Resumo Trabalho

EXISTE DIFERENÇA INTER AVALIADOR NA MEDIDA DE ESPESSURA MUSCULAR DO MÚSCULO VASTO LATERAL E RETO FEMORAL POR ULTRASSONOGRAFIA MODO-B?

Autor(es): DANILO RODRIGUES BATISTA, CRISTIANO ISRAEL CAETANO, JOSÉ FRANCISO LÓPEZ-GIL, FERNANDO RENATO CAVICHIOLLI, WELLINGTON GONÇALVES DIAS, GUILHERME BORSETTI BUSINARI, LUCAS PIRES BARBOSA, TIAGO VOLPI BRAZ, CHARLES RICARDO LOPES

A ultrassonografia em modo – B, vem sendo utilizada para determinar e espessura muscular principalmente na Área do treinamento de forÇa, embora a confiabilidade inter-avaliador tenha sido discutida na literatura, as informaÇÕes ainda sÃo inconsistentes. Portanto o objetivo deste estudo É avaliar a diferenÇa inter-avaliador nas medidas da espessura muscular do mÚsculo vasto lateral (VL) e reto femoral (RF) atravÉs de ultrassonografia em modo-B. O experimento foi realizado em laboratÓrio com temperatura ambiente controlada de 23°C, o participante permaneceu deitado em decÚbito dorsal em uma maca com os joelhos estendidos, realizou-se uma marcaÇÃo com tinta hena em 50% da distÂncia entre o trocÂnter maior e cÔndilo lateral do fÊmur do lado direito para o VL e a mesma distÂncia porÉm na linha mediana do quadrÍceps para o RF. Utilizou-se gel de transmissÃo solÚvel À base de Água para fornecer contato acÚstico sem pressionar a camada dÉrmica, o transdutor linear com frequÊncia de 12MHz foi orientado longitudinalmente no sentido do plano sagital. As imagens foram coletas pelos avaliadores (A e B), ambos tinham experiÊncia (maior que 300 imagens) utilizando o equipamento LOGIC L3, (General Electric Healthcare, Wauwatosa). O Avaliador A realizou a aquisiÇÃo de 30 imagens do VL e 30 imagens do RF, o mesmo procedimento se repetiu para o avaliador B. Para cada imagem foi respeitado um intervalo de 10 segundos com o transdutor afastado do ponto de anÁlise. Para aumentar o rigor metodolÓgico no momento de aquisiÇÃo das imagens do avaliador A o avaliador B nÃo poderia estar presente e vice-versa. A mensuraÇÃo da medida de espessura muscular foi realizada pelo software Image j (National institutes of health, USA, version 1.45 s), essa medida É determinada em cm pela distÂncia entre a aponeurose muscular subcutÂnea e aponeurose muscular profunda. As anÁlises estatÍsticas foram apresentadas atravÉs da mÉdia (M), desvio padrÃo, % coeficiente de variaÇÃo (%CV) intervalo de confianÇa (ICC) (n=60). Os resultados foram: Avaliador A para o VL e RF (M=2,20 ± 0,13 cm); (M=1,86 ± 0,21 cm) respectivamente. Avaliador B, VL e RF (M=2,40 ± 0,15 cm); (M= 1,75 ± 0,32) respectivamente. ComparaÇÃo inter-avaliador para VL e RF (%CV= 6,11 ± 3,40); (%CV= 6,17 ± 5,93) e (ICC= 0,0998); (ICC= 0,7091) respectivamente. Conclui-se que a medida do VL na comparaÇÃo inter-avaliador apresenta uma reprodutibilidade ruim, jÁ a medida do RF apresenta uma reprodutibilidade de mÉdia a boa, para avaliadores com experiÊncia de 300 imagens.

Veja o artigo completo: PDF