Resumo Trabalho

CALIBRAÇÃO DO SENSOR YL - 69 PARA FINS DE MONITORAMENTO DA UMIDADE DE COMPOSTEIRAS

Autor(es): RAIANE SILVA DA CRUZ, ANA LUÍSA SANTOS DE CARVALHO, LEONILTON CAGY SILVA, RAFAEL MAGALHAES PEREIRA e orientado por FABRÍCIO BERTON ZANCHI

DE ACORDO COM A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS), LEI Nº 12.305 DE 2 DE AGOSTO DE 2010, COMPREENDE-SE A DESTINAÇÃO AMBIENTALMENTE ADEQUADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS A REUTILIZAÇÃO, A RECICLAGEM, A COMPOSTAGEM, A RECUPERAÇÃO E O REAPROVEITAMENTO ENERGÉTICO OU OUTRAS DESTINAÇÕES CONSIDERADAS PELOS ÓRGÃOS NACIONAIS COMPETENTES. A COMPOSTAGEM É APONTADA JUNTAMENTE DA DIGESTÃO ANAERÓBICA E DO TRATAMENTO BIOLÓGICO MECÂNICO, COMO OS TRÊS PRINCIPAIS PROCESSOS DE BIOTRATAMENTO QUE SÃO UTILIZADOS ATUALMENTE PARA OS RESÍDUOS ORGÂNICOS. ESTE TRABALHO TEVE POR OBJETIVO REALIZAR A CALIBRAÇÃO DO SENSOR DE UMIDADE (YL-69) DO SOLO PARA UTILIZAÇÃO EM MONITORAMENTO DE COMPOSTEIRAS. O SENSOR DE UMIDADE FOI CALIBRADO DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES FORNECIDAS PELO FABRICANTE, SENDO QUE O TIPO DE SOLO E SUAS CARACTERÍSTICAS DE POROSIDADE E GRAU DE SATURAÇÃO INFLUENCIAM DIRETAMENTE NA CALIBRAÇÃO DO MESMO. O SENSOR YL-69 DEMONSTROU SER UMA FERRAMENTA ÚTIL QUANDO UTILIZADO PARA O MONITORAMENTO DA UMIDADE DO SOLO, CONFORME OS RESULTADOS DA CALIBRAÇÃO REALIZADA PARA O SEU FUNCIONAMENTO, FOI VERIFICADO QUE O SOLO ARGISSOLO VERMELHO – AMARELO (FIGURA 2) POSSUI UM MAIOR COEFICIENTE DE REPRESENTATIVIDADE R²= 0,9393 DO QUE O SOLO ARENOSO R²= 0,8719. OS RESULTADOS EVIDENCIARAM QUE O SENSOR DE UMIDADE YL-69 DEVIDAMENTE CALIBRADO É UMA OPÇÃO DE MERCADO DE BAIXO CUSTO QUE POSSIBILITA O MONITORAMENTO DE COMPOSTEIRAS, SENDO PRECISO E DE FÁCIL MANIPULAÇÃO.

Veja o artigo completo: PDF