Resumo Trabalho

“PROJETO PATHOS” SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE UM TESTE VOCACIONAL A PARTIR DO QUADRO CONCEITUAL DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS DE HOWARD GARDNER

Autor(es): RAQUEL ALVES SANTOS e orientado por EMMANOEL DE ALMEIDA RUFINO

É de fácil percepção que os jovens, mesmo depois de terem ultrapassado as barreiras acadêmicas, possuem ainda uma aflição, pois não encontram algo que os apaixona para seguir carreira, ou se dizem incapazes por acharem que não são providos de uma determinada inteligência. Esse fato se dá, pois, na civilização ocidental ainda persiste a noção que a inteligência encontra-se totalmente entrelaçada com habilidades linguística e de raciocínio lógico-matemático. Contudo o psicólogo e cientista Howard Gardner, nos apresenta o conceito de inteligências múltiplas que abrange habilidades desenvolvidas por cada sujeito, podendo assim cada individuo desenvolver diversas inteligências, podendo algumas se sobressair mais que outras. Diante disso, o objetivo principal do trabalho tem como finalidade expor os fundamentos teórico-metodológicos que subjazem o teste vocacional que estamos desenvolvendo no Projeto Pathos. Demonstramos – no primeiro momento analítico deste estudo – que o conceito gardneriano de inteligência rompe com o padrão mentalista/cognitivista que marcou a tradição racionalista do Ocidente moderno, ao defender que os sujeitos possuem múltiplas inteligências, já que o cérebro humano não é o campo restrito onde elas se manifestam (a inteligência é um fenômeno biopsicossocial), como a própria mente humana não possui uma manifestação unitária de intelecção. Futuramente, os resultados da pesquisa que apresentamos parcialmente neste artigo orientarão o desenvolvimento do “Projeto Pathos” a assumir uma tipologia de campo, tendo em vista que nosso projeto quer promover uma observação fenomênica da realidade daqueles que querem conhecer suas aptidões biopsicossociais e as respectivas profissões que melhor respondam a elas, partindo de um processo de coleta de dados (o teste vocacional) a ser por sua vez interpretado à luz do modelo conceitual gardneriano.

Veja o artigo completo: PDF