Artigo Anais IV CEDUCE

ANAIS de Evento

ISSN: 2447-035X

A FILOSOFIA DA LINGUAGEM DE WITTGENSTEIN E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

Palavra-chaves: LINGUAGEM OSTENSIVA, JOGOS DE LINGUAGEM, USO Comunicação Oral (CO) / Oral Papers Submission Linguagem, Alfabetização e Letramento Publicado em 29 de junho de 2015

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo apresentar e demonstrar o problema da linguagem e seu ensino, tal como se apresenta na segunda fase da filosofia da linguagem de Ludwig Wittgenstein (Investigações filosóficas- 1945) para o estudo e o desenvolvimento da linguagem na educação infantil. Trata-se não tão somente de expor um pensamento, mas sobretudo, fazer uma reflexão sobre ensino de linguagem na educação infantil. O foco principal é a crítica feita à semântica tradicional da linguagem ostensiva (visão agostiniana) e a descritiva, o pensador alemão, adota os jogos de linguagem como adequada maneira que os indivíduos apreendem sua linguagem. Para Wittgenstein o processo: nome sempre ligado a um referencial ou que toda palavra sempre nomeia algo, designa um objeto, não descreve a essência da linguagem e sua função. Porque isso é um ensino ostensivo de palavras, que é importante, mas não suficiente, pois segundo o filósofo, as crianças aprendem a linguagem materna através dos jogos de linguagem. A criança aprende a linguagem porque participa de um jogo, ou seja participamos do jogo de palavras, das regras práticas de uso, que são construídas nos seus contextos específicos. Tal crítica e posição verbera inevitavelmente na concepção de linguagem e de como é ensinada e abordada na educação infantil.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.