Resumo Trabalho

ULTRAPASSANDO OS MUROS DA UNIVERSIDADE: A MONITORIA ACADÊMICA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

Autor(es): MARIA GIRLANE SOUSA ALBUQUERQUE BRANDÃO e orientado por MARISTELA INÊS OSAWA VASCONCELOS

INTRODUÇÃO: A monitoria é uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada do aluno nas atividades de ensino, pesquisa e extensão nos cursos de graduação. Neste sentido, busca fortalecer a articulação entre teoria e prática, a partir da integração curricular em seus diferentes aspectos, além de promover a cooperação mútua entre discentes e docentes, numa relação dialógica e de compartilhamento de saberes. OBJETIVO: relatar a experiência na monitoria do Módulo Práticas Interdisciplinares em Ensino, Pesquisa e Extensão do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Sobral – CE. METODOLOGIA: Trata-se de um relato de experiência, realizado a partir de vivências na monitoria do módulo PIEPE I, que integra a grade curricular do IV semestre do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Tal experiência ocorreu extra sala, na Estação da Juventude do bairro Novo Recanto, em Sobral–CE, no período de janeiro a julho de 2017. Optou-se pela realização de oficinas práticas, de caráter didático-pedagógicas realizadas no período noturno, onde as atividades desenvolvidas foram planejadas e executadas pelos acadêmicos com apoio dos monitores. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Realizaram-se 12 encontros educativos com 23 adolescentes, sendo 15 (65,2%) do sexo masculino e 8 (34,8%) do sexo feminino, entre 12 e 19 anos. Foram utilizadas metodologias ativas e participativas, onde os adolescentes puderam escolher os temas que desejavam discutir durante os encontros, como expressão de suas necessidades, sendo sugerido: Mudanças físicas e psíquicas da adolescência, Relacionamentos, Gravidez na adolescência, Contraceptivos, Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), Drogas e Violência, Política e Suicídio. Assim foi realizada uma oficina sobre as mudanças púberes, bem como de questões importantes de higiene e autocuidado. As mudanças psíquicas da adolescência foram trabalhadas também em forma de oficina, pautando a autoestima/autoaceitação. A gravidez precoce foi abordada, conduzindo a uma reflexão sobre os aspectos físicos, mentais e sociais que envolvem a gravidez e as repercussões futuras. O aborto foi aludido pelo grupo, sendo explorados os riscos que envolvem esta ação ilícita em nosso país. Neste contexto, os adolescentes e acadêmicos também debateram sobre as formas de contracepção Planejamento Familiar. Sobre as ISTs, explanou-se as formas de transmissão, sinais e sintomas, tratamento e cura, ressaltando que estas representam um sério impacto na saúde sexual e reprodutiva. A violência doméstica, institucional (bullying) e urbana foi abordada, ressaltando-se os seus riscos na saúde física, mental e social, e suas consequências em curto, médio e longo prazo. Também como foram discutidos os efeitos do álcool e o tabaco, e as drogas ilícitas. CONCLUSÃO: Neste sentido, ressalta-se a valiosa atuação dos acadêmicos, monitores e professores na atuação extra sala, levando educação em saúde para os adolescentes, por meio de metodologias participativas no intuito de possibilitar a esses jovens refletirem sobre seu presente e projetos para o futuro. Além disso, a experiência na monitoria foi de suma importância, pois proporcionou aos monitores um crescimento pessoal e profissional.

Veja o artigo completo: PDF