Resumo Trabalho

AVES CRIADAS NO SISTEMA SEMI-INTENSIVO AFETADOS POR TOXINAS FÚNGICAS, PROVENIENTE DE RAÇÃO CONTAMINADA. RELATO DE CASO.

Autor(es): CARLOS TADEU BANDEIRA DE LAVOR e orientado por CARLOS TADEU BANDEIRA DE LAVOR

O impacto econômico que as micotoxinas causam na avicultura não se deve tanto à mortalidade, mas principalmente à redução da produtividade. O caso ocorreu em uma unidade piloto de criação caipira de aves. Aos 36 dias de idade houve consumo de ração contendo “bolores”. No final do dia várias aves apresentaram apatia e morreram 3 delas. No final do segundo dia, morreram mais 16 aves. No terceiro dia, mais 3 aves vieram a óbito e no último dia de apresentação dos sinais clínicos mais 1 ave do lote morreu acumulando 23% do lote, eliminado em 48 horas. Resolveu-se não descartar os sobreviventes, para se analisar os resultados zootécnicos. Daí em diante até os 90 dias de idade não houve mais mortalidade. Aos 91 dias as aves foram todas abatidas e as carcaças se apresentaram com pesos muito abaixo da média padrão. Como esse caso ocorreu com aves em sistema semi-intensivo, onde o bem estar predominou em função da liberdade das aves no piquete com arborização, pasto verde, água ad libitum, pode-se supor que a concentração de toxinas presentes na ração foi muito alta devido a alta mortalidade e a queda acentuada do rendimento zootécnico. Houve uma desuniformidade acentuada entre as aves, onde os pesos são mostrados através de distribuição de frequência, com intervalo de variação de 100 g. Os índices zootécnicos do peso vivo e peso de carcaça apresentaram amplitude total de 509,10 g e 330,91 g respectivamente, enquanto a amplitude total média do peso vivo e peso de carcaça dos outros seis lotes ficou em 93,34 g e 70,00 g. Após a ingestão de toxinas de fungos não há o que fazer para impedir o efeito deletério no índice de mortalidade e na performance do lote avícola sobrevivente.

Veja o artigo completo: PDF