Artigo Anais XII CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

Visualizações: 273
SEXUALIDADES ENCARCERADAS: NARRATIVAS DE MULHERES PRESAS SOBRE SUAS TRAJETÓRIAS AFETIVAS E SEXUAIS

Palavra-chaves: SEXUALIDADE, GÊNERO, MULHERES Comunicação Oral (CO) Direitos Humanos, Feminismo e Políticas Públicas de Gênero Publicado em 08 de junho de 2016

Resumo

O presente trabalho teve por intento discutir os modos de expressão da sexualidade de mulheres em situação de cárcere em uma cadeia pública do interior pernambucano, inserindo-se, portanto, nas discussões de gênero e sexualidade humana. Tomando por marco teórico-filosófico, os estudos Construcionistas da Sexualidade, buscou-se localizar e compreender suas experiências afetivas e sexuais a partir dos marcadores sociais que constituem suas trajetórias de vida. Os dados foram coletados através de entrevistas biográficas realizadas com quatro (04) mulheres que têm a vivência em cárcere como uma experiência de sua vida atual e para análise deste material recorreu-se à Análise de Discurso de linha Francesa. Os resultados demonstram que, embora imersas em conjunturas sócio-institucionais reguladoras, o exercício da sexualidade se constitui como meio importante de enfrentamento das dificuldades oriundas da experiência de aprisionamento, dificuldades essas que se materializam em meio ao controle dos corpos face às conexões de poder que permeiam o cenário prisional. Portanto, estudos como esse podem se configurar como elemento importante para compreensão dos mecanismos que regulam as sexualidades femininas e das estratégias que são utilizadas por elas face às tecnologias de controle dos seus corpos, desejos e prazeres. Também é possível dizer que esse tipo de pesquisa pode cumprir a função de acender o debate em torno da afirmação dos direitos sexuais para públicos em situação de vulnerabilidade social, como no caso das mulheres que protagonizaram essa pesquisa, que tem no cárcere, a inscrição de marcas de desigualdades que operaram para os diferentes arranjos que suas vidas tomaram.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.