Artigo Anais II CONBRACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2525-6696

DIALOGANDO SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E A REDE DE CUIDADO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Palavra-chaves: VIOLÊNCIA, MULHER, REDE DE CUIDADO Pôster (PO) AT-01: Medicina
"2017-06-14 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 29239
    "edicao_id" => 60
    "trabalho_id" => 790
    "inscrito_id" => 2196
    "titulo" => "DIALOGANDO SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E A REDE DE CUIDADO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA"
    "resumo" => "A violência contra a mulher, por muito tempo, foi vivida na particularidade do ambiente doméstico e de forma silenciosa, e os movimentos feministas foram e são importantes para combater a consciência patriarcal. Os serviços de saúde são fundamentais na detecção do problema, pois possuem contato direto com a mulher, podendo reconhecer e acolher quando houver casos de violência. Porém, ainda é um serviço falho, pois caso não haja a identificação do problema pelos profissionais de saúde, a situação tende a se perpetuar, diminuindo a eficácia da intervenção, logo do serviço de saúde. O Instituto Cândida Vargas faz parte da rede de cuidado integral de assistência a mulher, com atendimento global, que vai desde emergências clínicas a casos de violência contra a mulher, tendo este um núcleo especializado que lida e apoia a mulher desde a sua chegada na unidade até na continuação do caso. O trabalho tem como objetivo relatar a experiência de acadêmicos de medicina, em uma visita técnica ao Instituto Cândida Vargas, a fim de conhecer o funcionamento da rede de cuidado a vítimas de violência contra a mulher. Trata-se de um relato de experiência que se deu no município de João Pessoa, na maternidade de referência da Paraíba, Instituto Cândida Vargas. Este cenário está vinculado ao Módulo de Atenção à Saúde V e ocorreu durante o segundo semestre letivo de 2016. A visita ocorreu no Instituto Cândida Vargas, onde uma equipe multiprofissional se reuniu com os estudantes no auditório, a fim de dialogar sobre o funcionamento do serviço quanto ao acolhimento a mulheres que o procuram por serem vítimas de violência. De início, foi apresentado um vídeo onde mulheres deram depoimentos contando suas experiências próprias. Pôde-se perceber através desse vídeo que a violência à mulher vai muito além da violência sexual: muitas vezes, está presente dentro de casa (namorado/marido/pai), através de ofensas, xingamentos, gritos, ameaças, pressão psicológica e agressão física. Ao procurar o serviço, a mulher será atendida por uma equipe multiprofissional, contendo assistente social, enfermeira, psicóloga e médica, que estão disponíveis 24 horas por dia. Além do acolhimento, é dado a ela uma série de medicamentos contra prováveis DSTs contraídas e contra uma possível gravidez, em até 72 horas do estupro, caso tenha havido um. O Instituto Cândida Vargas dá todo o suporte a essas mulheres e todas as informações que precisam. A atenção integral a elas, nesse momento tão crítico, é fundamental. É necessário que haja a elaboração de mais políticas públicas nesta temática, a fim de incentivar e alertar as mulheres sobre o assunto: o que é a violência contra a mulher e qual sua importância e onde buscar ajuda nessas situações. Mostrar a elas que violência não é só física e/ou sexual. É necessário também que existam mais serviços especializados na atenção a essas mulheres, prontos a recebê-las e acolhê-las."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "AT-01: Medicina"
    "palavra_chave" => "VIOLÊNCIA, MULHER, REDE DE CUIDADO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV071_MD4_SA1_ID2196_15052017224046.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:15"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:29:30"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "SARA PAES GAIÃO TORREÃO"
    "autor_nome_curto" => "SARA PAES"
    "autor_email" => "sarapaess@hotmail.com"
    "autor_ies" => "FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA PARAÍBA (FCMPB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais II CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a0123e6440_16022020235739.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844ec532ad_22072020105348.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-06-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 29239
    "edicao_id" => 60
    "trabalho_id" => 790
    "inscrito_id" => 2196
    "titulo" => "DIALOGANDO SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E A REDE DE CUIDADO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA"
    "resumo" => "A violência contra a mulher, por muito tempo, foi vivida na particularidade do ambiente doméstico e de forma silenciosa, e os movimentos feministas foram e são importantes para combater a consciência patriarcal. Os serviços de saúde são fundamentais na detecção do problema, pois possuem contato direto com a mulher, podendo reconhecer e acolher quando houver casos de violência. Porém, ainda é um serviço falho, pois caso não haja a identificação do problema pelos profissionais de saúde, a situação tende a se perpetuar, diminuindo a eficácia da intervenção, logo do serviço de saúde. O Instituto Cândida Vargas faz parte da rede de cuidado integral de assistência a mulher, com atendimento global, que vai desde emergências clínicas a casos de violência contra a mulher, tendo este um núcleo especializado que lida e apoia a mulher desde a sua chegada na unidade até na continuação do caso. O trabalho tem como objetivo relatar a experiência de acadêmicos de medicina, em uma visita técnica ao Instituto Cândida Vargas, a fim de conhecer o funcionamento da rede de cuidado a vítimas de violência contra a mulher. Trata-se de um relato de experiência que se deu no município de João Pessoa, na maternidade de referência da Paraíba, Instituto Cândida Vargas. Este cenário está vinculado ao Módulo de Atenção à Saúde V e ocorreu durante o segundo semestre letivo de 2016. A visita ocorreu no Instituto Cândida Vargas, onde uma equipe multiprofissional se reuniu com os estudantes no auditório, a fim de dialogar sobre o funcionamento do serviço quanto ao acolhimento a mulheres que o procuram por serem vítimas de violência. De início, foi apresentado um vídeo onde mulheres deram depoimentos contando suas experiências próprias. Pôde-se perceber através desse vídeo que a violência à mulher vai muito além da violência sexual: muitas vezes, está presente dentro de casa (namorado/marido/pai), através de ofensas, xingamentos, gritos, ameaças, pressão psicológica e agressão física. Ao procurar o serviço, a mulher será atendida por uma equipe multiprofissional, contendo assistente social, enfermeira, psicóloga e médica, que estão disponíveis 24 horas por dia. Além do acolhimento, é dado a ela uma série de medicamentos contra prováveis DSTs contraídas e contra uma possível gravidez, em até 72 horas do estupro, caso tenha havido um. O Instituto Cândida Vargas dá todo o suporte a essas mulheres e todas as informações que precisam. A atenção integral a elas, nesse momento tão crítico, é fundamental. É necessário que haja a elaboração de mais políticas públicas nesta temática, a fim de incentivar e alertar as mulheres sobre o assunto: o que é a violência contra a mulher e qual sua importância e onde buscar ajuda nessas situações. Mostrar a elas que violência não é só física e/ou sexual. É necessário também que existam mais serviços especializados na atenção a essas mulheres, prontos a recebê-las e acolhê-las."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "AT-01: Medicina"
    "palavra_chave" => "VIOLÊNCIA, MULHER, REDE DE CUIDADO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV071_MD4_SA1_ID2196_15052017224046.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:15"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:29:30"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "SARA PAES GAIÃO TORREÃO"
    "autor_nome_curto" => "SARA PAES"
    "autor_email" => "sarapaess@hotmail.com"
    "autor_ies" => "FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA PARAÍBA (FCMPB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais II CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a0123e6440_16022020235739.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844ec532ad_22072020105348.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-06-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 14 de junho de 2017

