Resumo Trabalho

O ENFRENTAMENTO DE PROBLEMAS NO ESPORTE UNIVERSITÁRIO

Autor(es): GUILHERME BAGNI, CRISTIANO ISRAEL CAETANO, JOSÉ FRANCISO LÓPEZ-GIL, FERNANDO RENATO CAVICHIOLLI, KAUAN GALVÃO MORÃO, RENATO HENRIQUE VERZANI, FERNANDO DE LIMA FABRIS, BRUNA FEITOSA DE OLIVEIRA, AFONSO ANTONIO MACHADO

SituaÇÕes estressoras sÃo recorrentes no cotidiano, isso nÃo É diferente no ambiente esportivo. Sendo que a importÂncia do evento, bem como a incerteza em relaÇÃo ao resultado se apresentam como principais fontes situacionais de estresse. Frente a tais questÕes É necessÁrio que o atleta desenvolva estratÉgias de enfrentamento, tambÉm denominadas coping, para lidar com essas situaÇÕes. Analisando um pÚblico mais especÍfico dentro do esporte, como os atletas universitÁrios nota-se que alÉm dos fatores anteriormente citados ocorre tambÉm dificuldade em conciliar a vida acadÊmica com o esporte universitÁrio. Frente a essa situaÇÃo, este trabalho tem como objetivo verificar quais sÃo as estratÉgias de enfrentamento utilizadas por atletas universitÁrios. Para isso, foi utilizado como instrumento o questionÁrio EstratÉgias de Modos de Enfrentamento de Problemas (EMEP). O EMEP É composto por 45 questÕes fechadas e 2 abertas. Para este trabalho, foram consideradas apenas as questÕes fechadas. As 45 questÕes sÃo divididas em 4 fatores: enfrentamento focalizado no problema, enfrentamento focalizado na emoÇÃo, religiosidade e pensamento fantasioso e busca de suporte social. As respostas sÃo dadas em escala do tipo Likert de 1 “eu nunca faÇo isso” atÉ 5 “eu faÇo isso sempre”. A aplicaÇÃo do questionÁrio se deu por meio da plataforma online Google Drive®, sendo que o questionÁrio foi disponibilizado em um link e divulgado em grupos do facebook de diversas universidades. A amostra do estudo foi composta por 93 atletas, 39 do sexo feminino e 54 do sexo masculino, com mÉdia de idade de 22,59 anos (±3,34) de 16 modalidades esportivas. Todos afirmaram representar sua universidade em competiÇÕes universitÁrias, sendo que apenas um recebe bolsa para tal atividade. Para a anÁlise dos dados foi utilizada a estatÍstica descritiva para obtenÇÃo das mÉdias e desvio-padrÃo das questÕes e da frequÊncia para os dados sociodemogrÁficos, para isso foi utilizado o programa Excel 2013. Os resultados indicaram que as estratÉgias mais utilizadas foram as focadas no problema, com mÉdia de 3,81 (±0,82), seguido da busca por suporte social com mÉdia de 3,60 (±0,95), pensamento fantasioso/religioso com mÉdia de 2,78 (±1,31) e estratÉgias focadas na emoÇÃo com mÉdia de 2,49 (±1,15). Por meio dos resultados analisados, pode-se concluir que os atletas universitÁrios utilizam estratÉgias de enfrentamento de problemas eficientes para lidar com situaÇÕes estressoras. Ainda sÃo necessÁrios estudos futuros comparando modalidades coletivas e individuais, bem como considerando o curso universitÁrio e comparando os mesmos atletas em diferentes perÍodos do calendÁrio universitÁrio, sendo que tal anÁlise pode auxiliar os atletas a lidar com situaÇÕes estressoras de maneira eficaz quando necessÁrio.

Veja o artigo completo: PDF