Resumo Trabalho

AVANÇOS NA QUALIDADE DA CARNE DE FRANGO MECANICAMENTE SEPARADA (CFMS) PRODUZIDA NO BRASIL

Autor(es): PACHIELE DA SILVA CABRAL, IVINA ALBUQUERQUE DA SILVA, NEIDE SHINOHARA, MARIA DO ROSÁRIO DE FÁTIMA PADILHA

CARNE DE FRANGO MECANICAMENTE SEPARADA (CFMS) CARACTERIZA-SE PELA REMOÇÃO DOS OSSOS DE UMA CARCAÇA DE FRANGO UTILIZANDO PROCESSOS MECÂNICOS APLICADOS POSTERIORMENTE À DESOSSA MANUAL. ESTE MECANISMO DE APROVEITAMENTO DA MATÉRIA PRIMA ABRIU MARGEM PARA O SURGIMENTO DE DIVERSOS PRODUTOS QUE GANHARAM O GOSTO POPULAR, COMO MORTADELAS, SALSICHAS, SALAMES, ETC. ENTRETANTO, O AUMENTO CARACTERÍSTICO NOS NÍVEIS DE LIPÍDIOS NESSAS CARNES, ALIADO AO AUMENTO NATURAL DO PH, IMPULSIONA A PROLIFERAÇÃO MICROBIANA E A CONSEQUENTE DETERIORAÇÃO. DESTA FORMA, ELUCIDAR SOBRE OS PRINCIPAIS AVANÇOS BIOTECNOLÓGICOS RELACIONADOS AO MELHORAMENTO NA QUALIDADE DESTES TIPOS DE CARNES PODEM CONTRIBUIR COM A AMPLIAÇÃO DA RECEPTIVIDADE DESSES PRODUTOS DERIVADOS DO FRANGO, AUXILIANDO, ASSIM, NA EXPANSÃO DO MERCADO CONSUMIDOR. DIANTE DA IMPORTÂNCIA, O PRESENTE ESTUDO BUSCOU COMPOR UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE O TEMA PROPOSTO, UTILIZANDO CONSULTAS A BANCOS DE DADOS ACADÊMICOS COMO SCIELO, LILACS, NCBI E PUBMED. A CONSULTA FOI REALIZADA UTILIZANDO OS DESCRITORES "CARNE MECANICAMENTE SEPARADA", “CARNE DE FRANGO MECANICAMENTE SEPARADA” "FRANGO", “AVES”, “CARNE MECANICAMENTE SEPARADA DE FRANGO” E “CARNE MECANICAMENTE SEPARADA DE AVES”. FORAM CONSULTADOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2015 E 2019. ESTES ESTUDOS APONTAM QUE AS CFMS PRODUZIDAS NO BRASIL APRESENTAM BOAS PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E FUNCIONAIS, COM CUSTO DE AQUISIÇÃO REDUZIDO. OS AVANÇOS BIOTECNOLÓGICOS RELACIONADOS AO MELHORAMENTO NO TEOR NUTRICIONAL, SENSORIAL E SANITÁRIO ENVOLVENDO ALTERNATIVAS PARA CONTORNAR OS ELEVADOS TEORES DE SÓDIO, PROLONGAMENTO DE VIDA-DE-PRATELEIRA E CONSERVAÇÃO DA PALATABILIDADE NESSES PRODUTOS, DEMONSTRAM-SE PROMISSORES. TODAVIA, A COMBINAÇÃO DE DIFERENTES BARREIRAS PODE AUXILIAR PARA MINIMIZAR A MULTIPLICAÇÃO DE MICRORGANISMOS DETERIORANTES E PATOGÊNICOS NESTES SUBPRODUTOS CÁRNEOS.

Veja o artigo completo: PDF