Artigo Anais I CONBRACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2525-6696

ESTIGMAS, INFORMAÇÕES, ATITUDES E PRÁTICAS DE COMPANHEIRAS DE PRESIDIÁRIOS SOBRE A TUBERCULOSE

Palavra-chaves: TUBERCULOSE, EDUCAÇÃO EM SAÚDE, PRISÕES, FAMÍLIAS, FAMÍLIAS Comunicação Oral (CO) AT-04: ENFERMAGEM
"2016-06-15 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 19155
    "edicao_id" => 43
    "trabalho_id" => 337
    "inscrito_id" => 75
    "titulo" => "ESTIGMAS, INFORMAÇÕES, ATITUDES E PRÁTICAS DE COMPANHEIRAS DE PRESIDIÁRIOS SOBRE A TUBERCULOSE"
    "resumo" => "A tuberculose é considerada um problema de saúde pública por fatores de origem social e econômica e que a probabilidade de contágio da doença no ambiente prisional é maior, onde familiares de presidiários tornam-se vulneráveis pela permanência nestes ambientes.  Objetivo: avaliar o estigma, informações, atitudes e práticas de companheiras de presidiários sobre a tuberculose e avaliar a associação entre a informação e as atitudes e práticas dessa população. Método: Estudo Transversal - descritivo, envolvendo 77 companheiras de presidiários. A coleta de dados foi realizada em junho e julho de 2015, em uma Delegacia de Polícia Civil. O instrumento utilizado na coleta de dados foi um questionário fechado, distribuídos em quatro eixos temáticos, constituído de 34 questões, que abordam a situação sócio demográfica, práticas e atitudes e a consciência e informação sobre a tuberculose. Os dados foram tabulados duplamente no programa Microsoft Office Excel 2013, seguido de correções evitando a inconsistência dos dados. O processamento e análise deu-se por meio do programa SPSS, onde se realizaram as análises estatísticas descritivas, considerando associação significativa p ≤ 0,05.  Resultados: As mulheres relataram que, em caso de contágio e sintomas de tuberculose, falaria principalmente aos filhos (98,7%), pais (84,1%) e ao companheiro (70,8%) e que procurariam primeiramente farmácias (90,8%). Entre as entrevistadas, 75,3% alegaram que o companheiro estava preso a menos de 12 meses e 81,8% sabiam da incidência de casos de tuberculose durante esse período.  Relataram que não receberam orientação sobre a necessidade de prevenção (72,7%) e 83,1% afirmaram que não receberam material de prevenção na penitenciária. As atitudes (54,4%) e práticas (72,7%) foram avaliadas como inadequadas e 54,5% alegaram que não estavam bem informadas sobre a doença e que gostariam de receber mais informações, principalmente através de profissionais de saúde (63,2%), jornais e revistas (55,3%), internet (36,8%) e folhetos, cartazes e quadros de aviso (27,6%).. Houve associação significativa entre as atitudes (p = 0,034) e as práticas inadequadas (p = 0,028) com a falta de informações sobre a tuberculose. Conclusão: Os resultados apontaram que as atitudes e práticas inadequadas podem provocar atraso no diagnóstico e acarretar deficiência no tratamento a ser realizado e reforça a necessidade de intervenções educativas para a população. Os resultados ainda apontaram que as entrevistadas têm consciência do conhecimento inadequado e de informações insuficientes sobre a doença, sugerindo que ações em saúde sejam realizadas, não apenas pelos profissionais de saúde, mas por outros meios de comunicação, de forma integrada, tendo em vista a diversidade cultural e as desigualdades de acesso a mídias, utilizadas para difundir informações."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT-04: ENFERMAGEM"
    "palavra_chave" => "TUBERCULOSE, EDUCAÇÃO EM SAÚDE, PRISÕES, FAMÍLIAS, FAMÍLIAS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV055_MD1_SA4_ID75_02052016230058.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:05"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:28:10"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ANDERSON DA SILVA REGO"
    "autor_nome_curto" => "ANDERSON DSRE"
    "autor_email" => "anderson0788@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais I CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2016"
    "edicao_logo" => "5e4a005a0a41f_16022020235418.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844e6a6a1a_22072020105342.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-06-15 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 19155
    "edicao_id" => 43
    "trabalho_id" => 337
    "inscrito_id" => 75
    "titulo" => "ESTIGMAS, INFORMAÇÕES, ATITUDES E PRÁTICAS DE COMPANHEIRAS DE PRESIDIÁRIOS SOBRE A TUBERCULOSE"
    "resumo" => "A tuberculose é considerada um problema de saúde pública por fatores de origem social e econômica e que a probabilidade de contágio da doença no ambiente prisional é maior, onde familiares de presidiários tornam-se vulneráveis pela permanência nestes ambientes.  Objetivo: avaliar o estigma, informações, atitudes e práticas de companheiras de presidiários sobre a tuberculose e avaliar a associação entre a informação e as atitudes e práticas dessa população. Método: Estudo Transversal - descritivo, envolvendo 77 companheiras de presidiários. A coleta de dados foi realizada em junho e julho de 2015, em uma Delegacia de Polícia Civil. O instrumento utilizado na coleta de dados foi um questionário fechado, distribuídos em quatro eixos temáticos, constituído de 34 questões, que abordam a situação sócio demográfica, práticas e atitudes e a consciência e informação sobre a tuberculose. Os dados foram tabulados duplamente no programa Microsoft Office Excel 2013, seguido de correções evitando a inconsistência dos dados. O processamento e análise deu-se por meio do programa SPSS, onde se realizaram as análises estatísticas descritivas, considerando associação significativa p ≤ 0,05.  Resultados: As mulheres relataram que, em caso de contágio e sintomas de tuberculose, falaria principalmente aos filhos (98,7%), pais (84,1%) e ao companheiro (70,8%) e que procurariam primeiramente farmácias (90,8%). Entre as entrevistadas, 75,3% alegaram que o companheiro estava preso a menos de 12 meses e 81,8% sabiam da incidência de casos de tuberculose durante esse período.  Relataram que não receberam orientação sobre a necessidade de prevenção (72,7%) e 83,1% afirmaram que não receberam material de prevenção na penitenciária. As atitudes (54,4%) e práticas (72,7%) foram avaliadas como inadequadas e 54,5% alegaram que não estavam bem informadas sobre a doença e que gostariam de receber mais informações, principalmente através de profissionais de saúde (63,2%), jornais e revistas (55,3%), internet (36,8%) e folhetos, cartazes e quadros de aviso (27,6%).. Houve associação significativa entre as atitudes (p = 0,034) e as práticas inadequadas (p = 0,028) com a falta de informações sobre a tuberculose. Conclusão: Os resultados apontaram que as atitudes e práticas inadequadas podem provocar atraso no diagnóstico e acarretar deficiência no tratamento a ser realizado e reforça a necessidade de intervenções educativas para a população. Os resultados ainda apontaram que as entrevistadas têm consciência do conhecimento inadequado e de informações insuficientes sobre a doença, sugerindo que ações em saúde sejam realizadas, não apenas pelos profissionais de saúde, mas por outros meios de comunicação, de forma integrada, tendo em vista a diversidade cultural e as desigualdades de acesso a mídias, utilizadas para difundir informações."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT-04: ENFERMAGEM"
    "palavra_chave" => "TUBERCULOSE, EDUCAÇÃO EM SAÚDE, PRISÕES, FAMÍLIAS, FAMÍLIAS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV055_MD1_SA4_ID75_02052016230058.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:05"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:28:10"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ANDERSON DA SILVA REGO"
    "autor_nome_curto" => "ANDERSON DSRE"
    "autor_email" => "anderson0788@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais I CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2016"
    "edicao_logo" => "5e4a005a0a41f_16022020235418.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1844e6a6a1a_22072020105342.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-06-15 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 15 de junho de 2016

