Resumo Trabalho

AVALIAÇÃO DO CURSO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: PROTOCOLOS BÁSICOS

Autor(es): ANDREZZA DE LIMA VILOTE e orientado por FRANCISCA ELISÂNGELA TEIXEIRA LIMA

Introdução: A temática Segurança do Paciente passou a ser discutida mundialmente devido a gama de eventos adversos que ocorrem durante a assistência em saúde, além de que a portaria nº 529/2013 do Ministério da Saúde fomentou a inclusão deste tema no ensino técnico e de graduação e na pós-graduação na área da saúde. Assim, objetivou-se apresentar a avaliação de um curso de Segurança do Paciente desenvolvido para acadêmicos e profissionais da área da saúde. Metodologia: Estudo descritivo, transversal e quantitativo desenvolvido pelo Grupo de Estudos sobre os Cuidados de Enfermagem em Pediatria (GECEP), pertencente ao Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Ceará (UFC). O curso foi realizado no mês de abril de 2016, no auditório da Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade da UFC. As palestras foram ministradas por oito enfermeiros que fazem parte do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da UFC e por duas enfermeiras do complexo hospitalar da referida instituição. Participaram 157 estudantes e profissionais da área da saúde. O curso teve duração de 12 horas e foi composto por três encontros presenciais: 1º encontro - Abertura e apresentação do conteúdo programático, apresentação do protocolo de Identificação do paciente e do protocolo de higienização das mãos; 2º encontro – Apresentação dos protocolos referentes à Administração de medicamentos e Cirurgias seguras; 3º encontro – Apresentação dos protocolos de Prevenção de úlceras por pressão e Prevenção de quedas. Ao final, realizou-se a aplicação de um questionário para sua avaliação, no qual os participantes poderiam responder as opções ótima, bom ou ruim, relacionadas às seguintes sentenças: Pergunta 1 – A temática abordada atendeu as expectativas dos participantes?; Pergunta 2 – Os recursos audiovisuais utilizados foram satisfatórios quanto à quantidade e à qualidade?; Pergunta 3 – Os palestrantes demonstraram domínio dos conteúdos ministrados?; Pergunta 4 – Empregaram-se técnicas didáticas favoráveis à fixação do conteúdo?; Pergunta 5 – Criou-se clima favorável à participação dos participantes? Finalmente, as informações obtidas foram compiladas e analisadas através do programa Microsoft Excel 2010, por meio de frequências absolutas, porcentagem e soma. Resultados e discussão: Houve uma predominância de resposta ótima na pergunta 1 com 143 (91,1%) respostas, na pergunta 2 foram 112 (71,3%), na pergunta 3 constaram 129 (82,2%) e na pergunta 5 verificaram 128 (81,5%). Na pergunta 4 não se obteve uma satisfação tão relevante como as demais perguntas, pois foram observados 87 (55,4%) respostas ótimas, 65 (41,4%) bom e 5 (3,2%) respostas ruins. Conclusões: Acredita-se que esse estudo atendeu as expectativas de acadêmicos e profissionais da área da saúde, visto que predominaram como resposta ótima as cinco perguntas da avaliação. Isso pode ter contribuído para o aprimoramento e para a qualificação da assistência em saúde sobre os protocolos do tema abordado, podendo ser auxiliando na resolução de falhas no desempenho das instituições de saúde e na construção de indicadores de mudanças coerentes com uma prática de qualidade de ensino aprendizagem que atenda às expectativas do mercado de trabalho ao alcance da qualidade.

Veja o artigo completo: PDF