Resumo Trabalho

EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO PERIODIZADO E NÃO PERIODIZADO SOBRE O PERFIL LIPÍDICO E ÍNDICE DE ADIPOSIDADE VISCERAL EM PESSOAS VIVENDO COM HIV

Autor(es): WEVERTON FONSECA SOARES, CRISTIANO ISRAEL CAETANO, JOSÉ FRANCISO LÓPEZ-GIL, FERNANDO RENATO CAVICHIOLLI, VITOR LOPES SOARES, HUGO RIBEIRO ZANETTI, FERNANDO DE FREITAS NEVES, MÁRIO LEON SILVA-VERGARA, EDMAR LACERDA MENDES

A terapia antirretroviral (TARV) ocasiona a supressão da replicação do vírus em pessoas vivendo com HIV (PVHIV), porém está relacionada a alterações na gordura visceral e perfil lipídico, o que eleva o risco cardiovascular nesta população. Dessa forma, o treinamento físico (TF) tem sido proposto como ferramenta não farmacológica para reduzir os efeitos advindos da TARV. A sistematização das variáveis do treinamento utilizadas na periodização é amplamente utilizada no treinamento esportivo com o intuito de alto rendimento em pessoas saudáveis, no entanto não está claro o efeito sobre variáveis de saúde em uma população clínica. Assim, o presente estudo teve como objetivo verificar os efeitos do TF periodizado (TFP) e não periodizado (TFNP) sobre a adiposidade visceral, relação cintura quadril e perfil lipídico em PVHIV. O estudo foi composto por 41 PVHIV, sedentárias, com carga viral indetectável que foram randomicamente alocadas nos grupos TFP (n=13), TFNP (n=13) e controle (CON; n=15). Os grupos TFP e TFNP realizaram intervenção com treinamento combinado por 12 semanas, sendo que o grupo TFP realizou uma periodização ondulatória diária, enquanto o TFNP manteve constante o volume e intensidade dos exercícios durante todo o período de intervenção e o grupo CON foi instruído a não realizar exercícios físicos. Antes e após o período de 12 semanas de intervenção foi realizada uma coleta sanguínea para mensurar os níveis séricos de colesterol total (CT), triglicerídeos (TG), lipoproteína de alta densidade (HDL-c) e lipoproteína de baixa densidade (LDL-c). A adiposidade visceral (VAI) foi avaliada pelo cálculo incluindo quatro parâmetros: circunferência da cintura (CC), índice de massa corporal (IMC), triglicerídeos e HDL-c para o cálculo. Foi utilizado o valor de Δ (pós-pré) com análise de covariância (ANCOVA) com post hoc de Bonferroni considerando o valor préintervenção como covariável para comparar os grupos, tendo nível de significância quando p<0,05. Notou-se variações no CT para o grupo TFP (p<0,038) e TFNP (p<0,001), sem diferença entre grupos, assim como para o LDL-c, apresentando variações no grupo TFP (p<0,038) e TFNP (p<0,045). Os níveis séricos de TR apresentaram variações somente no grupo TFP (p<0,002). HDL-c variou apenas no grupo TFP (p<0,001) em relação ao grupo CON, apresentando diferença entre o grupo TFNP (p<0,001). Houve variações no VAI (p<0,046) e RCQ (p<0,002) somente no grupo TFP. Tais achados evidenciam que o TFP é uma abordagem superior ao TFNP sobre variáveis de saúde em PVHIV. Apoio CAPES.

Veja o artigo completo: PDF