Resumo

A tuberculose é considerada um problema de saúde pública por fatores de origem social e econômica e que a probabilidade de contágio da doença no ambiente prisional é maior, onde familiares de presidiários tornam-se vulneráveis pela permanência nestes ambientes. Objetivo: avaliar o estigma, informações, atitudes e práticas de companheiras de presidiários sobre a tuberculose e avaliar a associação entre a informação e as atitudes e práticas dessa população. Método: Estudo Transversal - descritivo, envolvendo 77 companheiras de presidiários. A coleta de dados foi realizada em junho e julho de 2015, em uma Delegacia de Polícia Civil. O instrumento utilizado na coleta de dados foi um questionário fechado, distribuídos em quatro eixos temáticos, constituído de 34 questões, que abordam a situação sócio demográfica, práticas e atitudes e a consciência e informação sobre a tuberculose. Os dados foram tabulados duplamente no programa Microsoft Office Excel 2013, seguido de correções evitando a inconsistência dos dados. O processamento e análise deu-se por meio do programa SPSS, onde se realizaram as análises estatísticas descritivas, considerando associação significativa p ≤ 0,05. Resultados: As mulheres relataram que, em caso de contágio e sintomas de tuberculose, falaria principalmente aos filhos (98,7%), pais (84,1%) e ao companheiro (70,8%) e que procurariam primeiramente farmácias (90,8%). Entre as entrevistadas, 75,3% alegaram que o companheiro estava preso a menos de 12 meses e 81,8% sabiam da incidência de casos de tuberculose durante esse período. Relataram que não receberam orientação sobre a necessidade de prevenção (72,7%) e 83,1% afirmaram que não receberam material de prevenção na penitenciária. As atitudes (54,4%) e práticas (72,7%) foram avaliadas como inadequadas e 54,5% alegaram que não estavam bem informadas sobre a doença e que gostariam de receber mais informações, principalmente através de profissionais de saúde (63,2%), jornais e revistas (55,3%), internet (36,8%) e folhetos, cartazes e quadros de aviso (27,6%).. Houve associação significativa entre as atitudes (p = 0,034) e as práticas inadequadas (p = 0,028) com a falta de informações sobre a tuberculose. Conclusão: Os resultados apontaram que as atitudes e práticas inadequadas podem provocar atraso no diagnóstico e acarretar deficiência no tratamento a ser realizado e reforça a necessidade de intervenções educativas para a população. Os resultados ainda apontaram que as entrevistadas têm consciência do conhecimento inadequado e de informações insuficientes sobre a doença, sugerindo que ações em saúde sejam realizadas, não apenas pelos profissionais de saúde, mas por outros meios de comunicação, de forma integrada, tendo em vista a diversidade cultural e as desigualdades de acesso a mídias, utilizadas para difundir informações.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.