Artigo Anais II CONBRACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2525-6696

IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO E PRÁTICAS ACERCA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS ODONTOLÓGICOS: REVISÃO DE LITERATURA

Palavra-chaves: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS, RESÍDUOS QUÍMICOS, RESÍDUOS ODONTOLÓGICOS Pôster (PO) AT-02: Odontologia
"2017-06-14 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 29361
    "edicao_id" => 60
    "trabalho_id" => 185
    "inscrito_id" => 1325
    "titulo" => "IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO E PRÁTICAS ACERCA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS ODONTOLÓGICOS: REVISÃO DE LITERATURA"
    "resumo" => "Os resíduos de serviços de saúde (RSS) são gerados por vários estabelecimentos de saúde e são considerados um problema de saúde pública no Brasil por apresentarem microorganismos que podem prejudicar a saúde da população e causar danos ao meio ambiente. No Brasil, normas da ABNT e regulamentos do SISNAMA e ANVISA classificam e determinam as diretrizes mínimas para o manejo e descarte dos RSS. Os resíduos químicos gerados a partir dos procedimentos odontológicos se enquadram no grupo B, sendo substâncias químicas que apresentam potencial risco à saúde pública e ao meio ambiente. Os principais resíduos químicos odontológicos são medicamentos vencidos ou quando tornarem-se impróprios para o consumo, efluentes radiográficos, resíduos de amálgama e lâminas de chumbo. Devido às suas periculosidades, faz-se necessário e importante um adequado gerenciamento dos resíduos químicos odontológicos, que garanta não só o cumprimento da legislação vigente, mas principalmente para diminuir os riscos à saúde da população em geral e preservação do meio ambiente. O presente trabalho tem o objetivo de realizar uma revisão de literatura a respeito da importância do conhecimento e práticas de gerenciamento dos resíduos químicos odontológicos, destacando seus potencias riscos e suas formas adequadas de manejo e descarte. Para a revisão bibliográfica sobre o tema em questão foram pesquisados artigos científicos nas bases de dados Literatura Latino Americana e do Caribe em Ciências e Saúde (Lilacs) e Scientific Library Online (Scielo). De acordo com a ANVISA, as diretrizes estabelecidas para o adequado gerenciamento e manejo dos RSS devem seguir as seguintes etapas: segregação, acondicionamento, identificação, transporte interno, armazenamento temporário, tratamento, armazenamento externo, coleta e disposição final. Moraes (2014) demonstrou que mais da metade dos cirurgiões-dentistas que participaram de seu estudo (51%) descartavam os efluentes radiográficos diretamente na rede coletora de esgoto ou em lixo comum. Resíduos de amálgama são acondicionados indevidamente em recipientes secos e descartados inapropriadamente junto aos resíduos perfurocortantes. Leal (2012) evidenciou em seu trabalho que parte dos cirurgiões-dentistas que participaram do estudo (26%) não tem conhecimento sobre o adequado acondicionamento e descarte dos resíduos de amálgama, acondicionando-os em recipiente algum e descartando-os em coletores de perfurocortantes e lixo comum. Pereira et al. (2015) mostrou em seu estudo que a maioria das respostas de estudantes de Odontologia foram corretas (76,8%) sobre o conhecimento do gerenciamento e descarte dos resíduos de amálgama. Entretanto, mesmo em pequena proporção (23,2%), a falta de conhecimento do correto descarte desses resíduos é preocupante. Leal (2012) concluiu que a maioria dos cirurgiões-dentistas (79,4%) faz descarte de efluentes radiográficos na rede coletora de esgoto, sem tratamento prévio. Por fim, pode-se afirmar que os resíduos químicos odontológicos, devem ser preocupações constantes para os cirurgiões-dentistas, observando seus potencias tóxicos e lesivos para a população e ambiente. É de grande importância a existência de ações que promovam a conscientização e capacitação das equipes de saúde bucal acerca do adequado gerenciamento dos resíduos químicos odontológicos a fim de garantir a biossegurança e prevenir de riscos para população."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "AT-02: Odontologia"
