Artigo Anais IV CEDUCE

ANAIS de Evento

ISSN: 2447-035X

ATITUDES "INOCENTES" QUE REFORÇAM ESTERIÓTIPOS DE GÊNEROS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Palavra-chaves: EDUCAÇÃO INFANTIL, GÊNERO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES Pôster (PO) / Poster Submission Educação e Infância
"2015-06-29 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 11041
    "edicao_id" => 33
    "trabalho_id" => 700
    "inscrito_id" => 1660
    "titulo" => "ATITUDES "INOCENTES" QUE REFORÇAM ESTERIÓTIPOS DE GÊNEROS NA EDUCAÇÃO INFANTIL"
    "resumo" => "Esta pesquisa se constrói a partir do meu questionamento sobre as práticas “inocentes” de educadores que acabam por reforçar os estereótipos e atitudes discriminatórias na educação infantil. Tendo como as referências estudos já produzidos na área, meu trabalho busca investigar, através de narrativas vividassentidasouvidas, situações de ensinoaprendizagem que evidenciam atitudes de segregação através do uso estereotipado de signos referentes a gênero. O ponto de partida do estudo foi um fato acontecido na turma de maternal 1 que dividia com outra colega na creche em que trabalhamos (2014) e uma reunião de equipe em que o fato foi relatado. É importante dizer que essa fase é de excepcional importância para o desenvolvimento de valores. O fato: por época da Páscoa, a colega pôs-se a trabalhar máscaras de coelhos para as crianças, usando, no entanto, as cores rosa e azul para meninos e meninas respectivamente. Tal uso, além de reforçar um dos estereótipos tão presentes em nossa cultura, desafia o fato de não existirem coelhos com essas cores. Levantei o questionamento, na reunião de equipe que aconteceu com o grupo da minha turma e as duas diretoras, do risco de separar desta forma e as sérias atitudes discriminatórias que estão inseridas na nossa sociedade. A resposta foi que eu estava sendo radical e que a atitude da colega era “inocente”. Mas insisti no debate, na medida em que essas atitudes, mesmo não sendo intencionais, marcam nossas crianças fortemente, reforçando atitudes discriminatórias presentes em nossos contextos sociais, que, muitas vezes, fazem parte da educação familiar que nossas crianças recebem. Essa foi uma primeira história de muitas que tem caracterizado nosso cotidiano escolar."
    "modalidade" => "Pôster (PO) / Poster Submission"
    "area_tematica" => "Educação e Infância"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO INFANTIL, GÊNERO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV047_MD4_SA5_ID1660_08062015215237.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:57"
    "updated_at" => "2020-06-10 21:01:32"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARCELA DA FONSECA LEMOS"
    "autor_nome_curto" => "MARCELA LEMOS"
    "autor_email" => "celalora_rj@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-ceduce"
    "edicao_nome" => "Anais IV CEDUCE"
    "edicao_evento" => "IV Colóquio Internacional Educação, Cidadania e Exclusão"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/ceduce/2015"
    "edicao_logo" => "5e4d8323ac662_19022020154907.jpg"
    "edicao_capa" => "5f17355954223_21072020153505.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-06-29 00:00:00"
    "publicacao_id" => 25
    "publicacao_nome" => "Revista CEDUCE"
    "publicacao_codigo" => "2447-035X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 11041
    "edicao_id" => 33
    "trabalho_id" => 700
    "inscrito_id" => 1660
    "titulo" => "ATITUDES "INOCENTES" QUE REFORÇAM ESTERIÓTIPOS DE GÊNEROS NA EDUCAÇÃO INFANTIL"
    "resumo" => "Esta pesquisa se constrói a partir do meu questionamento sobre as práticas “inocentes” de educadores que acabam por reforçar os estereótipos e atitudes discriminatórias na educação infantil. Tendo como as referências estudos já produzidos na área, meu trabalho busca investigar, através de narrativas vividassentidasouvidas, situações de ensinoaprendizagem que evidenciam atitudes de segregação através do uso estereotipado de signos referentes a gênero. O ponto de partida do estudo foi um fato acontecido na turma de maternal 1 que dividia com outra colega na creche em que trabalhamos (2014) e uma reunião de equipe em que o fato foi relatado. É importante dizer que essa fase é de excepcional importância para o desenvolvimento de valores. O fato: por época da Páscoa, a colega pôs-se a trabalhar máscaras de coelhos para as crianças, usando, no entanto, as cores rosa e azul para meninos e meninas respectivamente. Tal uso, além de reforçar um dos estereótipos tão presentes em nossa cultura, desafia o fato de não existirem coelhos com essas cores. Levantei o questionamento, na reunião de equipe que aconteceu com o grupo da minha turma e as duas diretoras, do risco de separar desta forma e as sérias atitudes discriminatórias que estão inseridas na nossa sociedade. A resposta foi que eu estava sendo radical e que a atitude da colega era “inocente”. Mas insisti no debate, na medida em que essas atitudes, mesmo não sendo intencionais, marcam nossas crianças fortemente, reforçando atitudes discriminatórias presentes em nossos contextos sociais, que, muitas vezes, fazem parte da educação familiar que nossas crianças recebem. Essa foi uma primeira história de muitas que tem caracterizado nosso cotidiano escolar."
    "modalidade" => "Pôster (PO) / Poster Submission"
    "area_tematica" => "Educação e Infância"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO INFANTIL, GÊNERO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV047_MD4_SA5_ID1660_08062015215237.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:57"
    "updated_at" => "2020-06-10 21:01:32"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARCELA DA FONSECA LEMOS"
    "autor_nome_curto" => "MARCELA LEMOS"
    "autor_email" => "celalora_rj@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-ceduce"
    "edicao_nome" => "Anais IV CEDUCE"
    "edicao_evento" => "IV Colóquio Internacional Educação, Cidadania e Exclusão"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/ceduce/2015"
    "edicao_logo" => "5e4d8323ac662_19022020154907.jpg"
    "edicao_capa" => "5f17355954223_21072020153505.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-06-29 00:00:00"
    "publicacao_id" => 25
    "publicacao_nome" => "Revista CEDUCE"
    "publicacao_codigo" => "2447-035X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 29 de junho de 2015

