Resumo Trabalho

INDISSOCIABILIDADE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA FORMAÇÃO INTEGRAL DO BACHAREL EM ENFERMAGEM.

Autor(es): DÁRIA CATARINA SILVA SANTOS e orientado por VALQUIRIA FARIAS BEZERRA BARBOSA

INTRODUÇÃO: A extensão universitária relaciona- se ao princípio da indissociabilidade entre o ensino, pesquisa e extensão. Desta forma, a extensão é fundamentada em princípios metodológicos, filosóficos e políticos, fortalecendo a formação acadêmica. OBJETIVO: Relatar a experiência de como a extensão no âmbito de práticas educativas em saúde mental originou plano de pesquisa, integrado aos módulos do curso que abordam a atuação do Enfermeiro na Atenção Primária em Saúde. METODOLOGIA: Trata-se de um relato de experiência no âmbito do projeto de extensão “Interfaces Educação, Saúde e Cidadania: Caminhos para Inclusão Social dos usuários de um CAPS”, com a característica de expor como a extensão originou um plano de pesquisa. O projeto foi realizado por discentes e docentes do IFPE, Campus Pesqueira, tendo como público alvo estudantes do ensino médio da Escola de Referência em Ensino Médio Margarida de Lima Falcão, localizada no município de Pesqueira- PE. Foram desenvolvidas intervenções educativas sobre estigmas dirigidos aos portadores de transtorno mental, no período de setembro de 2016 a junho de 2017. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Realizou- se 22 encontros retratando a história da saúde mental com enfoque na inclusão social, nas características dos modelos asilar e psicossocial, na superação do estigma e construção de uma ação de intervenção educativa realizada em conjunto com os estudantes para exposição a comunidade escolar. No diagnostico situacional, 64,7% (30) das respostas dos estudantes em uma das turmas trabalhadas sobre o local de tratamento das pessoas em sofrimento psíquico foram baseadas nos ideais do modelo de assistência em saúde mental manicomial/asilar. Ao fim das intervenções apenas 8,82% (3) continuaram optando por esta forma de assistência em saúde mental, comprovando a redução dos estigmas no grupo de estudantes que participaram das intervenções educativas. Diante do exposto, a participação no programa de incentivo acadêmico (BIA-FACEPE), favoreceu a partir das revisões de literatura realizadas para o desenvolvimento dos objetivos propostos, reflexões sobre acolhimento, autonomia, inclusão social e a superação dos estereótipos para com os sujeitos em sofrimento psíquico, o despertar do interesse para a participação em programa de iniciação científica. Foi então desenvolvido plano de trabalho intitulado “Práticas de Cuidado à saúde mental desenvolvidas por familiares dos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial”, submetido e aprovado na seleção do Programa de Iniciação Cientifica e Tecnológica (PIBIC), realizado pela Pró-Reitoria de Pesquisa Graduação e Inovação do IFPE e apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). CONCLUSÃO: As práticas educativas realizadas contribuíram significativamente para a diminuição dos estigmas no grupo de estudantes participantes, constatado através do interesse pela temática e diálogo estabelecidos. É neste sentido que o ensino, pesquisa e extensão atuam para a formação integral do Bacharel em Enfermagem, como geradores de saber e fazer em saúde com a superação da bifurcação entre teoria e prática. A efetivação deste tripé acadêmico contribui para o enfrentamento dos problemas sociais, assim como, contribui na formação de maneira indissociável devendo estar integrados aos módulos do curso que abordam a atuação do Enfermeiro na Atenção Primária em Saúde.

Veja o artigo completo: PDF