Resumo Trabalho

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE EM CURSO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO PRÉ E PÓS-TESTE

Autor(es): IGOR DE FREITAS e orientado por FRANCISCA ELISÂNGELA TEIXEIRA LIMA

A Segurança do Paciente tem sido considerada elemento essencial à melhoria da qualidade da assistência nos serviços de saúde. Um de seus mais importantes enfoques diz respeito à necessidade da identificação correta do paciente, diminuindo assim os riscos à sua saúde. A realização de capacitações que abordem a Segurança do Paciente voltadas a profissionais e acadêmicos é vista como estratégia viável para a promoção de uma cultura de segurança, com práticas baseadas em evidência. Objetiva-se verificar o conhecimento de acadêmicos da área da saúde sobre identificação do paciente antes e após um curso de Segurança do Paciente. Estudo descritivo, com delineamento transversal e natureza quantitativa, realizado a partir da aplicação de questionário em momentos pré-teste e pós-teste durante a realização de um curso sobre Segurança do Paciente promovido por um grupo de pesquisa que trabalha a temática vinculado à Universidade Federal do Ceará (UFC) durante o mês de abril de 2016. Responderam ao questionário 180 alunos na fase pré-testes e 156 na fase pós-teste. O questionário utilizado na coleta de dados apresentava cinco afirmativas, as quais deveriam ser assinaladas como verdadeiras ou falsas. Tais assertivas foram baseadas no Protocolo de Identificação do Paciente. Os dados foram tabulados e analisados por estatística descritiva. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da UFC sob registro de número 1.376.514. Quanto aos resultados, na primeira assertiva, que dizia respeito ao modo de registro da data de nascimento do paciente, 82,8% assinalaram corretamente na aplicação pré-teste e 91,7% no pós-teste. Na segunda assertiva, que fazia menção ao uso do número do quarto/enfermaria/leito como meio para a identificação do paciente, 78,3% dos cursistas acertaram-na ainda no pré-teste, enquanto 87,8% acertaram no pós-teste. Acerca da terceira assertiva, que tratava da quantidade de identificadores que devem ser utilizados para se confirmar o paciente, 42,3% dos participantes acertaram-na no pré-teste, enquanto 78,2% acertaram no pós-teste. No que se refere à quarta assertiva, que tratava do uso da pulseira de identificação do paciente, 81,3% dos participantes responderam corretamente no pré-teste e 97,4% na aplicação do pós-teste. Na quinta assertiva, referente à necessidade de conferência da pulseira e do paciente/familiar antes da realização do cuidado ou da administração de qualquer substância, 53,3% dos participantes responderam corretamente no questionário pré-teste, enquanto 96,2% obtiveram sucesso na aplicação pós-teste. Os resultados dos pós-testes, comparados aos obtidos no pré-teste, foram superiores em todas as assertivas consultadas, confirmando o sucesso no aprendizado dos alunos quanto aos temas referentes à identificação do paciente. Essas ações fortalecem a prerrogativa da importância da educação permanente, fomentando um cuidado à saúde mais seguro. Deve-se buscar a formação de profissionais de saúde mais qualificados quanto aos cuidados que devem prestar ao paciente, fortalecendo a segurança do paciente e a qualidade da assistência no ambiente de cuidado.

Veja o artigo completo: PDF