Resumo

Esta pesquisa se constrói a partir do meu questionamento sobre as práticas “inocentes” de educadores que acabam por reforçar os estereótipos e atitudes discriminatórias na educação infantil. Tendo como as referências estudos já produzidos na área, meu trabalho busca investigar, através de narrativas vividassentidasouvidas, situações de ensinoaprendizagem que evidenciam atitudes de segregação através do uso estereotipado de signos referentes a gênero. O ponto de partida do estudo foi um fato acontecido na turma de maternal 1 que dividia com outra colega na creche em que trabalhamos (2014) e uma reunião de equipe em que o fato foi relatado. É importante dizer que essa fase é de excepcional importância para o desenvolvimento de valores. O fato: por época da Páscoa, a colega pôs-se a trabalhar máscaras de coelhos para as crianças, usando, no entanto, as cores rosa e azul para meninos e meninas respectivamente. Tal uso, além de reforçar um dos estereótipos tão presentes em nossa cultura, desafia o fato de não existirem coelhos com essas cores. Levantei o questionamento, na reunião de equipe que aconteceu com o grupo da minha turma e as duas diretoras, do risco de separar desta forma e as sérias atitudes discriminatórias que estão inseridas na nossa sociedade. A resposta foi que eu estava sendo radical e que a atitude da colega era “inocente”. Mas insisti no debate, na medida em que essas atitudes, mesmo não sendo intencionais, marcam nossas crianças fortemente, reforçando atitudes discriminatórias presentes em nossos contextos sociais, que, muitas vezes, fazem parte da educação familiar que nossas crianças recebem. Essa foi uma primeira história de muitas que tem caracterizado nosso cotidiano escolar.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.