Resumo Trabalho

ANÁLISE DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UNIDADE DE CENTRO CIRÚRGICO: PERSPECTIVA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

Autor(es): NATHÁLIA LUCHO ZIMMER e orientado por ROBERTA MENESES OLIVEIRA

Objetivou-se analisar o clima organizacional dos trabalhadores de enfermagem em um Centro Cirúrgico. Estudo descritivo, transversal e quantitativo, realizado com 32 trabalhadores de enfermagem de um centro cirúrgico de um hospital público terciário no período de outubro e novembro de 2016. Como instrumentos de coleta dos dados, utilizou-se um questionário sócio demográfico e profissional e a Escala de Clima Organizacional para Profissionais de Saúde (likert 1-5) composta por 9 dimensões e 70 itens. Foram consideradas positivas dimensões com média superior a 4,0 e negativas se inferior a 2,9. Apenas para a dimensão saúde no trabalho aplicou-se o inverso devido ao caráter negativo dos seus itens. O comitê de ética em pesquisa da instituição aprovou a pesquisa sob o protocolo CAAE: 52900016.5.0000.5040. Como resultados, as dimensões remuneração e estratégia foram as piores avaliadas, com média 2,1±1,2 e 2,6±0,9, respectivamente, contribuindo negativamente para o clima organizacional. A primeira trata de salários, a segunda do conhecimento e da participação no planejamento estratégico do serviço. A dimensão saúde no trabalho revelou-se boa, com média 2,6±1,2 (dimensão inversa). As demais dimensões: liderança (3,7±0,9), desenvolvimento profissional (3,5±1,0), relacionamento e espírito de equipe (3,8±0,8), relação com a comunidade (3,3±0,9), segurança no trabalho (3,7±1,0) e relação com o trabalho (3,6±0,7) apresentaram-se como regular para o clima organizacional. Conclui-se que os trabalhadores de enfermagem entrevistados avaliaram o clima organizacional como regular a positivo em sua unidade. No entanto, apresentam críticas e encontram-se insatisfeitos quanto aos fatores “remuneração” e “estratégia”, os piores avaliados. Portanto, estas são as dimensões mais críticas para o clima organizacional da equipe de enfermagem em centro cirúrgico, o que exige uma maior atenção por parte da gestão desses serviços para incentivar uma maior participação do trabalhador no planejamento e na organização do centro cirúrgico, visando maior motivação, satisfação e desenvolvimento pessoal.

Veja o artigo completo: PDF