Resumo Trabalho

CONTRIBUIÇÃO DOS METABOLISMOS ANAERÓBIOS ALÁCTICO E LÁTICO PARA O DESEMPENHO DE CURTAS E MÉDIAS DISTÂNCIAS DO NADO CRAWL

Autor(es): DANILO ALEXANDRE MASSINI, CRISTIANO ISRAEL CAETANO, JOSÉ FRANCISO LÓPEZ-GIL, FERNANDO RENATO CAVICHIOLLI, VALTER AKIRA BRAVO, LEANDRO OLIVEIRA DA CRUZ SIQUEIRA, ANDREI SANCASSANI, ASTOR REIS SIMIONATO, DALTON MULLER PESSOA FILHO

ESTÁ BEM ESTABELECIDO QUE A CONTRIBUIÇÃO GLICOLÍTICA ANAERÓBIA É PREDOMINANTE NOS EVENTOS PRÓXIMOS A 50 E 100 METROS, E QUE A CONTRIBUIÇÃO ALÁCTICA ALCANÇA SUA MAIOR CAPACIDADE DE CONTRIBUIÇÃO PRÓXIMOS AOS 50 METROS. POR SUA VEZ, A CONTRIBUIÇÃO OXIDATIVA TENDE A SER RELEVANTE NOS 200M. TODAVIA, POUCO SE SABE SE AS DEMANDAS DE CADA METABOLISMO (ALÁCTICO VS. LÁCTICO) TENDEM A APRESENTAR RESPOSTAS DIFERENTES ENTRE ESSAS DISTÂNCIAS. ASSIM, O PRESENTE ESTUDO ANALISOU O METABOLISMO ANAERÓBIO NOS DESEMPENHOS DO NADO CRAWL EM DISTÂNCIAS DE 50, 100 E 200 METROS, DISTINGUINDO-O QUANTO A VARIAÇÃO DA RESPOSTA LÁCTICA E DO PERFIL ALÁCTICO. PARTICIPARAM DESTE ESTUDO 26 NADADORES, SENDO 13 (TREZE) HOMENS (16,8 ± 2,2 ANOS, 179,3 ± 7,0 CM E 69,4 ± 7,8 KG) E 13 (TREZE) MULHERES (15,5 ± 3 ANOS, 161,8 ± 6,2 CM E 55,5 ± 6,8 KG. A FASE RÁPIDA DE DECAIMENTO EXPONENCIAL DA CURVA DE RECUPERAÇÃO DO O2, APÓS CADA DISTÂNCIA DE NADO, ESTIMOU A CONTRIBUIÇÃO ALÁCTICA. ENQUANTO QUE O EQUIVALENTE DE O2 PARA A VARIAÇÃO DA RESPOSTA DO LACTATO SANGUÍNEO FOI UTILIZADA PARA RECONSTRUIR A DEMANDA ANAERÓBIA LÁCTICA. EM TODOS OS TESTES, O V̇ O2 FOI OBTIDO RESPIRAÇÃO-A-RESPIRAÇÃO POR UMA UNIDADE METABÓLICA AUTOMATIZADA E PORTÁTIL (CPET K4B2 ), QUE ESTEVE ACOPLADA A UM SNORKEL ESPECÍFICO E VALIDADO NA NATAÇÃO (NEW-AQUATRAINER®). A ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA DE DUAS VIAS 2 X 3 [2 METABOLISMOS ANAERÓBIO (ALÁCTICO E LÁCTICO) E 3 DISTÂNCIAS [50, 100 E 200M]), COMPLEMENTADO PELO TESTE DE BONFERRONI COMO POST-HOC, COMPAROU AS MÉDIAS RELATIVAS DO PERFIL METABÓLICO ENTRE OS METABOLISMOS PARA CADA DISTÂNCIA DE DESEMPENHO. ETA QUADRADO PARCIAL (η2 P) FOI CALCULADO PARA O TAMANHO DO EFEITO (0,0099 = PEQUENO; 0,0588 = MÉDIO E 0,1379 = LARGO). O NÍVEL DE SIGNIFICÂNCIA FOI ESTABELECIDO EM ρ≤0,05. OS RESULTADOS PRELIMINARES INDICARAM QUE O PERFIL DE CONTRIBUIÇÃO RELATIVA DO METABOLISMO ANAERÓBIO ALÁCTICO (F[2,00;50,00] = 8,749; ρ = 0,001; η2 P = 0,259 [LARGO]) NOS 100M (47,9 ± 8,7%) DIFERIU DOS 50M (53,3 ± 6,8%; ρ = 0,045) E DOS 200M (55,0 ± 5,1%; ρ = 0,002), PORÉM NÃO HOUVE DIFERENÇA ENTRE AS DISTÂNCIAS DE 50M E 200M (ρ = 0,674). DO MESMO MODO, O METABOLISMO ANAERÓBIO LÁCTICO NOS 100M (52,1 ± 8,7%) DIFERIU DOS 50M (46,7 ± 6,8%; ρ = 0,045) E DOS 200M (45,0 ± 5,1%; ρ = 0,002), PORÉM NÃO HOUVE DIFERENÇA ENTRE AS DISTÂNCIAS DE 50M E 200M (ρ = 0,674). QUANTO AO PERFIL DA CONTRIBUIÇÃO ANAERÓBIA RELATIVA PARA CADA DISTÂNCIA, VERIFICARAM-SE DIFERENÇAS PARA AS DISTÂNCIAS DE 50M (ρ = 0,022) E 200M (ρ < 0,001), EMBORA NÃO SE OBSERVOU DIFERENÇA NOS 100M (ρ = 0,237). DESSE MODO, OS VALORES RELATIVOS DE CONTRIBUIÇÃO DOS METABOLISMOS ALÁCTICO E LÁTICO TENDEM A NÃO SEREM SIMILARES ENTRE AS DISTÂNCIAS, SENDO OS 100M COM MENOR PARTICIPAÇÃO ALÁCTICA E PREDOMÍNIO LÁTICO COMPARADO AS DEMAIS DISTÂNCIAS.

Veja o artigo completo: PDF