Resumo Trabalho

AULA PRÁTICA E JOGO DIDÁTICO ALIADO AO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO NO ENSINO FUNDAMENTAL II

Autor(es): FRANCISCO THALIS FERREIRA MARTINS e orientado por DEBORAH XIMENES TORRES HOLANDA

No contexto da educação atual o professor necessita adotar metodologias eficientes para criar uma verdadeira atmosfera de conhecimento versus aprendizagem. No ensino de ciências, por exemplo, o uso de nomes científicos ou a complexidade abstrata da disciplina dificulta o entendimento de grande parte dos alunos. Visando diminuir essas dificuldades, é imprescindível uma tomada de decisão pelo professor a fim de renovar suas metodologias de ensino de ciências. A aula prática surge como uma ferramenta para superar essas dificuldades. Sendo esta utilizada de forma correta, respeitando os limites dos alunos, pode agregar pontos positivos no processo final do ensino, a aprendizagem. Outra metodologia que vem ganhando espaço nas práticas pedagógicas é o uso do jogo didático. Por meio deste, os alunos são estimulados a aprender com mais dinamismo, onde há o desenvolvimento de competência e acentuação da relação professor-aluno. Objetivou-se então, identificar se as metodologias alternativas são capazes de facilitar o ensino-aprendizagem de ciências com alunos de 7º ano de uma escola da rede pública de ensino de Crateús-CE. Como método de coleta de dados, foi aplicado um questionário semiestruturado. A prática laboratorial consistia na observação através do microscópio das células vegetais da cebola e células animais da mucosa da boca. Quando todos haviam visto as células, foi aplicada uma atividade com o objetivo de diferenciar as estruturas encontradas em cada organela visualizada. Já no final da atividade, foi aplicado um jogo didático conhecido como o jogo das “três pistas’’ para revisão e fixação dos conceitos abordados. Nas duas atividades propostas para a ação, o jogo didático e a prática permitiram os alunos vivenciarem as vantagens que essas metodologias oferecem. O entusiasmo e participação dos estudantes evidenciaram o quão prazeroso é trabalhar com alternativas diferenciadas. No questionário, quando perguntados se conheciam um laboratório de biologia, 9 (40%) dos estudantes responderam que sim, enquanto 13 (59%) marcaram a opção não. Já sobre o jogo, apenas 4 (18%) dos alunos sentiram dificuldades durante a aplicação. Diante do exposto, foi notório que as metodologias alternativas podem contribuir positivamente para facilitar o processo de ensino-aprendizagem, uma vez que, geralmente possibilitam a interação dos alunos uns com os outros, ultrapassando as limitações do saber.

Veja o artigo completo: PDF