Resumo Trabalho

TESTES FITOQUÍMICOS E TOXICOLÓGICOS COM CRYPTOSTEGIA MADAGASCARIENSIS BOJER EX DECNE. (PERIPLOCOIDEAE, APOCYNACEAE)

Autor(es): ELAINE MAIA BARBOSA e orientado por ORIEL HERRERA BONILLA

Com a grande variedade de doenças e problemas ambientais, a busca por substâncias orgânicas de fontes naturais que apresentem maior eficiência e menor impacto é amplamente visada pela sociedade, onde o reino vegetal apresenta uma ampla variedade de compostos bioativos que podemos aplicar em diversas áreas. Uma família do reino Plantae de amplo interesse social e econômico é a Apocynaceae. Dispondo de representantes que é utilizada para fins medicinais, ornamentais, alimentícios e farmacêuticos, essa família, devido ao constante transporte de indivíduos, possui espécies consideradas exóticas invasoras. No Brasil, introduzida provavelmente para uso ornamental, temos como representante a Cryptostegia madagascariensis. Conhecida popularmente como unha-do-cão, viuvinha alegre, unha-do-diabo, essa espécie vem causando diversos danos ambientais, onde a competição com a vegetação autócne do Nordeste brasileiro é um deles. Embora essa invasora seja conhecida por causar impactos nos ambientes que é introduzida, pouco se sabe sobre suas características fitoquímicas e seus princípios ativos. O presente trabalho buscou identificar alguns compostos presentes no extrato etanólico das folhas de C.madagascaiensis, além de caracterizar o grau de toxicidade desse extrato frente à Artemia salina. Como resultado positivo para o teste fitoquímico, apenas a presença de taninos flobafênicos e fenóis foi observada, expressando baixa toxicidade frente á Artemia salina no teste toxicológico. Pela carência de informações ainda ser uma realidade, é necessário à realização de novos testes que busquem conhecer melhor a fitoquímica dessa invasora, buscando compreender seus malefícios e investigar compostos bioativos que possam ser usados a favor da sociedade.

Veja o artigo completo: PDF