Resumo

A violência contra a mulher, por muito tempo, foi vivida na particularidade do ambiente doméstico e de forma silenciosa, e os movimentos feministas foram e são importantes para combater a consciência patriarcal. Os serviços de saúde são fundamentais na detecção do problema, pois possuem contato direto com a mulher, podendo reconhecer e acolher quando houver casos de violência. Porém, ainda é um serviço falho, pois caso não haja a identificação do problema pelos profissionais de saúde, a situação tende a se perpetuar, diminuindo a eficácia da intervenção, logo do serviço de saúde. O Instituto Cândida Vargas faz parte da rede de cuidado integral de assistência a mulher, com atendimento global, que vai desde emergências clínicas a casos de violência contra a mulher, tendo este um núcleo especializado que lida e apoia a mulher desde a sua chegada na unidade até na continuação do caso. O trabalho tem como objetivo relatar a experiência de acadêmicos de medicina, em uma visita técnica ao Instituto Cândida Vargas, a fim de conhecer o funcionamento da rede de cuidado a vítimas de violência contra a mulher. Trata-se de um relato de experiência que se deu no município de João Pessoa, na maternidade de referência da Paraíba, Instituto Cândida Vargas. Este cenário está vinculado ao Módulo de Atenção à Saúde V e ocorreu durante o segundo semestre letivo de 2016. A visita ocorreu no Instituto Cândida Vargas, onde uma equipe multiprofissional se reuniu com os estudantes no auditório, a fim de dialogar sobre o funcionamento do serviço quanto ao acolhimento a mulheres que o procuram por serem vítimas de violência. De início, foi apresentado um vídeo onde mulheres deram depoimentos contando suas experiências próprias. Pôde-se perceber através desse vídeo que a violência à mulher vai muito além da violência sexual: muitas vezes, está presente dentro de casa (namorado/marido/pai), através de ofensas, xingamentos, gritos, ameaças, pressão psicológica e agressão física. Ao procurar o serviço, a mulher será atendida por uma equipe multiprofissional, contendo assistente social, enfermeira, psicóloga e médica, que estão disponíveis 24 horas por dia. Além do acolhimento, é dado a ela uma série de medicamentos contra prováveis DSTs contraídas e contra uma possível gravidez, em até 72 horas do estupro, caso tenha havido um. O Instituto Cândida Vargas dá todo o suporte a essas mulheres e todas as informações que precisam. A atenção integral a elas, nesse momento tão crítico, é fundamental. É necessário que haja a elaboração de mais políticas públicas nesta temática, a fim de incentivar e alertar as mulheres sobre o assunto: o que é a violência contra a mulher e qual sua importância e onde buscar ajuda nessas situações. Mostrar a elas que violência não é só física e/ou sexual. É necessário também que existam mais serviços especializados na atenção a essas mulheres, prontos a recebê-las e acolhê-las.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.