Resumo Trabalho

EFEITO DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIO FÍSICO NO MEDO DE QUEDAS E APTIDÃO FÍSICA DE MULHERES IDOSAS FISICAMENTE INDEPENDENTES

Autor(es): MAYARA IMAIZUMI, CRISTIANO ISRAEL CAETANO, JOSÉ FRANCISO LÓPEZ-GIL, FERNANDO RENATO CAVICHIOLLI, ANDERSON DA SILVA HONORATO, BRUNA PRADO GOMES, CAMILA PEREIRA, FABIANA CRISTINA SCHERER, DENILSON DE CASTRO TEIXEIRA

AS QUEDAS SÃO CONSIDERADAS UMA DAS MAIORES AMEAÇAS À SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO, POIS PODEM TRAZER EFEITOS NEGATIVOS FÍSICOS E PSICOLÓGICOS, COMO MEDO DE CAIR DE NOVO E FALTA DE AUTOCONFIANÇA, QUE REPERCUTEM DIRETAMENTE NA SUA AUTONOMIA, INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA. O MEDO DE CAIR NÃO É UM SENTIMENTO SOMENTE DE QUEM JÁ CAIU E É CONSIDERADO UM FATOR DE RISCO DETERMINANTE PARA QUE AS QUEDAS REALMENTE VENHAM A ACONTECER. NESSE SENTIDO, O EXERCÍCIO FÍSICO TEM UM IMPORTANTE PAPEL NA DIMINUIÇÃO DOS AGRAVOS À SAÚDE DO IDOSO E NA PREVENÇÃO DE QUEDAS. DESTA FORMA, O PRESENTE ESTUDO TEVE COMO OBJETIVO AVALIAR O EFEITO DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIO FÍSICO NA ESCALA DE MEDO DE QUEDAS E NA APTIDÃO FÍSICA DE IDOSAS FISICAMENTE INDEPENDENTES. PARTICIPARAM DO ESTUDO 23 MULHERES COM IDADE MÉDIA DE 71,96 ANOS (±6,47), FISICAMENTE INDEPENDENTES E QUE FORAM SUBMETIDAS A UM PROGRAMA DE PILATES DURANTE 12 SEMANAS (3X/SEM., 1H/DIA). O MEDO DE QUEDAS FOI AVALIADO PELO QUESTIONÁRIO FALLS EFFICACY SCALE-INTERNATIONAL (FES-I-BRASIL) QUE INVESTIGA O MEDO DE CAIR EM 16 ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA NA QUAL AS RESPOSTAS VARIAM DE 1 A 4, PODENDO ATINGIR UMA PONTUAÇÃO TOTAL MÍNIMA DE 16 PONTOS (NENHUMA PREOCUPAÇÃO EM CAIR) E MÁXIMA DE 64 PONTOS (MAIOR PREOCUPAÇÃO EM CAIR). PARA A APTIDÃO FÍSICA, UTILIZOU-SE A BATERIA DE TESTES SHORT PHYSICAL PERFORMANCE BATTERY (SPPB) QUE AVALIA O DESEMPENHO FÍSICO DE MEMBROS INFERIORES DE IDOSOS, COMPOSTA POR TRÊS TESTES: EQUILÍBRIO ESTÁTICO EM PÉ (EQ-3P), VELOCIDADE DE MARCHA EM PASSO HABITUAL DE 4 METROS (VMA) E O TESTE DE SENTAR E LEVANTAR COM CINCO REPETIÇÕES (TSL-5X) QUE AVALIA A FORÇA MUSCULAR DE MEMBROS INFERIORES. PARA VERIFICAR A DIFERENÇA ENTRE OS DADOS, UTILIZOU-SE O TESTE WILCOXON PARA A VARIÁVEL MEDO DE QUEDAS E TSL-5X; TESTE T PARA VMA E MCNEMAR PARA EQ-3P. OS DADOS FORAM ANALISADOS PELO PROGRAMA SPSS (V. 25.0) COM NÍVEL DE SIGNIFICÂNCIA DE 5%. HOUVE UMA DIFERENÇA ESTATISTICAMENTE SIGNIFICANTE ENTRE AS MEDIANAS DOS VALORES DO FES-I-BRASIL (P=0,001), INDICANDO QUE O ESCORE PARA MEDO DE QUEDAS DIMINUIU APÓS A INTERVENÇÃO [MDPRÉ=27 (22-35); MDPÓS=20 (19-30); ES=0,68]. NA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FÍSICO, APENAS O TESTE DE VMA APRESENTOU DIFERENÇA ESTATISTICAMENTE SIGNIFICANTE (P=0,002), MOSTRANDO QUE HOUVE UMA REDUÇÃO, APÓS A INTERVENÇÃO, DO TEMPO MÉDIO GASTO NA MARCHA DE 4 METROS [X ̅PRÉ=4,18S ± 0,66; X ̅PÓS=3,74S ± 0,70; ES=0,64 (IC95% 1.5 - 0.214)]. PODEMOS CONCLUIR QUE A PRÁTICA DO MÉTODO PILATES REDUZIU O MEDO DE QUEDAS E AUMENTOU A VELOCIDADE DE MARCHA DOS IDOSOS EM APENAS 36 SESSÕES, MOSTRANDO A IMPORTÂNCIA DESTE MÉTODO PARA PREVENÇÃO DE QUEDAS E MELHORA DA APTIDÃO FÍSICA.

Veja o artigo completo: PDF