Resumo Trabalho

HOMOFOBIA E TRANSFOBIA E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NO BRASIL

Autor(es): RAELSON RIBEIRO RODRIGUES e orientado por CARLA NAYANNA ALVES LIMA

O SEXO É DEFINIDO PELO VÉRTICE BIOLÓGICO, ANATÔMICO. A SEXUALIDADE TERIA QUE SER TOMADA NA SUA PLURALIDADE MULTIFACETADA E A ESCOLHA DE OBJETO NÃO PODERIA SER TOMADA COMO ALGO PATOLÓGICO. A NO CENÁRIO DE VIVÊNCIA ATUAL DA POPULAÇÃO DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS E TRAVESTIS (LGBT). APESAR DE AVANÇOS NA ACEITAÇÃO DA HOMOSSEXUALIDADE, O DEBATE SOBRE ESSE ASSUNTO É DE GRANDE RELEVÂNCIA PARA SE EVIDENCIAR QUAIS SÃO OS TIPOS MAIS RECORRENTES DE VIOLÊNCIA SOFRIDA POR ESTA POPULAÇÃO NO BRASIL, ASSIM COMO NOS PRINCIPAIS RESULTADOS E ATITUDES A SEREM TOMADAS ACERCA DO TEMA. ANÁLISE CRÍTICA, COMPOSTA DE 6 ARTIGOS, ADVINDOS DA BASE DE DADOS LILACS, DE 2015 A 2019, SEM RESTRIÇÃO DE FAIXA ETÁRIA. FOI EVIDENCIADO QUE O GRUPO DO SEXO MASCULINO SOFRE MAIS VIOLÊNCIA FÍSICA E QUE O GRUPO DO SEXO FEMININO, VERBAL, PSICOLÓGICA E SEXUAL. TORNA-SE EVIDENTE A NECESSIDADE DE ATENÇÃO À SAÚDE DESSE GRUPO POPULACIONAL, VISANDO PROMOVER A INTEGRALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE SAÚDE E INCLUSÃO SOCIAL DESSA POPULAÇÃO MARGINALIZADA E VULNERÁVEL.

Veja o artigo completo: PDF