Resumo Trabalho

APLICAÇÃO DE BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR COMO ADSORVENTE DE HIDROCARBONETOS EM ÁGUA PRODUZIDA SINTÉTICA

Autor(es): ROSSANA MAYARA LEITE SAMPAIO MAIA e orientado por RODRIGO CÉSAR SANTIAGO

A água produzida em campos maduros de petróleo, gerada ao longo da vida produtiva de um campo, vem se caracterizando como problema acentuado, considerando que é crescente a quantidade de água produzida retirada de um poço, podendo chegar a valores acima de 90% de volume de água em relação ao volume de óleo. Essa água é trazida a superfície junto ao petróleo e denota quantidades de contaminantes tóxicos em elevados valores, desse modo faz-se necessário passar por tratamento com objetivo de atender as exigências ambientais, para então ser descartada ou reutilizada. Diante do exposto, é preciso analisar que impactos estes podem causar. Buscando então, medida mitigadoras afim de reduzir os impactos negativos dos descartes dessa água no meio ambiente. Dentre diversos métodos que tem sido alvo de estudos com intuito de tratar essa água contaminada, a adsorção do óleo (hidrocarbonetos) por meio de um material adsorvente, vem apresentando bons resultados. Este trabalho teve como objetivo analisar a utilização de bagaço de cana-de-açúcar como adsorvente para remoção de hidrocarbonetos em água produzida sintética. O material foi caracterizado pelas técnicas de termogravimetria, espectroscopia de absorção na região do infra-vermelho por transformada de Fourier e difração de raios-X, as quais demonstraram a heterogeneidade de sua composição, além do grande percentual de matéria orgânica, comprovando sua capacidade para adsorção de hidrocarbonetos. Para o estudo da eficiência do bagaço da cana-de-açúcar no processo de adsorção, foram realizados testes em leito-fixo onde água produzida sintética era posta em contato com o adsorvente e a capacidade adsortiva era verificada através de análises de turbidez nas soluções iniciais e finais. Os resultados obtidos demonstraram a potencialidade da utilização do bagaço da cana-de-açúcar como material adsorvente de hidrocarbonetos, chegando a remoção acima de 80% de óleo em água para concentrações de 10.000 ppm.

Veja o artigo completo: PDF