Resumo Trabalho

PERFIL DO USO DE METABÓLITOS SECUNDÁRIOS DE PLANTAS NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CRÔNICAS: UMA MINI-REVISÃO

Autor(es): ANA PATRÍCIA MAGALHÃES RAMOS e orientado por EDSON HOLANDA TEIXEIRA

A cicatrização de feridas é considerada uma das complicações mais graves associadas ao diabetes, pois aumenta significativamente a susceptibilidade dos pacientes à infecção. Por isso, a busca por alternativas terapêuticas de origem natural, como extratos de plantas e metabólitos bioativos para promover a cicatrização da pele e para reduzir a possibilidade de consequências graves resultante de infecções por micro-organismos patogênicos sobre o uso de metabólitos secundários na cicatrização in vitro e in vivo, e indicar quais os produtos são extensivamente estudados, com o objetivo final de traçar um perfil de publicações científicas nesta área. Os artigos foram localizados usando as bases de dados PubMed e Science Direct, pesquisando artigos em inglês, no período de junho de 2012 a agosto de 2017, e utilizando como palavras-chave "Wound healing and Natural products” e “Wound Healing and Tripertenes”, que após análise de títulos e resumos, foram selecionados 104 artigos, que foram contabilizados de acordo com o biênio de publicação e distribuição dos metabólitos secundários encontrados. Observou-se um maior número de publicações relacionadas a flavonóides durante os três biênios (2012-2013; 2014-2015; 2016-2017), em contra partida a diterpenos, polifenóis e sesquiterpenos que obtiveram o menor número de publicações durante os biênios. Alcalóides e triterpenos apresentaram maior número de publicações no último biênio. Na análise de distruibuição das espécies de triterpenos encontra-se uma homogeneidade (3,57%) em relação ao número de estudos por espécie, entre os quais, apenas Combretum leprosum Mart. mostrou número superior, com (7,14%) de publicações em relação às espécies de triterpenos. Após análise dos estudos, pode-se concluir que os produtos naturais são capazes de estimular a angiogênese, a deposição de matriz extracelular (ECM) e combater a infecção por micro-organismos, acelerando o processo de cicatrização.

Veja o artigo completo: PDF