Resumo Trabalho

EVOLUÇÃO DA RENDA DOS CHEFES DE FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE SANTO AMARO, BAHIA, EM 2000 E 2010, COM TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

Autor(es): GEORGE GONÇALVES MACHADO, FÁBIA ANTUNES ZALOTI e orientado por DÁRIA M. CARDOSO NASCIMENTO

O PRESENTE TRABALHO TEM COMO PROPOSTA ESTUDAR A EVOLUÇÃO DA RENDA DOS CHEFES DE FAMÍLIAS (OU PESSOAS RESPONSÁVEIS) DO MUNICÍPIO DE SANTO AMARO, BAHIA, ENTRE OS ANOS DE 2000 E 2010, CONSIDERANDO TAMBÉM A DESAGREGAÇÃO POR SEXO. A PARTIR DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE POBREZA RELATIVA, NA QUAL É DESCRITA COMO AQUELA SITUAÇÃO EM QUE O INDIVÍDUO TEM MENOS DE ALGUM ATRIBUTO (SEJA RENDA, CONDIÇÕES FAVORÁVEIS DE EMPREGO OU PODER) QUANDO COMPARADO A OUTROS, E A DESIGUALDADE SUBLINHANDO A DIFERENÇA EXISTENTE NA DISTRIBUIÇÃO DE RENDA. PARA TANTO, REALIZOU-SE AS SEGUINTES ETAPAS: I) LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO; II) COLETA DOS DADOS POR MEIO DOS CENSOS DO IBGE CONSIDERANDO O RENDIMENTO NOMINAL DOS CHEFES DE FAMÍLIA NO MUNICÍPIO, E III) TRATAMENTO E TRANSFERÊNCIA DAS INFORMAÇÕES UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO. NO DECORRER DOS ANOS 2000 A 2010, NÃO FORAM IDENTIFICADOS AVANÇOS QUANTO AO AUMENTO DA RENDA DOS CHEFES DE FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE SANTO AMARO, UMA VEZ QUE 45% DESTES CHEFES ENCONTRARAM-SE NA FAIXA DE RENDA DE “½ A 1 SALÁRIO MÍNIMO”. AO MESMO TEMPO EM QUE HOUVE O AUMENTO DE 2.307 CHEFES DE FAMÍLIA NA FAIXA DOS SEM RENDIMENTO. APESAR DE TEREM SIDO DETECTADOS O CRESCIMENTO DO NÚMERO DE MULHERES CHEFES DE FAMÍLIA NO DECÊNIO 2000-2010, ESSAS TAMBÉM CRESCERAM ENTRE OS CHEFES SEM RENDIMENTO, REPRESENTANDO 92% DESSES. QUANTO AOS HOMENS, APRESENTARAM-SE COMO MAIORIA EM TODAS A FAIXAS DE RENDA ACIMA DE 1 SALÁRIO, AO MESMO TEMPO EM QUE DIMINUIU ENTRE OS CHEFES SEM RENDIMENTOS, PASSANDO DOS 57% PARA 8% EM 2010.

Veja o artigo completo: PDF