Resumo Trabalho

ROTINAS PSICOLÓGICAS EM ATLETAS UNIVERSITÁRIOS: UMA ANÁLISE DO DESEMPENHO EM COBRANÇAS DE PÊNALTIS

Autor(es): KAUAN GALVÃO MORÃO, CRISTIANO ISRAEL CAETANO, JOSÉ FRANCISO LÓPEZ-GIL, FERNANDO RENATO CAVICHIOLLI, FERNANDO DE LIMA FABRIS, GUILHERME BAGNI, RENATO HENRIQUE VERZANI, BRUNA FEITOSA DE OLIVEIRA, AFONSO ANTONIO MACHADO

Diante da imensa gama de estratÉgias existentes na psicologia do esporte que visam maximizar o desempenho de atletas, existe a criaÇÃo de rotinas psicolÓgicas direcionadas a diversas tarefas. Esse mÉtodo pode ser eficiente ao proporcionar maior equilÍbrio psicolÓgico ao esportista em situaÇÃo de pressÃo, automatizando movimentos e buscando perfeiÇÃo na execuÇÃo. Tal processo pode sofrer interferÊncia de aspectos ambientais, porÉm, em nÍvel Ótimo resulta em performance ideal. Em habilidades fechadas, as rotinas sÃo evidentes e podem ser essenciais na efetiva execuÇÃo do movimento, jÁ que envolve equilÍbrio emocional, nÍveis ideais de ativaÇÃo, concentraÇÃo e atenÇÃo. É importante que cada atleta defina sua prÓpria rotina. O objetivo do estudo foi analisar a eficÁcia da utilizaÇÃo de rotinas prÉ-aÇÃo em cobranÇas de pÊnaltis. A pesquisa É qualitativa com carÁter avaliativo. A amostra foi composta por 10 atletas universitÁrios do sexo masculino (mÉdia de idade de 20,5 anos ± 2,88), titulares da equipe de acordo com o treinador, sendo que todos executavam 5 cobranÇas de pÊnaltis. Foi utilizado um caderno de anotaÇÕes como mÉtodo de coleta de dados, caracterizado por observaÇÕes do pesquisador, conversas com os sujeitos do estudo, anotaÇÕes sobre a rotina dos indivÍduos, bem como a utilizaÇÃo da mesma, acertos e erros. A anÁlise dos dados contou com a quantificaÇÃo dos acertos e identificaÇÃo das rotinas sendo realizadas de forma ideal. Todos os atletas descreveram individualmente suas rotinas. Diversas formas de execuÇÃo foram apresentadas, sendo que parte dos atletas (40%) realizavam efetivamente a rotina toda, enquanto outros (60%) nÃo realizavam. Comparando os atletas que realizavam as rotinas com aqueles que nÃo realizavam, foi possÍvel observar que a eficÁcia nas cobranÇas foi de 90% enquanto os atletas que nÃo utilizavam sempre a rotina de forma efetiva, obtiveram valor equivalente a 63,3%. EntÃo, hÁ evidÊncias que a rotina pode gerar maior controle de aÇÕes e emoÇÕes naquele momento, favorecendo resultados expressivos de sucesso. 70% dos atletas ainda relataram que o cumprimento de rotinas bem estabelecidas, auxilia na concentraÇÃo direcionada À tarefa e autoconfianÇa, facilitando a execuÇÃo ideal do movimento e havendo maior equilÍbrio psicolÓgico diante de situaÇÕes consideradas estressoras (momentos de pressÃo), alÉm de afastar interferÊncias externas que alterariam/prejudicariam o estado emocional. Portanto, É evidente que a rotina psicolÓgica realizada adequadamente corrobora na eficÁcia da execuÇÃo dos movimentos, possuindo influÊncia sobre o rendimento. A rotina tambÉm pode ajudar o atleta a apresentar maior equilÍbrio emocional diante de situaÇÕes adversas, afastando estÍmulos externos que possam ser prejudiciais À performance. No entanto, nem sempre o atleta terÁ sucesso na cobranÇa como resultado, pois o produto tambÉm depende de outros fatores (contextuais, ambientais e situacionais, por exemplo) que ali estÃo envolvidos.

Veja o artigo completo: PDF