Resumo Trabalho

ANÁLISE DAS ESPÉCIES NA PLATAFORMA PHYTOZOME, NA IDENTIFICAÇÃO DO GENE DA ÁCIDO D- GALACTURÔNICO REDUTASE PARTICIPANTE DA VIA AUXILIAR DA BIOSSÍNTESE DA VITAMINA C

Autor(es): FRANCISCO ROBSON FIGUEIREDO DA COSTA e orientado por LUÍS FLÁVIO MENDES SARAIVA

O Ácido L-ascórbico ou vitamina C é um dos mais abundantes metabólitos, possuindo um importante papel na fisiologia das plantas em relação aos diferentes tipos de estresses, bem como, também está envolvido no crescimento e desenvolvimento desses organismos. Ele é um poderoso antioxidante, responsável principalmente pela diminuição dos níveis de radicais livres produzidos, tanto em situações normais como em momentos de injúrias. Sua ação antioxidante pode ser caracterizada como um mecanismo direto ou indireto. Essa vitamina também possui um forte envolvimento no estabelecimento de respostas a diferentes estresses ambientais como seca alta salinidade, ozônio, radiação ultravioleta, altas temperaturas e elevadas intensidades luminosas. Como algumas espécies de animais perderam a capacidade de síntese do ácido L-ascórbico, eles necessitam consumir em sua dieta fontes de vitamina C, tornando-se dependentes de organismos primários, produtores, como as plantas. A parede celular das células vegetais também pode ser um ponto de partida para a síntese do ácido ascórbico sendo que alguns dos diferentes polímeros que a compõem são precursores de compostos encontrados participando do processo biossintético. Particularmente um desses compostos, o ácido D-galacturônico, pode ser utilizado para desencadear uma via que culmina com a produção do ascorbato. A sequência primária da Acido D- galacturônico redutase de Bathycoccus prasinos foi obtida do National Center for Biotechnology Information (NCBI) e submetida na plataforma Phytozome. Logo após a submissão na caixa de sequências em todas as espécies da plataforma Phytozome, foi escolhida a sequência alvo e o tipo de busca TBLASTN, a página levou as informações a uma página secundária com a descrição dos frames demonstrativos dos genes. Após cada abordagem foram definidas quais espécies possuíam as sequencias gênicas da enzima Ácido D- galacturônico redutase. Dentre as 64 espécies de plantas encontradas no Phytozome entre vários filos, apenas um filo possui o gene referente a enzima Ácido D- galacturonato redutase que auxilia na síntese do L- ascórbico que sintetiza a vitamina C. Das 7 espécies do filo Chlorophyta encontradas no Phytozome, apenas a Chlamydomonas reinhardtii possui o gene referente a enzima. Levando a hipótese que esta planta tenha uma relação próxima com o Bathycoccus prasinos. Sendo o Bathycoccus prasinos e a Chlamydomonas reinhardtii tão diferentes morfologicamente ainda conseguimos encontrar em seu material genético semelhanças que mostram uma relação ancestral e de sínteses similares para a produção do L- ascórbico que resultará na biossíntese da vitamina C. A presença de um gene referente a enzima Ácido D- galacturonato redutase não implica na conclusão que a via do Ácido D- galacturonato esteja presente e ativa, ou seja, que haja expressão gênica e proteica. Entretanto, por ser uma enzima crucial nessa via existe uma possibilidade que se tenha realmente a presença dessa via ativa nas espécies que demonstraram a presença dos genes. Tal evidencia fortalece a ideia de uma complementaridade de vias, já que a degradação das paredes celulares no amadurecimento de frutos pode elevar os teores de vitamina C.

Veja o artigo completo: PDF