Artigo Anais IV CEDUCE

ANAIS de Evento

ISSN: 2447-035X

Visualizações: 230
ENTRE POEMA E CANÇÃO: OFICINA DE LEITURA PARA MULHERES EM PRIVAÇÃO DE LIBERDADE.

Palavra-chaves: POESIA, CANÇÃO, OFICINA DE LEITURA, MULHERES EM PRIVAÇÃO DE LIBERDADE Comunicação Oral (CO) / Oral Papers Submission Diversidade e Diferença Publicado em 29 de junho de 2015

Resumo

O termo educação, a partir de uma concepção freiriana, permite pensar o ato de educar como uma atividade para além das desenvolvidas dentro do contexto da sala de aula tradicional. Tal concepção nos ajuda a pensar a educação enquanto ação que contribui com a formação do sujeito, e não apenas com a transmissão de informações acerca de conteúdo: a prática educativa passa a ser vista como ato que se concretiza em diversos espaços políticos, favorecendo a inclusão de sujeitos na sociedade. Aliada a essa ampliação do conceito de educação encontra-se uma visão interacionista que traz questionamentos sobre o ensino como um todo. Nesse sentido, o ensino de literatura pretende ser uma ferramenta de aproximação entre texto e leitor. Nessa perspectiva, encontramos as contribuições de Jauss (1994), para quem o texto, a fim de que faça sentido ao leitor, deve atender ao horizonte de expectativa deste. Assim, o presente artigo propõe uma experiência com o texto poético no ambiente do cárcere, tendo como objetivo contribuir com a formação leitora de mulheres em situação de exclusão social, por estarem, dentre outros motivos, privadas de liberdade. Pensando na aproximação entre texto/leitor, selecionamos os seguintes textos de autoria feminina: a canção "Vá com Deus", de Roberta Miranda e dois poemas - "Quantas coisas do amor", de Paula Tavares, e "Canção do Amor-Perfeito", de Cecília Meireles -, os quais têm como tema em comum, a separação amorosa. Para a realização das oficinas de leitura literária, nos baseamos nas considerações de Cosson (2014), Girotto e Souza (2010).

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.