERAM NUNCA TER VIVENCIADO ALGO SEMELHANTE, SINALIZARAM QUE A VIVÊNCIA CONTRIBUIU PARA: EXPLICAR AS REGRAS AO OUTRO, AJUDAR QUEM NÃO SABIA JOGAR, CONHECER PESSOAS NOVAS E OUTRAS FORMAS DE JOGAR. DENTRE OS QUE JÁ TINHAM VIVENCIADO JOGOS COM ESTA MISTURA, FORAM APONTADAS REFLEXÕES COMO: “O DESAFIO DESTA VIVÊNCIA SE TORNA MAIS RELEVANTE E POR ISSO INCENTIVA O PARTICIPANTE A JOGAR”; “AS PESSOAS DE MAIS IDADE COSTUMAM SER EXCLUÍDAS DA PRÁTICA DO ESPORTE E ESTE TIPO DE DINÂMICA PODE CONTRIBUIR PARA FAZER ESTA INCLUSÃO”; “QUANDO EU ERA PEQUENO JOGAR JUNTO COM MENINAS ERA ALGO COMUM, QUANDO FUI CRESCENDO ESTA SEPARAÇÃO FOI ACONTECENDO”. COM BASE NOS RESULTADOS IDENTIFICADOS, PODEMOS APONTAR QUE A VIVÊNCIA REALIZADA DÁ VISIBILIDADE A UMA PRÁTICA SOCIAL QUE PARECE JÁ ACONTECER EM DIVERSOS ESPAÇOS SOCIAIS E NUMA PERSPECTIVA DO LAZER, DESCONSTRUINDO ESTA SEPARAÇÃO POR FAIXA ETÁRIA E GÊNERO DA IE QUE PARECE MUITO MAIS INSPIRADA PELO ESPORTE DE RENDIMENTO E ESPETÁCULO. PARA ALÉM DISSO, OUTRO PONTO RELEVANTE DOS DADOS CORRESPONDE ÀS VÁRIAS CONTRIBUIÇÕES E REFLEXÕES SOBRE INCLUSÃO, RESPEITO, SOLIDARIEDADE, GÊNERO QUE FORAM EXPLICITADAS PELOS PARTICIPANTES.

Veja o artigo completo: PDF