Artigo Anais IV CEDUCE

ANAIS de Evento

ISSN: 2447-035X

VIOLÊNCIA NA ESCOLA E A VULNERABILIDADE JUVENIL: ALGUNS APONTAMENTOS

Palavra-chaves: VULNERABILIDADE JUVENIL, EFEITO VIZINHANÇA, VIOLÊNCIA NA ESCOLA Comunicação Oral (CO) / Oral Papers Submission Instituições, processos educativos e políticas públicas Publicado em 29 de junho de 2015

Resumo

O trabalho tem por objetivo investigar a violência na escola, como um fenômeno produzido pela vulnerabilidade social, a partir de lógicas específicas do avanço do capitalismo. O empobrecimento urbano, a marginalidade avançada e a vulnerabilidade juvenil são as categorias que utilizamos para aprofundar o nosso debate. Especificamente discutiremos o conceito de violência como fruto da desigualdade social, a vulnerabilidade como hiato estatal e a produção da violência na escola advinda do efeito vizinhança. Esta pesquisa foi desenvolvida para uma agencia estatal de fomento, possuindo dados quantitativos, qualitativos e outras informações relevantes para a discussão de políticas públicas para a juventude, porém neste trabalho vamos realizar o recorte metodológico a partir da matriz teórica que é: pensar a relação vulnerabilidade juvenil e a violência na escola. Para tal fim nos basearemos em Castel (2009), Bauman (1925), Neves e Silva (2005), Abromovay e Castro Pinheiro (2003), Ribeiro (2003), Soares (2001) e Siqueira (2001). Os nossos resultados apontam para a violência na escola como produto do acirramento do capitalismo, que produz impactos na ordem socioespacial, transformações estas que não são apenas físicas, mas sociais, uma modernização estrutural que é seguida da intensificação da miséria relações humanas. Tendo como consequência deste avanço global desarticulado, a vulnerabilidade juvenil, produzida pelos efeitos da desigualdade social e da negação aos acessos dos insumos estatais, do mercado e da sociedade civil. Desta forma o efeito vizinhança atinge aos processos de escolarização, tendo a materialidade da violência escolar.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.