    "palavra_chave" => "GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS, RESÍDUOS QUÍMICOS, RESÍDUOS ODONTOLÓGICOS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV071_MD4_SA2_ID1325_01052017191647.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:15"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:29:30"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ARTHUR ANTONIO SANTANA"
    "autor_nome_curto" => "ARTHUR ANTONIO"
    "autor_email" => "arthur.thr@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais II CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a0123e6440_16022020235739.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844ec532ad_22072020105348.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-06-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 29361
    "edicao_id" => 60
    "trabalho_id" => 185
    "inscrito_id" => 1325
    "titulo" => "IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO E PRÁTICAS ACERCA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS ODONTOLÓGICOS: REVISÃO DE LITERATURA"
    "resumo" => "Os resíduos de serviços de saúde (RSS) são gerados por vários estabelecimentos de saúde e são considerados um problema de saúde pública no Brasil por apresentarem microorganismos que podem prejudicar a saúde da população e causar danos ao meio ambiente. No Brasil, normas da ABNT e regulamentos do SISNAMA e ANVISA classificam e determinam as diretrizes mínimas para o manejo e descarte dos RSS. Os resíduos químicos gerados a partir dos procedimentos odontológicos se enquadram no grupo B, sendo substâncias químicas que apresentam potencial risco à saúde pública e ao meio ambiente. Os principais resíduos químicos odontológicos são medicamentos vencidos ou quando tornarem-se impróprios para o consumo, efluentes radiográficos, resíduos de amálgama e lâminas de chumbo. Devido às suas periculosidades, faz-se necessário e importante um adequado gerenciamento dos resíduos químicos odontológicos, que garanta não só o cumprimento da legislação vigente, mas principalmente para diminuir os riscos à saúde da população em geral e preservação do meio ambiente. O presente trabalho tem o objetivo de realizar uma revisão de literatura a respeito da importância do conhecimento e práticas de gerenciamento dos resíduos químicos odontológicos, destacando seus potencias riscos e suas formas adequadas de manejo e descarte. Para a revisão bibliográfica sobre o tema em questão foram pesquisados artigos científicos nas bases de dados Literatura Latino Americana e do Caribe em Ciências e Saúde (Lilacs) e Scientific Library Online (Scielo). De acordo com a ANVISA, as diretrizes estabelecidas para o adequado gerenciamento e manejo dos RSS devem seguir as seguintes etapas: segregação, acondicionamento, identificação, transporte interno, armazenamento temporário, tratamento, armazenamento externo, coleta e disposição final. Moraes (2014) demonstrou que mais da metade dos cirurgiões-dentistas que participaram de seu estudo (51%) descartavam os efluentes radiográficos diretamente na rede coletora de esgoto ou em lixo comum. Resíduos de amálgama são acondicionados indevidamente em recipientes secos e descartados inapropriadamente junto aos resíduos perfurocortantes. Leal (2012) evidenciou em seu trabalho que parte dos cirurgiões-dentistas que participaram do estudo (26%) não tem conhecimento sobre o adequado acondicionamento e descarte dos resíduos de amálgama, acondicionando-os em recipiente algum e descartando-os em coletores de perfurocortantes e lixo comum. Pereira et al. (2015) mostrou em seu estudo que a maioria das respostas de estudantes de Odontologia foram corretas (76,8%) sobre o conhecimento do gerenciamento e descarte dos resíduos de amálgama. Entretanto, mesmo em pequena proporção (23,2%), a falta de conhecimento do correto descarte desses resíduos é preocupante. Leal (2012) concluiu que a maioria dos cirurgiões-dentistas (79,4%) faz descarte de efluentes radiográficos na rede coletora de esgoto, sem tratamento prévio. Por fim, pode-se afirmar que os resíduos químicos odontológicos, devem ser preocupações constantes para os cirurgiões-dentistas, observando seus potencias tóxicos e lesivos para a população e ambiente. É de grande importância a existência de ações que promovam a conscientização e capacitação das equipes de saúde bucal acerca do adequado gerenciamento dos resíduos químicos odontológicos a fim de garantir a biossegurança e prevenir de riscos para população."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "AT-02: Odontologia"
    "palavra_chave" => "GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS, RESÍDUOS QUÍMICOS, RESÍDUOS ODONTOLÓGICOS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV071_MD4_SA2_ID1325_01052017191647.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:15"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:29:30"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ARTHUR ANTONIO SANTANA"
    "autor_nome_curto" => "ARTHUR ANTONIO"
    "autor_email" => "arthur.thr@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais II CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a0123e6440_16022020235739.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844ec532ad_22072020105348.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-06-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 14 de junho de 2017

Resumo

Os resíduos de serviços de saúde (RSS) são gerados por vários estabelecimentos de saúde e são considerados um problema de saúde pública no Brasil por apresentarem microorganismos que podem prejudicar a saúde da população e causar danos ao meio ambiente. No Brasil, normas da ABNT e regulamentos do SISNAMA e ANVISA classificam e determinam as diretrizes mínimas para o manejo e descarte dos RSS. Os resíduos químicos gerados a partir dos procedimentos odontológicos se enquadram no grupo B, sendo substâncias químicas que apresentam potencial risco à saúde pública e ao meio ambiente. Os principais resíduos químicos odontológicos são medicamentos vencidos ou quando tornarem-se impróprios para o consumo, efluentes radiográficos, resíduos de amálgama e lâminas de chumbo. Devido às suas periculosidades, faz-se necessário e importante um adequado gerenciamento dos resíduos químicos odontológicos, que garanta não só o cumprimento da legislação vigente, mas principalmente para diminuir os riscos à saúde da população em geral e preservação do meio ambiente. O presente trabalho tem o objetivo de realizar uma revisão de literatura a respeito da importância do conhecimento e práticas de gerenciamento dos resíduos químicos odontológicos, destacando seus potencias riscos e suas formas adequadas de manejo e descarte. Para a revisão bibliográfica sobre o tema em questão foram pesquisados artigos científicos nas bases de dados Literatura Latino Americana e do Caribe em Ciências e Saúde (Lilacs) e Scientific Library Online (Scielo). De acordo com a ANVISA, as diretrizes estabelecidas para o adequado gerenciamento e manejo dos RSS devem seguir as seguintes etapas: segregação, acondicionamento, identificação, transporte interno, armazenamento temporário, tratamento, armazenamento externo, coleta e disposição final. Moraes (2014) demonstrou que mais da metade dos cirurgiões-dentistas que participaram de seu estudo (51%) descartavam os efluentes radiográficos diretamente na rede coletora de esgoto ou em lixo comum. Resíduos de amálgama são acondicionados indevidamente em recipientes secos e descartados inapropriadamente junto aos resíduos perfurocortantes. Leal (2012) evidenciou em seu trabalho que parte dos cirurgiões-dentistas que participaram do estudo (26%) não tem conhecimento sobre o adequado acondicionamento e descarte dos resíduos de amálgama, acondicionando-os em recipiente algum e descartando-os em coletores de perfurocortantes e lixo comum. Pereira et al. (2015) mostrou em seu estudo que a maioria das respostas de estudantes de Odontologia foram corretas (76,8%) sobre o conhecimento do gerenciamento e descarte dos resíduos de amálgama. Entretanto, mesmo em pequena proporção (23,2%), a falta de conhecimento do correto descarte desses resíduos é preocupante. Leal (2012) concluiu que a maioria dos cirurgiões-dentistas (79,4%) faz descarte de efluentes radiográficos na rede coletora de esgoto, sem tratamento prévio. Por fim, pode-se afirmar que os resíduos químicos odontológicos, devem ser preocupações constantes para os cirurgiões-dentistas, observando seus potencias tóxicos e lesivos para a população e ambiente. É de grande importância a existência de ações que promovam a conscientização e capacitação das equipes de saúde bucal acerca do adequado gerenciamento dos resíduos químicos odontológicos a fim de garantir a biossegurança e prevenir de riscos para população.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.